Abrir menu principal

Back to the Future Part III

filme de 1990 dirigido por Robert Zemeckis
Back to the Future Part III
Regresso ao Futuro Parte III (PRT)
De Volta para o Futuro 3 (BRA)
Pôster original de lançamento do filme.
 Estados Unidos
1990 •  cor •  118[1] min 
Direção Robert Zemeckis
Produção Neil Canton
Bob Gale
Produção executiva Steven Spielberg
Frank Marshall
Kathleen Kennedy
Roteiro Bob Gale
História Robert Zemeckis
Bob Gale
Elenco Michael J. Fox
Christopher Lloyd
Mary Steenburgen
Thomas F. Wilson
Lea Thompson
Género ficção científica
aventura, comédia, faroeste
Música Alan Silvestri
Cinematografia Dean Cundey
Edição Harry Keramidas
Arthur Schmidt
Companhia(s) produtora(s) Amblin Entertainment[2]
Distribuição Universal Pictures[2]
Lançamento Estados Unidos 25 de maio de 1990
Brasil 3 de agosto de 1990
Portugal 6 de agosto de 1990
Idioma inglês
Orçamento US$ 40 milhões[3]
Receita US$ 244.527.583[3]
Cronologia
Back to the Future Part II
(1989)
Página no IMDb (em inglês)

Back to the Future Part III (br: De Volta para o Futuro 3 - pt: Regresso ao Futuro Parte III) é um filme estadunidense de ficção científica[4] lançado em 1990, sendo a terceira e última parte da trilogia de filmes Back to the Future. Dirigido por Robert Zemeckis, o filme contou com Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Mary Steenburgen, Thomas F. Wilson e Lea Thompson em seu elenco de atores. O longa continua a história deixada em aberto na Part II (1989): enquanto está preso em 1955 durante suas aventuras de viagem no tempo, Marty McFly (Fox) descobre que seu amigo Dr. Emmett "Doc" Brown (Lloyd), que encontra-se preso em 1885, foi morto por Buford "Cachorro Louco" Tannen (Wilson), bisavô de Biff; Marty viaja para 1885 para resgatar Doc e voltar em definitivo para o ano de 1985, mas as coisas ficam complicadas quando Doc se apaixona pela professora Clara Clayton (Steenburgen).

Back to the Future Part III foi rodado nos estados americanos da Califórnia e Arizona e foi produzido com um orçamento de quarenta milhões de dólares, sendo realizado em conjunto com a Part II. O filme foi lançado nos Estados Unidos em 25 de maio de 1990, seis meses após o lançamento do seu predecessor; Part III faturou um pouco mais de 244,5 milhões de dólares em todo o mundo, tornando-se o sexto filme de maior bilheteria de 1990.

EnredoEditar

Em 12 de novembro de 1955, momentos após testemunhar a aparente morte do Doutor "Doc" Brown por meio de um raio que atingiu a máquina do tempo, Marty McFly (de 1985) descobre que Doc (também de 1985) foi transportado para 1885 e está preso por lá. Marty, então, contata o Doc de 1955, que acabara de levar o primeiro Marty para 1985, para ajudar a por em prática as informações da carta que o Doc preso em 1885 escreveu para Marty em 1955 para reparar o DeLorean. Marty vê uma lápide em um cemitério com o nome de Doc, com a data de sua morte constada seis dias após a escrita da carta, e descobre que Doc foi morto pelo bisavô de Biff Tannen, Buford "Cachorro Louco". Marty fotografa a lápide e viaja para 1885 para salvar Doc.[5]

Marty chega em 2 de setembro de 1885, no meio de uma perseguição da cavalaria norte-americana contra indígenas. Ao esconder o carro em uma caverna, Marty percebe que o tanque de combustível do DeLorean fora furado por uma flecha; ele então deixa o veículo ali e caminha até Hill Valley. Ao chegar na então pequena cidade, Marty conhece seus tataravôs nascidos na Irlanda, Seamus e Maggie McFly, e entra em conflito com Buford e sua gangue; Buford tenta linchar Marty enforcando-o, mas Doc o salva. Doc concorda em deixar 1885 após Marty explicar que ele será morto, mas como a gasolina do tanque do carro está vazando através do furo e não há postos de combustíveis em 1885, o DeLorean não pode chegar até as 88 mph (142 km/h).[5]

Doc elabora um plano para usar uma locomotiva para empurrar o DeLorean até a velocidade necessária.[5] Enquanto ele e Marty exploram um ramal ferroviário ainda em construção que eles pretendem usar, eles avistam uma carroça puxada por cavalos em alta velocidade com uma passageira desesperada; Doc salva a moça, chamada Clara Clayton, antes da carroça cair em um desfiladeiro e os dois se apaixonam; Marty e Doc descobrem que Clara deveria morrer caindo na ravina pois o local, no futuro, ganharia o nome "Ravina Clayton" em sua homenagem, mas como eles a salvaram a história será alterada. Em um festival da cidade, Buford tenta matar Doc por conta de uma dívida de oitenta dólares, mas Marty o frustra; Buford insulta Marty e o desafia para um confronto em dois dias a qual Marty, no calor da raiva por ser xingado de covarde, aceita. O nome de Doc na foto da lápide é aos poucos substituído por "Clint Eastwood", que é o pseudônimo de Marty em 1885; Doc avisa à Marty que ele poderá substituí-lo na cova.[5]

Marty e Doc colocam o DeLorean nos trilhos do ramal e Doc diz a Marty que, ao retornar em 1985, o DeLorean deverá ser destruído. Incapaz de convencer Clara de que ele é do futuro, Doc é rejeitado por ela quando ele vai se despedir. Desiludido, Doc vai ao bar para se embebedar, mas Marty convence Doc a esquecer Clara e a fugir com ele; Doc, contudo, bebe um único gole de uísque e desmaia. Buford chega e chama Marty para a peleja, mas Marty se recusa a duelar. Doc acorda depois de beber uma bebida contra ressaca servida pelo barman e tenta fugir com Marty, mas a gangue de Buford captura Doc, forçando Marty a duelar. Depois de enganar Buford para pensar que ele matou Marty usando uma placa de um forno à lenha resistente à tiros, Marty golpeia Buford, fazendo-o cair uma carroça cheia de estrume. Buford é preso por um assalto anterior.[5]

 
A nova "máquina do tempo", em forma de locomotiva, construída pelo Dr. Brown, utilizada para fazer uma visita rápida ao ano de 1985 (no final do filme).

Enquanto Clara embarca no trem para ir embora da cidade, ela ouve um vendedor discutindo o quão desolado Doc estava. Após ouvir a conversa e perceber que Doc realmente a amava, Clara aciona o freio de emergência do trem e volta para a cidade. Ao chegar na oficina de Doc, ela descobre a maquete que ele havia feito para simular sua viagem com a máquina do tempo e corre à cavalo atrás dele. Roubando a locomotiva sob a mira de uma arma, Doc e Marty começam a empurrar o DeLorean ao longo da linha do ramal; Clara chaga a tempo para embarcar na locomotiva enquanto Doc sobe em direção ao DeLorean sem perceber sua presença. Após vê-la, Doc encoraja Clara a voltar com ele e Marty para 1985, mas ela quase cai da locomotiva, ficando pendurada pelo seu vestido. Marty passa seu hoverboard de 2015 para Doc para que ele possa salvar Clara; após Doc conseguir resgatar Clara, o casal se afasta do trem quando ele cai de uma ponte ferroviária inacabada; Marty viaja para 1985 com a ponte já concluída e com o local batizado com o nome "Ravina Eastwood".[5]

Marty chega em 27 de outubro de 1985, escapando do agora imprestável DeLorean antes dele ser destruído por um trem de carga que se aproxima. Ele descobre que tudo voltou ao cronograma inicial da viagem pós-tempo e encontra Jennifer dormindo em sua varanda da frente; Marty usa as lições que aprendeu em 1885 para evitar ser incitado para participar de um racha de rua com Douglas J. Needles, evitando um possível acidente automobilístico. Lembrando-se que este acidente teria originado a vida de Marty declinar em 2015, Jennifer abre o papel do fax de 2015 que ela havia guardado em seu bolso e percebe que a mensagem sobre a demissão de Marty desapareceu.[5]

Enquanto Marty e Jennifer examinam os destroços do DeLorean nos trilhos de trem, uma máquina do tempo em forma de locomotiva surge, comandada por Doc, Clara e seus dois filhos, Jules e Verne. Doc dá a Marty de presente uma foto dos dois durante a festa de inauguração do relógio da torre em 1885. Jennifer pergunta sobre a mensagem apagada do fax e Doc diz que isso significa que o futuro ainda não foi escrito. Doc e sua família partem a bordo da locomotiva para um tempo desconhecido.[5]

ElencoEditar

ProduçãoEditar

 
Um dos veículos DeLorean usados ​​no filme

As origens do tema ocidental de Back to the Future Part III remontam a produção do primeiro filme da trilogia. Durante as filmagens da primeira parte, o diretor Robert Zemeckis perguntou a Michael J. Fox qual período de tempo ele gostaria de ver; Fox respondeu que queria visitar o Velho Oeste e conhecer caubóis. Zemeckis e o escritor-produtor Bob Gale ficaram entusiasmados com a ideia, mas a seguraram até a produção da Part III.[6] Em vez de usar os conjuntos já existentes, os cineastas construíram a Hill Valley de 1885 a partir do zero.[6] As cenas ocidentais foram filmadas em Monument Valley;[7] algumas das filmagens para a Hill Valley de 1885 foram feitos em Jamestown, na Califórnia;[7] algumas das cenas do trem foram rodadas na Railtown 1897 State Historic Park,[8] uma linha de trem histórica localizada em Jamestown. Enquanto o primeiro filme usou uma ideia mais materialista para o enredo, Zemeckis considerava a Part III mais "humana" com implicações espirituais.[9]

As filmagens de Back to the Future Part II, que foram gravadas ao longo de 1989, reuniram grande parte do elenco original.[9] Os filmes foram rodados ao longo de onze meses, exceto por um hiato de três semanas entre as filmagens das partes II e III. A parte mais exaustiva foi editar a Part II enquanto se filmava a Part III e Zemeckis suportou o peso deste processo durante um período de três semanas; enquanto Zemeckis estava filmando a maioria das sequências do trem, Gale estava em Los Angeles supervisionando o final das rodagens da Part II.[9] Embora o cronograma para a maioria do pessoal envolvido nas produções tenha sido extenuante, os atores acharam o local remoto para as filmagens da Part III mais adequado para relaxar em comparação com a Part II.[9]

O papel de Clara Clayton foi escrito já com Mary Steenburgen em mente. Quando ela recebeu o roteiro, no entanto, ela estava relutante em se comprometer com o filme até que seus filhos, que eram fãs do primeiro filme, insistiram-na a participar.[9] Foi com Steenburgen que Christopher Lloyd deu seu primeiro beijo no cinema.[9] A cena da dança do Festival de Hill Valley provou ser a mais custosa para Steenburgen pois, devido aos passos excessivos da dança, ela ficou com um ligamento rompido no pé.[6]

O filme também estrelou atores de cinema veteranos do gênero western com Pat Buttram, Harry Carey Jr. e Dub Taylor como os três idosos que frequentam o bar da cidade.[10] Buttram também era conhecido pelo público mais jovem por seu extenso trabalho como dublador, particularmente emprestando sua voz ao Xerife de Nottingham em Robin Hood da Disney.[11] A inclusão desses atores westerns no filme foi lembrada em vários documentários sobre a produção, bem como no documentário dos bastidores do DVD e até mesmo no obituário de um dos atores.[12] Os músicos da banda de Hill Valley em 1885 foram interpretados pelos membros do grupo musical ZZ Top.

Filmar um filme no Velho Oeste era atraente para os dublês experientes: "Tivemos todos os grandes dublês de Hollywood querendo trabalhar na Part III", lembrou Gale em 2002.[9] Thomas F. Wilson, que interpretou Buford Tannen, escolheu realizar suas próprias cenas de ação e gastou muito tempo aprendendo a andar à cavalo e a jogar laços de corda. As filmagens tiveram de ser interrompidas quando o pai de Michael J. Fox morreu e quando seu filho nasceu.[6]

Alan Silvestri, através de sua colaboração de longa data com Zemeckis, voltou a compor a trilha sonora em Back to the Future Part III; em vez de simplesmente ditar como as músicas deveriam soar, Zemeckis dirigiu Silvestri como faria com um ator, procurando evocar emoções e tratar cada música como um personagem.[9]

A fotografia na Part III foi um "sonho" para o diretor de fotografia Dean Cundey, que concordou de imediato em filmar uma versão de Back to the Future no faroeste. Os cineastas buscavam uma imagem brilhante e colorida para cada cena, com um toque de sépia em certos momentos.[9] Zemeckis desejou criar um clímax espetacular para o filme; ele coordenou os atores, uma locomotiva a vapor, pirotecnia e efeitos especiais, e inúmeros técnicos ao mesmo tempo.[9] Como haviam feito com os dois filmes anteriores da trilogia, os efeitos visuais da Part III foram gerenciados pela empresa de efeitos especiais Industrial Light & Magic; o chefe do departamento de animação, Wes Takahashi, voltou a animar as sequências de viagem no tempo do DeLorean.[13][14]

Lançamento e recepçãoEditar

O filme arrecadou US$ 23 milhões em seu primeiro fim de semana de lançamento nos Estados Unidos e US$ 87,6 milhões de bilheteria total quando saiu de cartaz dos cinemas do país (cerca de US$ 152,4 milhões ajustado pela inflação em janeiro de 2011).[15] No total mundial, o filme arrecadou um pouco mais de US$ 244,5 milhões, sendo o filme de menor receita da trilogia.[16][17][18]

Em 17 de dezembro de 2002, a Universal lançou Back to the Future Part III em VHS como parte de um box que conteve os três filmes da trilogia.[19]

Recepção críticaEditar

O site agregador de crítcas Rotten Tomatoes relatou um índice de aprovação de 75%, com base em 44 avaliações, com uma classificação média de 6,52/10.[20]

Kim Newman, da revista Empire, deu ao filme quatro de cinco estrelas, dizendo que o filme "restaura o interesse do primeiro filme e tem um enredo completamente satisfatório"; ele elogiou Michael J. Fox por "manter a trama em movimento" e mencionou que o romance de Christopher Lloyd e Mary Steenburgen era "engraçado"; disse ainda que o final do filme foi "o mais legal de todos" e que a trilogia "apresenta uma das melhores máquinas do tempo no cinema".[21]

Leonard Maltin preferiu este filme aos dois primeiros, dando a ele três estrelas e meia de quatro, dizendo que "oferece muita diversão, efeitos especiais deslumbrantes e imaginação de sobra. Há mágica real do cinema em ação aqui".[22] Michael McWhertor, do site Polygon, escreveu que, embora o filme não seja melhor que o primeiro da série, ainda assim é "melhor do que o segundo"; ele elogiou os elementos cômicos e românticos do filme e elogiou o desempenho de Thomas F. Wilson como "Cachorro Louco" Tannen.[23]

Roger Ebert, do Chicago Sun-Times, deu ao filme duas estrelas e meia de quatro; ele disse que o enredo western do filme é "uma versão de sitcom que se parece exatamente como se fosse construída em um terreno de volta em algum lugar".[24] Embora Vincent Canby do The New York Times tenha elogiado o desempenho de Christopher Lloyd no filme, ele também disse que o filme "parece ser o começo de uma série de televisão contínua"; ele reclamou também que o filme é "tão doce e sem graça que é quase instantaneamente esquecível".[25]

Outros comentaristas notaram paralelos entre Time After Time, de 1979, e Back to the Future Part III.[26] Mary Steenburgen disse:

Na verdade, eu realizei a mesma cena no filme (Time After Time) e na Part III... Eu tive um homem de um período diferente me dizendo que ele está apaixonado por mim, mas ele tem que voltar ao seu próprio tempo. Minha resposta em ambos os casos é, claro, descrença, e os ponho fora da minha vida. Depois, descobri que estava errada e que, de fato, o homem é realmente de outra época e vou atrás deles para mostrar meu amor. É uma sensação muito estranha encontrar-se fazendo a mesma cena, com tantos anos de diferença, pela segunda vez em minha carreira.[27]

A história de Back to the Future III parece ter sido realmente espelhada na trama de Time After Time.[28][29] Na produção de 1979, a mulher vive no século XX e o viajante do tempo é do século XIX; em Back to the Future III, a mulher habita o século XIX e o viajante do tempo é do século XX.[29][30] Em ambos os filmes, a mulher acaba voltando com o viajante do tempo para viver com ele em seu período de tempo.[31]

Prêmios e indicaçõesEditar

Em 1990, o filme ganhou um Prêmio Saturno de Melhor Música pelo trabalho de Alan Silvestri e um prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pela atuação de Thomas F. Wilson.[32] Em 2003, o filme recebeu um prêmio AOL Movies DVD Premiere de Melhor Edição Especial do Ano, um prêmio baseado em uma votação on-line de consumidores.[33]

Referências

  1. «BACK TO THE FUTURE PART III (PG)». British Board of Film Classification. 4 de junho de 1990. Consultado em 21 de junho de 2015 
  2. a b «Back to the Future Part III». AFI Catalog of Feature Films. Consultado em 9 de julho de 2017 
  3. a b «Back to the Future III (1990)». Box Office Mojo. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  4. «Back to the Future Part III». CBS Interactive Inc 
  5. a b c d e f g h «Sinopse - Adoro Cinema». AdoroCinema. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  6. a b c d Bob Gale, Robert Zemeckis et al. (2002). Back to the Future Part III. Special Features: The Making of Back to the Future Part III (DVD). Universal Studios Home Entertainment 
  7. a b Back to the Future 2002 DVD Feature: Robert Zemeckis and Bob Gale Q&A recorded at the University of Southern California
  8. «Railtown 1897 State Historic Park Film Credits». railtown1897.org. Consultado em 4 de outubro de 2014. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2010 
  9. a b c d e f g h i j Bob Gale, Robert Zemeckis et al. (2002). Back to the Future Part III. Special Features: Making the Trilogy: Chapter Three (DVD). Universal Studios Home Entertainment 
  10. Sorcha Ní Fhlainn, ed. (12 de maio de 2010). «The Worlds of Back to the Future: Critical Essays on the Films». McFarland. Consultado em 14 de novembro de 2016 
  11. «Pat Buttram». Behind The Voice Actors. Consultado em 14 de novembro de 2016 
  12. «soentertain.me». soentertain.me. Consultado em 14 de novembro de 2016. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  13. Failes, Ian (21 de outubro de 2015). «The future is today: how ILM made time travel possible». FXGuide. Consultado em 17 de junho de 2016 
  14. «Digital Arts Faculty». International Technological University. Consultado em 17 de junho de 2016. Arquivado do original em 12 de agosto de 2016 
  15. «$87,666,629.00 in 1990 had the same buying power as $152,376,558.90 in 2011.». Dollartimes.com. 7 de janeiro de 2012. Consultado em 7 de janeiro de 2012 
  16. Broeske, Pat H. (30 de maio de 1990). «'Back to Future III' a Fast Draw Against 'Fire Birds' Movies: Memorial weekend opening is no contest. `Future III' takes $23.7 million, while `Birds' takes $6.3 million.». The Los Angeles Times. Consultado em 16 de novembro de 2010 
  17. «Box Office History for Back to the Future Movies». The Numbers. Consultado em 28 de novembro de 2010 
  18. «`Recall' Totally Outdistances `Future' in Box-Office Race Movies: Schwarzenegger's sci-fi flick opens with $25.5 million. But it only just edges the `Turtles' ' $25.3-million record.». The Los Angeles Times. 15 de março de 1993. Consultado em 30 de novembro de 2010 
  19. «Amazon.com: Back to the Future: The Complete Trilogy». Amazon. Consultado em 25 de janeiro de 2016 
  20. «Back to the Future Part III». Rotten Tomatoes. Consultado em 28 de novembro de 2010 
  21. Newman, Kim. «Back To The Future: Part III». Empire. Bauer Consumer Media. Consultado em 30 de agosto de 2012 
  22. Maltin, Leonard (2008), p. 78. Leonard Maltin's 2009 Movie Guide. Signet Books.
  23. McWhertor, Michael (21 de outubro de 2015). «Back to the Future Part 3 is perfect (and better than Part 2)». Polygon. Consultado em 23 de junho de 2016 
  24. Ebert, Roger (25 de maio de 1990). «Back to the Future Part III review». Chicago Sun-Times. Consultado em 18 de novembro de 2010 
  25. Canby, Vincent (25 de maio de 1990). «A Trilogy Whose Future Has Passed». The New York Times. Consultado em 30 de agosto de 2012 
  26. Spencer Bennett (2 de novembro de 2015). «WHAT TIES THESE FIVE TIME-TRAVEL MOVIES TOGETHER? – [VIDEO]». mix979fm.com. I was noticing the time-traveling ties between 'Time After Time' (1979) and another movie 'Back to the Future III' (1990), a film also starring Mary Steenburgen. In 'Time After Time', she played Amy Robbins, a 20th Century woman who falls in love with a time traveller, H.G. Wells (played by Malcolm McDowell) from the 19th Century.... In Back to the Future Part III (1990), she played Clara Clayton, a 19th Century woman who falls in love with a time traveller, (played by Christopher Lloyd) from the 20th Century. 
  27. «Mary Steenburgen ("Clara Clayton Brown")». backtothefuture.com 
  28. Christopher Campbell (21 de outubro de 2015). «10 Movies to Watch After You See Back to the Future Part III». filmschoolrejects.com. Steenburgen was sought to play Clara in part based on her role in this movie where she plays the love interest of another time traveller. Instead of a man from the future who is a fan of a famed 19th century sci-fi and fantasy author, her leading man is from the past and an actual famed 19th century sci-fi and fantasy author, H.G. Wells (Malcolm McDowell)... he brings Steenburgen’s character back to his own time period, just as Doc does with Clara. 
  29. a b «Ultimate Facts: back to the Future Part III». thefilmbox.org. The role of Clara Clayton was written specifically for Mary Steenburgen. – In the film, Clara Clayton is a 19th Century woman who falls in love with a time traveler from the 20th Century. In Time After Time (1979), Mary Steenburgen played Amy Robbins, a 20th Century woman who falls in love with a time traveler from the 19th Century.Century. 
  30. «Film / Back to the Future Part III». tvtropes.org. Actor Allusion: Mary Steenburgen stars as a woman who falls in love with a time-traveler, just like in Time After Time... Also worth noting is in this film, she is a 19th century woman who falls in love with a 20th century time-traveler, the opposite of her role from Time After Time, where she was a 20th century woman who falls in love with a 19th century time-traveler. 
  31. Sorcha Ní Fhlainn (1 de agosto de 2016). «'There's Something Very Familiar About All This': Time Machines, Cultural Tangents, and Mastering Time in H.G. Wells's The Time Machine and the Back to the Future trilogy». Adaptation. 9 (2): 164. The conclusion to Back to the Future III (where both Doc and Clara travel to 1985 to meet with Marty once more, in a new time machine constructed within a steam-powered locomotive), intertextually connects this moment with the conclusion of Meyer’s Time After Time, where H.G. Wells (Malcolm McDowell) not only prevents Jack the Ripper (David Warner) from continuing his murder spree in San Francisco in 1979, but also brings Amy Robbins (also played by Mary Steenburgen) back to Victorian England with him. Thus, both women are positioned as a reward for the time traveller’s dedication and emotional connection to the machine. Both Clara and Amy are permanently relocated by their respective masters of time, just as Wells’s Time Traveller had intended with Weena. 
  32. «Past Saturn Awards». The Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films. Consultado em 28 de novembro de 2010. Arquivado do original em 4 de abril de 2007 
  33. «Back to the Future awards». IMDb. Consultado em 28 de novembro de 2010 

Ligações externasEditar