O Banco CTT, S.A. (BCTT) é um banco privado português, pertencente aos CTT Correios de Portugal.[1]

Banco CTT
Banco CTT
Razão social Banco CTT, S.A.
Sociedade anónima
Slogan O banco que nos move
Atividade Banca
Sede Lisboa, Portugal
Área(s) servida(s) Portugal Portugal
Proprietário(s) CTT (Correios de Portugal)
Presidente Luís Pereira Coutinho
(CEO)
Pessoas-chave João Moreira Rato
(chairman)
Clientes 500.000 (2020)
Website oficial bancoctt.pt

História editar

Caixa Económica Postal editar

A primeira tentativa de os CTT terem o seu próprio banco foi encetada em 1911, quando a Lei de 24 de Maio de 1911 criou a Caixa Económica Postal (CEP) enquanto serviço da Caixa Geral de Depósitos (CGD), tendo como objetivo a obtenção de depósitos de forma a "fortalecer o espírito da economia junto da população portuguesa", e funcionando nas estações de correios e nos balcões da CGD.[2]

Uma vez que outro serviço da CGD, a Caixa Económica Portuguesa (CEP2) fundada em 1881, já cumpria tal objetivo, a CEP foi extinta a 1 de Janeiro de 1936 pelo Decreto-Lei n.º 26096 de 23 de Novembro de 1935, tendo sido absorvida pela CEP2.[2] Não obstante, a designação "Caixa Económica Postal" continuou a ser utilizada para os serviços da CGD nas estações dos CTT até aos anos 80.[2]

Banco Postal editar

Os CTT celebraram em 1998 acordo de parceria com a CGD de forma a lançar um novo banco, que se chamaria "Banco Postal".[3] O banco seria lançado a 19 de Fevereiro de 2002, tendo os CTT 49% do capital; no entanto, a 10 de Janeiro de 2003, a CGD adquiriu a quota dos CTT.[3][4]

Em 2004, os CTT voltaram a lançar nova parceria, desta vez com o Banif; no entanto, no ano seguinte, a CGD, que ainda tinha direito de preferência na parceria bancária com os CTT, bem como a titularidade da designação "Banco Postal", vetou o projeto.[5] Em 2007, os CTT romperam em definitivo a sua parceria com a CGD, que era suposto durar até Janeiro de 2008,[3] ao passo que, em Setembro de 2006, o Banif avançou com um processo contra os CTT em que pedia o relançamento da parceria ou o pagamento de 100 milhões de euros em indemnização, do qual acabou por desistir a 29 de Abril de 2013.[6]

Banco CTT editar

O Banco CTT foi constituído a 24 de agosto de 2015, com um capital social de 34 milhões de euros.[1] Tendo como acionistas únicos os CTT, a empresa começou as suas atividades a 27 de novembro de 2017.[7] A 18 de março de 2016, o banco abriu as suas primeiras agências, com a abertura simultânea de 52 balcões instalados em lojas CTT.[8]

Galeria editar

Referências

  1. a b João Alexandre (24 de agosto de 2015). «Já nasceu o "Banco CTT"». TSF. Consultado em 18 de junho de 2019 
  2. a b c «Caixa Económica Postal». Sítio da Caixa Geral de Depósitos. Consultado em 5 de Setembro de 2021 
  3. a b c Campos, Anabela; Ferreira, Cristina (12 de Dezembro de 2006). «CTT rompem com CGD para criação do Banco Postal». Público. Consultado em 9 de Setembro de 2021 
  4. Leite, Bárbara (10 de Janeiro de 2003). «CGD adquire posição dos CTT no capital do Banco Postal (act)». Jornal de Negócios. Consultado em 9 de Setembro de 2021 
  5. «CGD exerce direito de preferência no banco postal». Público. 25 de Fevereiro de 2005. Consultado em 9 de Setembro de 2021 
  6. Gago, Maria João (29 de Abril de 2013). «Banif desistiu do pedido de indemnização por Banco Postal». Jornal de Negócios. Consultado em 9 de Setembro de 2021 
  7. Rui Oliveira Marques (18 de novembro de 2015). «Banco CTT promete produtos simples e com custos competitivos para os clientes». Meios & Publicidade. Consultado em 18 de junho de 2019 
  8. Maria João Gago (18 de março de 2016). «Nos bastidores do corta-fitas do Banco CTT». Jornal de Negócios. Consultado em 18 de junho de 2019