Abrir menu principal
Barbanera
Idioma Italiano
Assunto Curiosidades, verde, bem-estar, luna
Editor Editoriale Campi
Lançamento 1762

Barbanera é um famoso almanaque italiano, impresso pela primeira vez em 1762[1] ainda publicado uma vez por ano.

Índice

ConteúdosEditar

Desde as primeiras edições, o Barbanera é publicado paralelamente sob a forma de calendário lunar de parede e almanaque de bolso. Tradicionalmente propõe, além do calendário do ano em curso, previsões meteorológicas e indicações das fases lunares, as efemérides, curiosidades, provérbios, dicas para o verde, para o bem-estar e para a vida doméstica. Todos os conteúdos são inspirados pela figura de um astrônomo lendário, Barbanera, representado em diferentes edições com uma longa barba preta[2].

O sucesso com o decorrer do tempoEditar

Devido à sua popularidade, Barbanera é indicado pelos dicionários italianos mais importantes como sinónimo de almanaque. Indispensável guia do tempo religioso e civil para muitas gerações de italianos, ao longo dos séculos desempenhou a função de divulgação do conhecimento técnico de agricultura. Gabriele D’Annunzio o define “a flor dos tempos e o conhecimento das nações”[3] .

Barbanera na Memória do Mundo UnescoEditar

Através da coleção de almanaques conservada na Fondazione Barbanera 1762[4], desde 2015 Barbanera entrou para o património documental da humanidade declarado pela Unesco no Registo da Memória do Mundo como “símbolo de um género literário que ajudou a criar as culturas de massa e a fazer a identidade da herança de nações inteiras, até o evento de formas mais modernas de comunicação de massa”[5].

Referências

  1. Algumas fontes, como o dicionário Treccani, por exemplo, indicam 1743 como o seu primeiro ano de publicação. O exemplar mais antigo, conservado nos arquivos históricos de Fondazione Barbanera, é um folheto avulso de 1762 com o calendário do ano e uma previsão inicial assinada por Barbanera, já nomeado como "famoso", como evidencia Ivo Picchiarelli em Os primeiros passos de uma tradição italiana. Os mais antigos calendários lunares Barbanera em fólio, na Fondazione Barbanera 1762 (sob a responsabilidade de), Barbanera 1762, Editoriale Campi, Spello, 2012, p. 72.
  2. Para a história e as características da publicação, consulte o mencionado livro Barbanera 1762.
  3. Veja a carta de D’Annunzio ao padre de Gardone Riviera em 24 de fevereiro de 1934 conservada na Fundação Vittoriale degli italiani e citada por Attilio Mazza em D’Annunzio e l’occulto, Edizioni Mediterranee, Roma, 1995, p. 29.
  4. O Registo da Memória do Mundo (Memory of the World Register incluiu entre os seus patrimónios a coleção de 356 almanaques e calendários lunares Barbanera publicados de 1762 até 1962, conservados na Fondazione Barbanera 1762 em Spello, Úmbria. Para mais informações consultar também o catálogo bibliográfico www.bibliotecabarbanera.it (sitio em Italiano e Inglês consultado el 3/12/2016).
  5. Consulte o sítio Unesco, Programa da Memória do Mundo (sitio em Inglês consultado el 3/12/2016).