Abrir menu principal

Batalhão Académico

Em PortugalEditar

O Batalhão Académico de 1658Editar

A primeira formação de um batalhão académico em Portugal registou-se no contexto da Guerra da Restauração da Independência portuguesa (1640-1668), composto por uma centena de alunos da Universidade de Évora e alguns professores, sob o comando do próprio reitor da instituição, o padre Francisco Soares ("Francisco Soares Lusitano"), da Companhia de Jesus. Guarneceram a praça-forte da Juromenha e marcharam com as tropas portuguesas que se deslocaram para libertar a praça-forte de Évora, e que foram vitoriosas na batalha das Linhas de Elvas (14 de janeiro de 1659). De volta ao seu quartel na Juromenha, vieram a perecer na explosão acidental do paiol de pólvora daquela praça a 19 daquele mesmo mês e ano.

O Batalhão Académico de 1808Editar

No contexto da Guerra Peninsular (1808-1814) formou-se o "Batalhão Académico da Universidade de Coimbra", também referido simplesmente como "Batalhão Académico de 1808", ano de sua constituição.

Em Coimbra, a reação à invasão do país pelas tropas napoleónicas comandadas pelo general Jean-Andoche Junot, manifestou-se por diversas iniciativas insurrecionais por parte da população. Entre elas, destacam-se o corte dos acessos à cidade, a distribuição de armas à população e a fabricação de pólvora nos laboratórios da Universidade de Coimbra, iniciativas coordenadas por Aragão Tinoco e Nuno Freire de Andrade a quem foram entregues respectivamente o Governador Civil e o Governador das Armas.

O sucesso na tomada do Forte de Santa Catarina, na Figueira da Foz, pelos académicos Sargento de Artilharia Bernardo António Zagalo e Sargento de Infantaria Inácio Caiola, à frente de duas dezenas de estudantes e algumas centenas de populares (27 de Junho de 1808), incentivou a criação de um Batalhão Académico, integrado por lentes, opositores, doutores e professores e um corpo de voluntários académicos. Este efetivo estava distribuído em:

  • 6 Companhias de Infantaria
  • 1 Corpo de Cavalaria
  • 1 Companhia de Artífices, responsável, no Laboratório da Universidade, pela produção de pólvora, sob a coodenação do Dr. Tomé Sobral.

Essa força tomou parte na:

O Batalhão de Voluntários Académicos (1826)Editar

Posteriormente, em 1826, ainda em Coimbra, formou-se o "Batalhão de Voluntários Académicos", corpo de tropas com seis companhias, que se distinguiu nos dias difíceis regência da infanta D. Isabel Maria, em apoio às forças liberais que combatiam a forte facção absolutista. Organizado contra a vontade da Universidade e do Governo, recebeu a proteção do então general João Carlos de Saldanha que, como ministro da Guerra, determinou a anulação das faltas marcadas aos estudantes que compunham o Batalhão.

O Batalhão Académico de 1828Editar

No contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834) formou-se em Coimbra, em 1828, um novo Batalhão Académico, também com orientação liberal, para se unir às forças que pretendiam lutar contra as tropas miguelistas.

Na ilha Terceira, nos Açores, a "Companhia de Voluntários Académicos da Rainha" esteve aboletada em Angra e nos Biscoitos, seguindo, em 1832, para o Mindelo.

 Ver artigo principal: Desembarque do Mindelo

O Batalhão Académico de 1846Editar

Durante a chamada Patuleia, formou-se um novo Batalhão Académico, que ofereceu os seus serviços às forças da Junta Provisória do Reino, com sede no Porto. Naquela época (1846-1847) os académicos pretendiam secundar o espírito liberal da Junta do Porto, combatendo, agora, o reaccionarismo do duque de Saldanha, herdeiro directo da política do conde de Tomar.

Os Batalhões Académicos RepublicanosEditar

Após a proclamação da República Portuguesa (1910), e aquando da restauração da Monarquia do Norte (1919), organizaram-se Batalhões Académicos em Lisboa, Coimbra e Porto, este último de orientação monárquica (o "Batalhão Académico Monárquico").

No BrasilEditar

O Batalhão Acadêmico (Guerra do Paraguai)Editar

Entre os voluntários da pátria do Batalhão Acadêmico que marchou para a Guerra do Paraguai destacaram-se Francisco Furquim Werneck de Almeida e Castro Alves. Este último aparentemente só se alistou, não tendo participado do conflito.[1]

O Batalhão Acadêmico (Revolta da Armada)Editar

 Ver artigo principal: Forte de São Domingos de Gragoatá

Notas

BibliografiaEditar

  • FONSECA, Borges da. Batalhão Académico de 1808. Jornal do Exército, Ano XLIX, n. 575, Jul 2008. p. 28.
  • SERRÃO, Joel. Dicionário de História de Portugal (4 vol.). Lisboa: Iniciativas Editoriais. Vol. I, p. 316.
  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.