Leiria

município e cidade de Portugal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Leiria (desambiguação).

Leiria é uma cidade portuguesa capital do distrito homónimo, na província da Beira Litoral e sede da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria, região do Centro, com 60 876 habitantes no seu perímetro urbano (2021).[2] Os seus habitantes chamam-se leirienses ou coliponenses.

Leiria
Leiria (25746536508) (cropped).jpg Enjoying the afternoon (39430537200).jpg
Castelo de Leiria visto da Encarnacao (cropped).jpg
Sé de Leiria - Portugal (40317072481) (cropped).jpg Castelo de Leiria - Portugal (28003610998).jpg
Brasão de Leiria Bandeira de Leiria

Localização de Leiria
Mapa de Leiria
Gentílico leiriense, coliponense [1]
Área 565,09 km²
População 128 616 hab. (2021)
Densidade populacional 227,6  hab./km²
N.º de freguesias 18
Presidente da
câmara municipal
Gonçalo Nuno Bertolo Gordalina Lopes (PS; mandato 2021-2025)
Fundação do município
(ou foral)
1142, 1195
Região (NUTS II) Centro
Sub-região (NUTS III) Leiria
Distrito Leiria
Feriado municipal 22 de maio (criação da diocese)
Código postal 2400 Leiria
Sítio oficial www.cm-leiria.pt
Município de Portugal Flag of Portugal.svg

É sede do município de Leiria, o qual tem 565,09 km² de área[3] e com 128.616 habitantes[4] (2021), subdividido em 18 freguesias.[5] o que faz dele o segundo município mais populoso das Beiras, apenas superado por Coimbra . É limitado a nordeste pelo município de Pombal, a leste pelo de Ourém, a sul pelos municípios de Batalha e Porto de Mós, a sudoeste pelo de Alcobaça, a oeste pelo município da Marinha Grande e a noroeste pelo oceano Atlântico.

O município tem uma faixa costeira a ocidente, que a liga ao oceano Atlântico. O feriado municipal é a 22 de maio e celebra a criação da diocese de Leiria em 1545.[6] A sua elevação a cidade ocorreu no dia 13 de Junho do mesmo ano.[7]

A cidade é banhada pelos rios Lis e pelo seu afluente, o Lena, sendo o castelo de Leiria o seu monumento mais notável. O concelho recebeu o primeiro foral de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, em 1142,[8] sob o nome de Leirena.

Foi uma das cidades escolhidas para fazer parte do Euro 2004, e graças a isso o seu estádio municipal sofreu uma grande remodelação, que ainda hoje está a ser paga pelo município e o endividou profundamente (pelo menos durante duas décadas).[9][10][11]

Com uma gastronomia variada e com tradições reconhecidas, o município é historicamente rico, como o testemunham o castelo da cidade e o Santuário de Nossa Senhora da Encarnação. Leiria dispõe ainda, dentro do município, das Termas de Monte Real, de praias como a do Pedrógão, da Lagoa da Ervideira e da mata municipal de Marrazes. Ficam relativamente perto as históricas cidades de Ourém, Fátima, Pombal e Coimbra bem como a estância balnear da Figueira da Foz, uma das principais da região. Outros centros urbanos como o Entroncamento, Tomar, Torres Novas e Rio Maior, já no Ribatejo, estão bastante próximos. Os portos da Figueira da Foz e de Peniche distam cerca de 50 km e 80 km, respectivamente. Dista cerca de 170 km da cidade do Porto e à 136 km da cidade de Lisboa.

FreguesiasEditar

O município é subdividido em 18 freguesias:

História =Editar

 
O Castelo de Leiria, com as suas características galerias

A história precoce de Leiria é obscura. Mas mesmo assim, a bacia hidrográfica do Lis é das zonas com maior densidade de achados arqueológicos do país, atribuíveis ao Paleolítico Inferior. De momento estão inventariados mais de 70 sítios arqueológicos na região, entre os quais vários jazigos de sílex, inúmeros seixos talhados (em areeiros por arrastamento do rio, na Quinta do Cónego nas Cortes, na Mata dos Marrazes, atrás do Bairro Sá Carneiro), gravuras rupestres (na praia do Pedrógão), uma pintura rupestre (no vale-canhão do Lapedo) e muitas outras. De todos os achados destaca-se o menino do Lapedo, encontrado no vale do mesmo nome e que tem suscitado o interesse da comunidade científica internacional. Os primeiros habitantes que se sabe ao certo, foram os túrdulos (Turdulorum Oppidani), um povo indígena celtibero (relacionado com os Lusitanos), que estabeleceu uma povoação perto (a cerca de 7 km) de Leiria. Esta foi posteriormente ocupada pelos romanos, período em que floresceu sob o nome de Collippo . As pedras da antiga cidade romana foram usadas na Idade Média para construir parte de Leiria, destacando-se o castelo onde ainda se podem ver pedras com inscrições romanas.

O nome Leiria em si, deriva de leira (do galaico-português medieval laria: a partir do protocelta * ɸlār-yo-, semelhante ao lar em gaélico irlandês antigo 'chão', em bretão leur 'chão', em galês llawr 'andar') que em português significa área de lotes agrícolas.

Leiria foi habitada pelos suevos em 414 d.C. e incorporada por Leovigildo no reino dos visigodos em 585 d.C.. Mais tarde os mouros ocuparam esta a área, até à tomada por D. Afonso Henriques em 1135, durante a chamada Reconquista. A região foi alvo de ataques mouros até 1140. Durante esse período entre Leiria e regiões mais a Sul como Santarém e Lisboa, existiu uma faixa territorial conhecida como "terra de ninguém", até esta ser repovoada por cristãos. Em 1142, Afonso Henriques atribuiu o primeiro foral (carta de direitos feudais) para estimular a colonização da região.[12] A maioria da população vivia dentro das muralhas protetoras da cidade inicialmente, mas já no século XII parte da população vivia na sua parte exterior. A mais antiga igreja de Leiria, a Igreja de São Pedro, construída em estilo românico no século XII, servia a freguesia exterior às muralhas.

De facto, a região de Leiria é ideal para a fixação do Homem: com as várias vias de comunicação existentes, que atribuíam àquele local a fronteira entre o Norte e o Sul da fachada ocidental da península e entre o litoral e o interior, e com as características favoráveis do rio Lis que passa no local, seria inevitável a exploração e desenvolvimento agrícola e comercial no local, tornando-se na Idade Média no local de controlo do tráfego económico da região.

Durante a Idade Média, a importância da vila aumentou, e foi sede de diversas cortes, reuniões políticas entre o rei e a nobreza (para uma lista com as diversas cortes realizadas na cidade, ver Cortes de Leiria). As primeiras cortes realizadas em Leiria foram em 1254,[12] durante o reinado de D. Afonso III de Portugal. No início do século XIV (1324), D. Dinis mandou erguer a torre de menagem do castelo, como pode ser visto numa inscrição na torre.

Panorâmica com a torre de menagem do castelo de Leiria

Esse rei construiu também uma residência real em Leiria (atualmente perdida), e viveu por longos períodos na cidade, que ele doou como feudo à sua esposa, a rainha Santa Isabel. O rei também expandiu a plantação do famoso Pinhal de Leiria, próximo da costa atlântica. Mais tarde, a madeira deste pinhal seria usada para construir as naus que serviram aos Descobrimentos portugueses, nos séculos XV e XVI. Durante o século XV houve vários moinhos de cereais na cidade, que foram fonte de riqueza para a região. Em 1411, D. João I autorizou a instalação de um moinho de papel (atualmente um museu) para a fabricação deste material. Na mesma época, é documentado que os judeus desenvolveram nesse concelho uma das mais notáveis comunidades, ao ponto de empreenderem uma florescente atividade industrial. Abraão Zacuto, erudito judeu, publicou sua obra Almanach perpetuum em Leiria em 1496 e que, através das suas tabelas astronómicas, solares e lunares, impulsionou a navegação durante o período dos descobrimentos.[13]

 
Palácio do rei D. João I no Castelo de Leiria

No fim do século XV, o rei D. João I construiu um palácio real dentro das muralhas do castelo. Este palácio, com elegantes galerias góticas que possibilitam vistas maravilhosas da cidade e da meio envolvente, ficou totalmente em ruínas, mas foi parcialmente reconstruido no século XX. D. João I foi também o responsável pela reconstrução da Igreja de Nossa Senhora da Pena, localizada dentro do perímetro do castelo, num estilo gótico tardio.

Por volta do fim do século XV, a cidade continuou a crescer, ocupando a área que se estende desde a colina do castelo até ao rio Lis. O rei D. Manuel I deu à localidade um novo foral em 1510, e em 1545 foi elevada à categoria de cidade, tornando-se sede da diocese de Leiria. A Sé Catedral de Leiria foi construída na segunda metade do século XVI, numa mistura dos estilos renascentista (gótico tardio) e maneirista (renascimento tardio).

Comparando com a Idade Média, a história subsequente de Leiria é de relativa decadência. A cidade foi duramente atingida pelas Invasões Francesas, especialmente em 1808 (o massacre da Portela, pelas tropas Napoleónicas do Gen. Margaron),[14] e o Grande Incêndio de 1811, causado pelos franceses que retiravam das Linhas de Torres.[15] No entanto, no século XX, a sua posição estratégica no território português favoreceu o desenvolvimento de indústrias diversas, levando a um grande desenvolvimento da cidade e da sua região.

De facto, durante vários anos, Leiria foi das poucas capitais distritais que não era a cidade mais populosa do próprio distrito, sendo suplantada pela cidade de Caldas da Rainha. Contudo, nos últimos anos a cidade tem-se desenvolvido de forma extraordinária, e é já um dos 25 principais centros urbanos de maiores dimensões do país.

Panorâmica da cidade de Leiria

HeráldicaEditar

 
Bandeira do Município de Leiria

Armas – De ouro, um castelo de vermelho, aberto e iluminado de prata, acompanhado de dois pinheiros de verde, frutados de ouro e sustidos de negro, tudo sainte de um terrado de verde realçado de negro. Os pinheiros rematados cada um por um corvo de negro, voltados para o centro. A torre central acompanhada em chefe de duas estrelas de oito raios de vermelho. Em contra-chefe, três faixetas ondadas de prata e azul. Coroa mural de cinco torres de prata. Listel branco com os dizeres “Cidade de Leiria” a negro.[16]

Bandeira – Gironada de branco e vermelho, cordões e borlas de prata e vermelho. Haste e lança de ouro.[16]

Selo branco – Circular, tendo ao centro as peças das armas sem indicação dos esmaltes, tudo envolvido por dois círculos concêntricos onde corre a legenda “Câmara Municipal de Leiria”.[16]

PopulaçãoEditar

Número de habitantes [17]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
32 252 35 402 41 606 44 811 48 447 51 101 55 234 67 313 77 567 82 988 80 241 96 517 102 762 119 847 126 897 128 603

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste município à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [18]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
0-14 Anos 19 512 20 826 16 864 20 389 23 757 26 195 27 719 25 380 26 100 21 897 20 558 19 317 16 977
15-24 Anos 9 496 10 932 9 755 10 289 12 447 14 246 15 110 13 695 17 909 17 206 17 480 14 558 13 832
25-64 Anos 20 939 22 740 20 572 22 451 26 280 31 040 34 455 33 850 44 085 52 082 65 195 70 986 69 159
= ou > 65 Anos 3 462 3 361 2 951 3 877 3 831 4 342 5 704 6 025 8 423 11 577 16 614 22 036 28 635

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no município à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Nos censos de 1900 e 1911 incluía a freguesia da Marinha Grande. Pela lei nº 644, de 20 de janeiro de 1917, foi restaurado o município de Marinha Grande.

CulturaEditar

Além de ser um local de interesse histórico, o Castelo de Leiria oferece um local para eventos culturais. Situado perto do castelo, a Igreja de São Pedro é usada como um dos locais do Festival Anual de Música. Leiria é também a casa do m|i|mo, o Museu da Imagem em Movimento e do Museu do Moinho do Papel, primeira fábrica de papel em Portugal. O Teatro Miguel Franco no Mercado Santana e o Teatro José Lúcio da Silva são espaços para o teatro, apresentações de música e dança, bem como de cinema. O Museu de Leiria, desde a construção do edifício que o alberga, tornou-se um dos espaços culturais mais relevantes do município e tem recebido alguns prémios nacionais e internacionais.[19]

A cidade é o berço de dois importantes poetas portugueses, Francisco Rodrigues Lobo (do período do Renascimento), cujo nome foi dado à praça central da cidade, e Afonso Lopes Vieira. Hoje a Praça Rodrigues Lobo é lugar de uma cultura próspera de cafés, bem como regularmente utilizada para eventos culturais. Outros escritores que andaram por Leiria foram o rei D. Dinis e Eça de Queirós, que escreveu em Leiria — era então administrador da cidade — a sua primeira novela realista, O Crime do Padre Amaro, publicada em 1875. Existe ainda hoje em Leiria a casa onde Eça viveu, na Travessa da Tipografia. Em frente a essa casa, foi inaugurado, em 2012, o Centro Cívico de Leiria, edifício da autoria do arquiteto Gonçalo Byrne, com homenagem a este poeta.[20]

A cidade tem várias entidades culturais que fazem apresentações de projetos culturais e artísticos, com destaque para a Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, a Livraria Arquivo, o Ateneu, os grupos de teatro Leirena e O Nariz, a Associação Asteriscos, a FADE IN, a Associação Célula & Membrana, a ECO, os Corvos do Lis e alguns outros, oferecendo o mais movimentado calendário de eventos. O Festival A Porta tem, igualmente, dado a conhecer centenas de artistas e agentes culturais de Leiria.

Vários edifícios de interesse foram restaurados ou projetados pelo arquiteto Ernesto Korrodi no início do Século XX. Atualmente fazem parte da cultura visual da cidade, dos quais se destaca o Castelo de Leiria.[21]

Nos últimos anos, Leiria viu o seu desenvolvimento orientar-se para as margens do rio Lis que abraça a cidade. Este desenvolvimento criou vários parques novos, espaços públicos, parques infantis e uma série de pontes temáticas. Além disso, um longo passeio foi criado, que é popular entre os caminhantes e corredores, denominado de Percurso Polis.[22] O mais recente espaço verde na cidade é o Jardim da Almuinha Grande, inaugurado a 22 de maio de 2019.[23]

Existem vários festivais de Verão realizados na região. O mais conhecido de todos é o Festival Gótico ENTREMURALHAS, organizado pela FADE IN - Associação de Ação Cultural. A cidade abriga um mercado de antiguidades mensal.

No âmbito do projeto Paredes com História, a autarquia, em parceria com vários artistas especializados em arte urbana, permitiu a utilização de paredes de edifícios ou estruturas na cidade para a apresentação de obras de arte e tornar Leiria como uma galeria de arte a céu aberto.[24] Neste âmbito, destacam-se, pela sua mediatização, a escultura "Gato Preto" de Ricardo Romero e a pintura em arte grafiti referente à promoção da fase final da Taça da Liga, entre 2021 e 2024, do artista Guel Do It.[25][26]

Em 2020, o Município de Leiria venceu o Prémio Autores na categoria especial de Melhor Programação Cultural Autárquica.[27]

Geografia e localizaçãoEditar

 
Leiria vista do seu castelo

Leiria, cujas coordenadas geográficas são 39° 46' Norte 08° 53' Oeste, está situada entre as duas principais cidades portuguesas, Lisboa e Porto, junto ao litoral do país. Dista cerca de 140 km de Lisboa, 179 km do Porto e 55 km de Coimbra. A cidade é o centro de uma área de influência de cerca de 350 000 habitantes, que abrange outros aglomerados populacionais, como as cidades de Marinha Grande, Pombal, Ourém, Fátima e Alcobaça.

Leiria está também próxima de praias como a Praia da Vieira, a praia do Pedrógão, São Pedro de Moel, Paredes da Vitória e Nazaré (Portugal). Localizam-se relativamente próximos da cidade vários monumentos de interesse: o Mosteiro de Alcobaça, o Mosteiro da Batalha, o Castelo de Porto de Mós e o Castelo de Ourém. A vila histórica de Aljubarrota situa-se a cerca de 25 km de Leiria, e é também próxima a cidade de Fátima, conhecida pelo seu Santuário e pelo seu valor religioso.

Leiria situa-se na veiga por onde corre o rio Lis, na Beira Litoral. A cidade histórica estende-se entre a colina do castelo e o rio Lis.

ClimaEditar

A cidade de Leiria localiza-se próxima da costa ocidental, na região centro de Portugal Continental, apresentando um clima Mediterrânico (Csa) com influência oceânica.

Assim, apresenta invernos frescos e húmidos, contando em média com 40 dias de chuva (330 mm) contra 50 dias secos e 5 horas de sol por dia. As temperaturas médias variam entre 15 °C e 7 °C, podendo as mínimas baixar aos 0 °C em dias mais frios, favorecendo o aparecimento de gelo ou geada. A temperatura mais baixa registada em Leiria (desde o início dos registos em 2008) foi de -5 °C na manhã do dia 19 de Janeiro de 2017.[28]

As primaveras são bastante agradáveis, sendo o mês de abril bastante chuvoso. Esta estação conta em média com 43 dias de chuva (273 mm) contra 47 dias secos e 7 horas de sol por dia. As temperaturas médias variam entre 20 °C e 11 °C.

Os verões trazem consigo temperaturas altas e sol, contando em média com 18 dias de chuva (77 mm) contra 82 dias secos e 9 horas de sol por dia. As temperaturas médias variam entre 27 °C e 15 °C, podendo as máximas alcançar os 35 °C nos dias mais quentes. A temperatura mais alta registada em Leiria (desde o início dos registos em 2008) foi de 42 °C, na tarde do dia 7 de Agosto de 2016.[29]

Já os outonos, embora sejam amenos, assolam por vezes a cidade com chuva e vento e contam em média com 39 dias de chuva (339 mm) contra 51 dias secos e 6 horas de sol por dia. As temperaturas médias variam entre 21 °C e 12 °C.

A queda de neve na cidade de Leiria ocorre com intervalos de décadas, sendo mais frequente nos arredores da cidade. A última vez que nevou na zona urbana de Leiria foi a 29 de Janeiro de 2006, numa manhã fria e húmida de domingo entre as 10h e as 12h, em que a temperatura caiu para os 2 °C.[30] Houve acumulação apenas nas zonas rurais. Nos anos 1980 há relatos de um manto de neve sobre a cidade, em 1983 e/ou 87.[31] No dia 27 de Fevereiro de 2016 nevou em vários pontos do município.[32]

PolíticaEditar

Câmara municipalEditar

A Câmara Municipal de Leiria é composta por 11 vereadores,[33] representando diferentes forças políticas. Assume o cargo de Presidente da Câmara Municipal o primeiro candidato da lista mais votada em eleição autárquica ou, no caso de vacatura do cargo, o que se lhe seguir na respetiva lista.[34][35]

Mandato de 2021–2025Editar

A atual vereação leiriense tomou posse em 8 de outubro de 2021[36], com base nos resultados das eleições autárquicas de 26 de setembro desse ano. Segue-se a lista de cidadãos eleitos Vereadores da Câmara Municipal de Leiria, o período no executivo nesta autarquia (desde a primeira eleição de cada membro) e os respetivos pelouros:[37]

Composição Partidária da Câmara Municipal
 
Presidente da Câmara Municipal
Nome Retrato Pelouro(s) Partido Período no executivo
Gonçalo Nuno Bértolo Gordalina Lopes   Apoio aos Órgãos Autárquicos, Aprovisionamento/Armazéns, Centro Histórico/Áreas de Reabilitação Urbana (ARU's), Contratação Pública, Controlo Interno, Cooperação Externa, Fiscalização, Freguesias (Apoios, Contratos Interadministrativos, Requalificação de Arruamentos), Gestão Financeira, Jurídico e Contencioso, Património Municipal, Planeamento de Projetos Especiais e Grandes Obras, Planeamento e Ordenamento do Território, Relações Públicas, Smart Cities, SMAS e Transparência Municipal   PS 26 de agosto de 2019 – presente

(presidente)[38]

27 de outubro de 200925 de agosto de 2019

(vereação)

Vereadores
Nome Retrato Pelouro(s) Partido Período no executivo
Anabela Fernandes da Graça   Vice-Presidente da Câmara Municipal

Aprendizagem ao Longo da Vida, Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, Cultura, Educação, Ensino Superior e Ciência, Equipamentos Culturais, Formação Profissional, Prevenção Rodoviária e Teatro José Lúcio da Silva

  PS 12 de outubro de 2013 – presente
Ricardo Miguel Faustino dos Santos   Cadastro, Obras Municipais/Freguesias, Operações Urbanísticas (Obras Particulares e Loteamentos), SMAS e Toponímia PS 12 de outubro de 2013 – presente
Ana Margarida Félix Valentim   Acessibilidades para Pessoas com Mobilidade Reduzida, Centro Associativo Municipal, Desenvolvimento Social, Envelhecimento Ativo, Habitação, Juventude, Migrantes, Proteção e Saúde Animal, Saúde, Tempos Livres e Voluntariado PS 12 de outubro de 2013 – presente
Carlos Jorge Pedro Simões Palheira   Desporto, Equipamentos, Viaturas e Oficinas, Espaços Verdes, Gestão de Frota e Apoio Logístico, Gestão e Requalificação do Espaço Público, Iluminação Pública, Parques Infantis, Praia do Pedrógão e Trânsito e Sinalização Rodoviária PS 16 de outubro de 2017 – presente
Ricardo de Jesus Gomes   Alojamento Local, Cemitérios, Licenciamentos Diversos, Obras Municipais/Cidade, Ocupação do Espaço Público, Publicidade e SMAS PS 8 de outubro de 2021 – presente
Ana Catarina de Moura Louro   Arquivo Municipal, Atendimento e Apoio ao Cidadão, Economia, Gestão Administrativa e Qualidade, Gestão de Fundos Estruturais, Gestão de Recursos Humanos, Grandes Eventos, Informática, Mercados e Feiras Municipais, Metrologia, Modernização Adminsitrativa, Parque de Campismo, Participação Cidadã, Sistemas de Informação e Modernização Administrativa e Turismo PS 26 de agosto de 2019 – presente
Luís Manuel da Silva Almeida e Lopes   Ambiente, Bombeiros Sapadores, Gabinete Técnico Florestal, Limpeza Pública e Resíduos Sólidos Urbanos, Mobilidade, Mobilidade Elétrica, Mobilidade Suave, Planeamento, Gestão e Regulação de Estacionamentos, Proteção Civil, Ruído, SMAS e Transportes Públicos PS 8 de outubro de 2021 – presente
Álvaro José Madureira   Vereador sem pelouro atribuído   PSD 12 de outubro de 2013 – presente
Daniel Rodrigues Marques   Vereador sem pelouro atribuído PSD 12 de outubro de 201315 de outubro de 2017;

8 de outubro de 2021 – presente

Branca da Conceição Oliveira e Silva Meireles de Matos   Vereadora sem pelouro atribuído PSD 8 de outubro de 2021 – presente

Eleições autárquicas [39]Editar

Data % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V Participação
PPD/PSD CDS-PP PS FEPU/APU/CDU PCP (m-l) PCTP/MRPP LCI PRD PPM IND BE PAN E MPT CH IL L
1976 37,42 4 25,43 3 24,43 2 5,25 - 1,22 - 0,78 - 0,59 -
65,15 / 100,00
1979 39,86 4 30,65 3 17,70 2 7,28 - 0,56 -
71,13 / 100,00
1982 30,98 3 37,23 4 20,61 2 7,50 -
66,74 / 100,00
1985 30,90 3 45,00 5 10,58 1 5,65 - 4,57 -
60,88 / 100,00
1989 45,24 5 17,42 1 29,18 3 3,90 -
59,40 / 100,00
1993 39,11 4 17,90 2 33,33 3 3,86 -
61,58 / 100,00
1997 43,35 5 8,58 - 38,35 4 2,77 - 2,34 -
63,22 / 100,00
2001 52,00 5 9,72 1 20,91 2 2,03 - BE 9,88 1 0,93 -
61,38 / 100,00
2005 42,59 4 9,33 1 35,47 4 2,50 - 3,35 -
62,04 / 100,00
2009 37,61 5 7,68 1 44,86 5 2,44 - 3,35 -
59,44 / 100,00
2013 27,85 4 4,67 - 46,31 7 4,42 - 3,30 -
49,84 / 100,00
2017 26,96 3 5,03 - 54,46 8 2,40 - 2,72 - 2,19 - 0,33 - PSD
54,60 / 100,00
2021 22,38 3 4,23 - 52,47 8 2,53 - 2,41 - 1,83 - CDS 5,67 - 2,39 - 0,66 -
53,20 / 100,00

Eleições legislativasEditar

Data %
CDS PSD PS PCP UDP AD APU/

CDU

FRS PRD PSN B.E PAN PàF L CH IL
1976 30,92 29,40 25,75 4,00 0,80
1979 AD AD 18,51 APU 1,40 64,95 7,16
1980 FRS 0,82 68,75 6,14 18,44
1983 24,21 35,36 29,07 0,44 5,75
1985 18,24 40,10 17,46 0,80 4,59 13,14
1987 8,40 65,90 15,29 CDU 0,37 3,28 2,51
1991 6,25 65,33 20,05 2,30 0,60 1,45
1995 14,20 47,02 32,57 0,39 2,50
1999 12,51 46,11 32,92 2,80 0,28 1,95
2002 12,22 54,26 25,26 2,07 2,47
2005 11,78 43,07 30,72 2,52 5,68
2009 15,17 35,82 28,73 2,83 9,46
2011 14,46 49,06 18,55 3,00 5,50 1,22
2015 PàF PàF 21,96 3,11 9,57 1,24 53,11 0,83
2019 6,38 35,53 28,71 2,78 9,21 3,14 1,02 1,40 1,11
2022 2,28 37,79 32,66 1,95 4,55 1,44 1,22 7,37 6,35

EconomiaEditar

A região vive do comércio, da agropecuária e da indústria, destacando-se o fabrico de objectos de cerâmica, plásticos, moldes e cimentos. A construção civil tem também um peso importante, assim como o turismo. O principal sector económico é o sector terciário, dos serviços. Também tem grande influências as fábricas de vidro, na Marinha Grande.

Entre 1930 e 1980 as empresas de plásticos de Leiria e Marinha Grande ocuparam posição cimeira na produção de brinquedos em Portugal, como a Bota Botilde, o Cubo Mágico e o Subbuteo.[40]

InfraestruturasEditar

TransportesEditar

Leiria tem um terminal rodoviário de autocarros na qual recebe carreiras regulares interurbanas da Rodoviária do Tejo, Transdev e expressos da Rede Nacional de Expressos para vários centros urbanos, incluindo autocarros de hora a hora para Lisboa e mais de 10 para o Porto. Tem também os seus transportes urbanos, a Mobilis, assegurada pela Câmara Municipal, com conexões regulares a toda a cidade. Ainda conta com uma empresa de táxis.

FerroviáriosEditar

Na Estação Ferroviária de Leiria, situada a cerca de 3 km a noroeste do centro da cidade, é possível aceder aos caminho-de-ferro da Linha do Oeste (Lisboa - Figueira da Foz - Coimbra).

Também é possível aceder à principal linha ferroviária do país, a linha do norte, na Estação Ferroviária de Albergaria dos Doze no município vizinho de Pombal a cerca de 24 km a nordeste da cidade ou até mesmo na estação de Pombal para comboios de longo curso, 29 km a norte.

Auto-estrada & Vias principaisEditar

Quatro autoestradas servem a cidade de Leiria:

AeródromoEditar

Leiria dispõem do Aeródromo José Ferrinho (também conhecido por Aeródromo do Falcão e por Aeródromo de Leiria) situado na freguesia dos Marrazes na localidade de Gândara dos Olivais, com uma pista de 600m x 9m asfaltada.[42][43] Situa-se a cerca de 5km a norte-noroeste do centro da cidade.
Existe ainda um Aeródromo militar[44] na freguesia de Monte Real.

MilitaresEditar

Na Cruz da Areia, nos arredores de Leiria, encontra-se o Regimento de Artilharia n.º 4 do Exército Português e, na localidade de Monte Real, a Base nº 5 da Força Aérea Portuguesa.

SaúdeEditar

 
Hospital D. Manuel de Aguiar, em Leiria

O Hospital de Santo André, que em 2011 agregou o Hospital de Pombal (passando a designar-se Centro Hospitalar de Leiria-Pombal) e em 2013 juntou-se o Hospital de Alcobaça, assumindo a atual designação Centro Hospitalar de Leiria,[45] é o maior hospital da região e localiza-se a 1 km do centro da cidade. Possui urgências ginecológicas-obstetrícias, pediátricas e gerais, bem como uma entrada para doenças súbitas, todas a funcionar tanto de dia como de noite. Possui um imenso leque de especialidades médicas e está no ranking das cinco melhores unidades cardíacas e vasculares, neurológicas e respiratórias.[46]

A mais antiga unidade de saúde particular existente em Leiria é o Hospital D. Manuel de Aguiar, propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Leiria, que presta cuidados de saúde na cidade desde 1544.[47] O Hospital D. Manuel de Aguiar, situado na Rua de Tomar foi inaugurado em 1800.

Em Leiria situa-se também a unidade principal do Centro Hospitalar de São Francisco, hospital particular, do Grupo Sanfil.

No concelho de Leiria existem ainda duas unidades do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Litoral, o Centro de Saúde Dr. Arnaldo de Sampaio e o Centro de Saúde Dr. Gorjão Henriques. Estes dois centros de saúde possuem diversas extensões pelo município, permitindo desse modo uma maior proximidade com toda a população leiriense.[48]

Jornais de LeiriaEditar

EducaçãoEditar

A rede escolar do Concelho de Leiria, no ano letivo de 2020/2021, englobava um total de 26552 alunos ao longo de toda a cadeia de ensino.[51]

Número de Estabelecimentos de Ensino no Município de Leiria[51]
Nível de Ensino Rede Pública Rede Privada
Pré-escolar 62 28
1º Ciclo 62 4
2º e 3º Ciclos 9 5
Secundário 5 1
Profissional 5 2
Superior 1

Ensino BásicoEditar

Para além das escolas básicas de 1º ciclo, o município de Leiria engloba as seguintes escolas básicas de 2º e 3º ciclos:

  • Escola Básica nº 2 de Marrazes
  • Agrupamento de Escolas de Caranguejeira- Santa Catarina da Serra
  • Escola Básica Integrada de Colmeias
  • Escola Básica 2/3 D. Dinis
  • Escola Básica 2/3 Dr. Correia Mateus
  • Escola Básica e Secundária Henrique Sommer (Maceira)
  • Escola Básica 2/3 Dr. José Saraiva
  • Escola Básica 2/3 Rainha Santa Isabel (Carreira)

Existem também instituições de ensino privadas:

  • Colégio Conciliar Maria Imaculada
  • Colégio Dr. Luís Pereira da Costa (Monte Redondo)
  • Colégio Nossa Senhora de Fátima

Ensino SecundárioEditar

Ensino ProfissionalEditar

O ensino profissional na cidade é assegurado pela Escola Profissional de Leiria e pela Escola Profissional e Artística da Marinha Grande.[52]

Ensino SuperiorEditar

A cidade é sede do Instituto Politécnico de Leiria, uma instituição politécnica de ensino superior que foi fundada em 1987. Em Leiria localizam-se três das cinco escolas deste instituto politécnico: a Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria, a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria e a Escola Superior de Saúde de Leiria. O instituto também tem escolas nas cidades de Caldas da Rainha e Peniche, respetivamente a Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha e a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche. A única instituição de ensino superior privada atualmente presente na cidade de Leiria é o Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA), depois de ter sido encerrado, em 2005, o Pólo de Leiria da Universidade Católica Portuguesa,[53] que havia sido criado em 1991.[54]

DesportoEditar

A cidade tem a sua própria equipa de futebol, a União Desportiva de Leiria, habitualmente chamada somente de União de Leiria. Esta equipa jogou ate á época 2011/2012 no primeiro escalão do futebol português, estando atualmente na terceira liga. O clube jogou no estádio municipal, o Estádio Dr. Magalhães Pessoa, até à época 2010/2011 passando a jogar no Estádio Municipal da Marinha Grande na época seguinte, a partir de um protocolo celebrado entre o clube e a Câmara Municipal da referida cidade. Posteriormente, retornou ao estádio inicial.[55]

Este foi um dos estádios onde decorreu o Euro2004. Para receber alguns dos jogos desta competição, o estádio foi reformulado passando a ter uma capacidade para 25 mil espetadores. Em Leiria jogaram-se duas partidas do Grupo B, o Suíça-Croácia, e o Croácia-França. Curiosamente, os dois jogos terminaram empatados.

O estádio também foi palco da Taça da Europa de Atletismo em 2008 e do seu sucessor, o Campeonato Europeu de Atletismo por Equipas SPAR, em 2009.

Para além do estádio municipal, Leiria também possui outras infraestruturas importantes para a prática de diversos desportos. Algumas destas infraestruturas são o Pavilhão Gimnodesportivo dos Pousos (e o Campo adjacente da Charneca), o Campo Aldeia do Desporto, o Centro Nacional de Lançamentos e o Pavilhão do Lis. Este último foi reconhecido pelo Comité Paralímpico Português como o primeiro pavilhão inclusivo do país.[56]

Na cidade existe também uma equipa de hóquei em patins — o Hóquei Clube de Leiria — que promove também as modalidades de patinagem artística e de velocidade; um clube de karaté — o CSKL; e uma das equipas de atletismo com melhor e maior palmarés em Portugal, a Juventude Vidigalense, de onde já saíram vários campeões nacionais. Este clube organiza o Meeting Cidade de Leiria.

O Clube Bairro dos Anjos (BA) é também uma das principais equipas de atletismo e de natação da cidade, tendo nos seus quadros vários campeões nacionais e distritais.

No Basquetebol o destaque vai para o Núcleo Sportinguista de Leiria (NSL), Campeão Nacional da 1ª Divisão em Seniores Masculinos na época de 1999/2000. Em 2011/2012, o NSL criou uma escola de minibasquete e desde essa época que vem sendo distinguido pela Federação Portuguesa de Basquetebol, consecutivamente, com o Certificado de Qualidade de Escola Portuguesa de Minibasquete, o que aconteceu pela primeira vez na cidade de Leiria, sendo a maior escola de minibasquete do distrito. Em 2012/2013, foi constituída no NSL a primeira Academia de Basquetebol do Sporting Clube de Portugal fora de Lisboa, sendo este clube de expressão mundial pioneiro neste capítulo no panorama basquetebolistico português. Nas primeiras três épocas de Escola de Minibasquete, o NSL recebeu mais de 100 crianças entre os 6 e os 11 anos de idade.

Leiria também oferece parques onde é possível praticar desportos radicais como BMX, skate ou patins, nomeadamente o Parque Radical de São Romão.

A cidade de Leiria foi escolhida como uma das Cidades Europeias do Desporto em 2022.[57]

PatrimónioEditar

 
Torre dos sinos do Castelo de Leiria
 
Interior da Sé de Leiria (século XVI)
 
Nossa Senhora da Encarnação
  • Castelo de Leiria — Depois de conquistar Leiria aos mouros, em 1135 D. Afonso Henriques mandou construir um castelo nesta localidade. Foi amuralhado em 1195, a mando de D. Sancho I e em 1324 D. Dinis mandou construir a torre de menagem, e transformou a fortaleza em palácio. As Invasões Francesas provocaram danos elevados, mas o Castelo de Leiria conseguiu preservar a sua beleza. O castelo, tal como hoje se apresenta, é fruto de uma recriação recente. No século XIX, estando a fortificação medieval em ruínas, o arquiteto de origem suíça Ernesto Korrodi elaborou, a partir de 1898, um plano de reconstrução. Este plano baseava-se, não num levantamento arqueológico, mas na visão romântica da arquitetura medieval do arquiteto, uma corrente representada em França por Eugène Viollet-le-Duc. As obras duraram de 1915 a 1950, tendo a intervenção dos Monumentos Nacionais. Do alto do castelo, avista-se o tecido urbano da cidade, assim como a sua periferia rural.
  • Sé Catedral de Leiria — O início da sua construção data de 1559, em pleno século XVI, sendo a sua edificação concluída apenas na segunda metade do século XVII. Embora apresente a verticalidade das catedrais góticas, nela transparece o sentido de proporção das suas partes dado pelo cálculo matemático, dentro de um espírito tipicamente renascentista e classizante em que a ideia de projeto arquitetónico ganha uma dimensão moderna. É desprovida de torre sineira. Um adro alto dos inícios do século XVII, corrido por uma balaustrada de pedraria, envolve o edifício.
  • Santuário do Senhor Jesus dos Milagres — Construído entre 1732 e 1750 — coincidindo com a constituição da Paróquia dos Milagres —, em honra a um milagre de Jesus que terá acontecido no lugar, este santuário apresenta um estilo barroco, sendo o mármore o material mais utilizado, a que se alia uma decoração com telas, painéis de azulejos e uma rica estatuária, com destaque para o relógio da igreja, talvez a maior peça patrimonial do santuário.[58] Recebeu obras de restauração, sob a direção de Ernesto Korrodi, em finais do século XX. Em tempos foi um dos principais locais de romaria do país, suplantado posteriormente pelo Santuário de Fátima. Persiste atualmente a celebração pública da devoção ao Senhor Jesus dos Milagres, que ocorre anualmente em setembro. A sua procissão de procissão de andores, atrai ainda a este Santuário centenas de pessoas, originárias de todos os pontos do país. Existe atualmente no local um posto de acolhimento, para esclarecimentos e informações aos visitantes, aberto diariamente, com condições especiais para visitas organizadas.[59]
  • Capela de São Pedro — De origens românicas (finais do século XII), foi alvo de profundas transformações, tendo chegado a ser utilizada como celeiro e teatro até 1880. Foi restaurada e foi retomado o culto religioso em 1940. Subsistem ainda diversos elementos românicos como arcos, colunas e capitéis.
  • Igreja e Convento de São Francisco — Remodelado ao longo dos séculos, apresenta pormenores renascentistas e barrocos. No século XX, esteve prevista a sua demolição mas sobreviveu como cadeia e, a partir de 1920, foi cedido à Companhia Leiriense de Moagens. Iniciada a recuperação em 1992, foram descobertas pinturas murais quatrocentistas.
  • Igreja da Misericórdia — a igreja foi construída na sequência da fundação da Misericórdia em Leiria (1544). Entre 1627 e 1636, o então bispo D. Dinis de Melo e Castro mandou anexar um hospital, que esteve em funcionamento até 1800. No século XVIII a igreja foi reconstruida; é esse templo maneirista, de exterior sóbrio e com estrutura simples, de uma só nave coberta por teto de esteira, que encontramos atualmente. A igreja é propriedade da Santa Casa da Misericórdia e está cedida à Câmara Municipal de Leiria, que a recuperou e transformou num Centro de Diálogo Intercultural.[60]
  • Santuário de Nossa Senhora da Encarnação — Construído no século XVI, tem a sua base nas ruínas do templo de São Gabriel. No século XVIII, foi acrescentada uma grande escadaria barroca, que possibilita o acesso à capela, de alpendre arqueado, onde figura uma imagem quinhentista de São Gabriel.
  • Convento de Santo Agostinho — Iniciada a sua construção no último quartel do século XVI, só viria a concluir-se no século XVIII. Salientam-se o claustro do Convento e a fachada barroca ladeada por duas torres. No edifício do convento anexo são dignos de referência alguns painéis de azulejos dos séculos XVII e XVIII.
  • Convento da Portela (Franciscanos) — É o conjunto religioso mais recente da cidade de Leiria e inclui uma igreja imponente; o seminário encontra-se desativado. A construção iniciou-se em 1902 com projeto de Nicola Bigaglia.[61][62]

MuseusEditar

  • Agromuseu Municipal D. Julinha — De caráter etnográfico, as coleções deste museu provêm maioritariamente do acervo existente na antiga Casa Agrícola Pereira e Alves Matos - Carreira, iniciada no século XIX, e ligada à produção vitivinícola, cerealífera e de azeite.[63] Destacam-se as seguintes categorias: alfaias agrícolas, os transportes, a vitivinicultura, utensílios e equipamentos. A exposição permanente integra, ainda, bens vivos, como os animais de capoeira, espécies hortícolas nas antigas hortas da casa, e arborícolas, como um carvalho cerquinho centenário, e outras espécies. Tem entre os seus objetivos representar a vida da lavoura na Beira Litoral e, em especial, da região de Leiria. Além de visitas guiadas e exposições temporárias, oferece um serviço educativo com oficinas anuais, orientadas, nomeadamente, para a sensibilização ambiental e valorização de tradições culturais (danças e cantares tradicionais, contos e outras tradições orais).[64]
  • Casa-Museu - Centro Cultural João Soares — Edifício situado na freguesia de Cortes, doado pela família de Mário Soares à Fundação Mário Soares e por esta completamente remodelado, sob a direção da arquiteta Daniela Ermano. Foi criada uma biblioteca e existem espaços destinados a exposições temporárias das ofertas recebidas por Mário Soares durante a sua vida pública, como Primeiro-Ministro e depois como Presidente da República. Simultaneamente, foi concebida uma exposição permanente, dotada de meios audiovisuais, que apresenta uma visão sintética do século XX português. O espaço circundante da casa contempla um jardim da autoria de Gonçalo Ribeiro Teles, onde está exposto um painel de azulejos intitulado O Cristo dos Pescadores, de Hein Semke, um busto de João Lopes Soares, da autoria de Fernando Marques, e o Citroën CX em que Mário Soares percorreu o país em muitas das campanhas eleitorais que se seguiram ao 25 de abril.[65]
  • Casa dos Pintores — A Casa dos Pintores, assim designada devido à grande quantidade de artistas que retrataram a sua fachada, é uma peça de arquitetura histórica relevante no conjunto edificado do centro histórico de Leiria, apresentando uma tipologia singular na malha urbana medieval, na qual ressalta a varanda com uma balaustrada em madeira, com dois sobrados, num topo de um quarteirão de reduzidas dimensões. A recuperação deste edifício municipal pretendeu atribuir-lhe uma função que se coadunasse, por um lado, com a valência histórica do local, e por outro, que impulsionasse a dinâmica turística, ajudando à criação de uma rede de núcleos museológicos e culturais, que dignificassem a qualidade cultural e turística da zona histórica da cidade. A equipa de arqueologia municipal acompanhou o desenvolvimento do processo desde a sua génese, que manteve a sua traça original, tendo-se promovido uma investigação histórica e arqueológica no quadro deste projeto piloto, que permite que os objetivos de gestão e divulgação do património arqueológico concelhio se atinjam. O edifício acolhe atualmente os serviços técnicos de Arqueologia e Património e o laboratório de Conservação e Restauro, potenciando o cumprimento da sua missão social, cultural e educativa e a aproximação deste serviço aos munícipes. A Oficina de Arqueologia tem como missão garantir uma eficiente e sistemática gestão, investigação, salvaguarda, divulgação, científica e pedagógica, bem como de valorização do património arqueológico do município de Leiria.[66]
  • Moinho do Papel — Antigo moinho do século XV dedicado à produção de papel, convertido em museu com projeto arquitetónico de Siza Vieira. Foi inaugurado em 2009.
  • Museu da Imagem em Movimento — Este museu resultou de uma exposição comemorativa dos 100 Anos do Cinema em Portugal (1995), tendo surgido face à necessidade reconhecida de encontrar um espaço onde os elementos ligados à arte cinematográfica então reunidos pudessem ser devidamente expostos e divulgados. Contempla ainda a instalação de uma biblioteca especializada e videoteca vocacionada para o cinema português.
  • Museu da Fábrica de Cimentos Maceira-Lis — Tendo sido inaugurado no ano de 1991, nele se preserva o património da respetiva fábrica, cuja história se encontra ligada à evolução desta indústria em Portugal. Integra ainda, fora do perímetro fabril, a primeira locomotiva a vapor da fábrica, a Central Turbo-Geradora, a primitiva casa da direção e o moinho de vento.
  • Museu Escolar — Inaugurado em 1997, teve origem num projeto iniciado em 1993, por um grupo professores da Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico de Marrazes, freguesia onde está situado. Conserva livros, documentos da instrução primária, material didático e mobiliário escolar, usado no país ao longo do século XX.
  • Museu de Leiria — Situado no Convento de Santo Agostinho, é herdeiro do projeto do Museu Regional de Obras de Arte, Arqueologia e Numismática de Leiria, criado em 1917.[67] Destacam-se, além de uma importante coleção de arte etnográfica africana, peças de mobiliário, cerâmica, vidro, numismática e pintura antiga e contemporânea.[68]
  • Museu do Sporting Clube de Portugal — Um museu situado perto do Castelo de Leiria, mesmo em frente da Escola Secundária Domingos Sequeira e até há pouco tempo ao lado do Café do Núcleo Sportinguista de Leiria. Situado numa espécie de cave contém peças únicas, doadas por sócios, simpatizantes, dirigentes e atletas do Sporting e réplicas e taças e outros objetos do clube de Alvalade.
  • Núcleo Museológico da Torre de Menagem do Castelo de Leiria — Neste espaço museológico podemos observar várias peças e outros objectos que mostram a cidade como ela era na antiguidade, durante o seu tempo medieval.
  • Núcleo Museológico dos Bombeiros Municipais de Leiria — Neste espaço museológico podemos observar vários artigos pertencentes aos Bombeiros Municipais de Leiria, a maior parte com vários anos de existência e que já apenas servem para estarem expostas.

ArtesanatoEditar

  • Louça de Bajouca — A localidade de Bajouca tem uma tradição de olaria muito antiga. Nesta localidade, a louça é muito clara. Assim, os oleiros aproveitam esta característica para fazerem uma decoração com lambugem vermelha, essencialmente nos mealheiros, com riscas avermelhadas e brancas. As peças produzidas são utilitárias e decorativas.
  • Rodilhas (Sogras) de Leiria — As "Rodilhas" ou "Sogras" são pequenas almofadas de forma circular, abertas no centro. Eram utilizadas pelas mulheres, que sobre eles transportavam, à cabeça, os cântaros de água ou as cestas. Os materiais utilizados na sua confeção são tiras de trapos, lãs e linhas de bordar, entrançadas e bordadas. Hoje em dia, este tipo de peça é também utilizado como decoração.

GastronomiaEditar

A gastronomia de Leiria oferece uma boa variedade de pratos portugueses, incluindo pratos de peixe fresco e o famoso leitão da Boavista (leitão assado). A freguesia das Cortes é conhecida pelas migas, uma mistura de broa com espinafre, alho e azeite que é comido como um acompanhamento de peixe ou carne.

Pratos típicos — morcela de arroz, negritos, lentrisca, bacalhoada com migas, bacalhau com feijão frade, ossinhos, fritada, cabrito, feijoada, leitão, chanfana, fritada dos peixinhos, bacalhau com chícharos (Santa Catarina da Serra).

Doces regionais — brisa do Lis, ovos folhados, bolinhos de pinhão, castanhas queimadas, tarte de chícharos (Alvaiázere), canudos de Leiria, doce de amêndoa, broas doces de batata, merendeiras dos santos, filhós de abóbora.

Vinhos — Caves Vidigal, S.A., Paço das Côrtes, Cortes, Vale da Mata, Cortes, Quinta da Serrinha (Vinho Bio), Barreira, Quinta da Sapeira, Serra d'Aire, Santos & Santos, Torres Vedras, IGP Lisboa. Leiria faz parte da Região Demarcada do Vinho das Encostas de Aire DOC — Denominação de Origem Controlada.

EntretenimentoEditar

CinemasEditar

Existem diversos cinemas na cidade e no município:

  • Cinema City (Leiria)
  • Cineplace (Leiria)
  • Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)
  • Teatro Miguel Franco (Leiria)
  • Cine-Teatro de Monte Real (Monte Real)

Festas da cidadeEditar

É de destacar a feira anual tradicional, com uma duração aproximada de 20 dias, realizada geralmente entre os dias 1 e 25 de maio,[69] que têm ampla tradição na região.
A feira teria originado em 30 de abril de 1295 com a "Carta de Feira Anual" concedida pelo rei D. Dinis.[70] Localmente, é conhecida pelo facto de ter sempre chuva. Este motivo teria levado o município a mudá-la de março para maio[70] mas sem resultados, dado continuar a maldição da chuva na feira da cidade.

Cidades gémeasEditar

 
Monumento das cidades geminadas com Leiria (2013)

De acordo com o sítio da Associação Nacional de Municípios Portugueses,[71] Leiria tem acordos de geminação ou de cooperação com as seguintes cidades:

  Maringá (Brasil), desde 1982

  Saint-Maur-des-Fossés (França), desde 1982

  Quint-Fonsegrives (França), desde 2013

  Olavarría (Argentina)[72]

  Tokushima (Japão), desde 1969

  Setúbal (Portugal), desde 1982

   Olivença (território espanhol de facto, mas português de jure), desde 1984

  Rheine (Alemanha), desde 1996

  Halton (Inglaterra), desde 1997

  São Filipe (Cabo Verde), desde 1994

  Penglai (China)

  Tongling (China), desde 1999

  Nampula (Moçambique), desde 2002

Referências

  1. «Dicionário Priberam da Língua Portuguesa - Significado de leiriense». Priberam. Consultado em 29 de maio de 2012 
  2. Plataforma de divulgação dos Censos 2021 – Resultados Preliminares. [S.l.]: Instituto Nacional de Estatística. 2021 
  3. «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013». Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Instituto Geográfico Português. Direção-Geral do Território. 2013. Consultado em 28 de novembro de 2013. Arquivado do original (XLS-ZIP) em 9 de dezembro de 2013 
  4. Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. 2012. p. 99. ISBN 978-989-25-0184-0. ISSN 0872-6493. Consultado em 27 de julho de 2013 
  5. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. Júlio Gil (1997). As mais belas cidades de Portugal. [S.l.]: Editorial Verbo. 122 páginas. 972-22-1681-3 
  7. «Enquadramento histórico — Site da Câmara Municipal de Leiria» 
  8. Guia Turístico de Portugal de A a Z. [S.l.]: Publicações Dom Quixote, Lda. 1990. p. 143. ISBN 972-20-0782-3 
  9. Isabel Jordão (10 de janeiro de 2013). «Dívida bancária agoniza Câmara de Leiria». Correio da Manhã. Consultado em 30 de maio de 2013. Arquivado do original em 20 de abril de 2014 
  10. «Euro2004: Endividamento da Câmara de Leiria põe em causa serviços públicos». Lusa. 20 de maio de 2004. Consultado em 30 de maio de 2013 
  11. Agostinho Franklin (16 de Agosto de 2011). «Hasta pública do Estádio de Leiria realiza-se dia 22 de setembro». Diário as Beiras. Consultado em 30 de maio de 2013 
  12. a b Nova Enciclopédia Larousse. [S.l.]: Círculo de Leitores e Larrousse. 1998. 4152 páginas. 972-42-1766-3 
  13. Santos, Carolina. «O livro que impulsionou os Descobrimentos está de regresso a Leiria». Região de Leiria. Consultado em 27 de março de 2022 
  14. http://jornaldascortes.com/index.php?option=com_content&task=view&id=148&Itemid=35
  15. http://www.cm-leiria.pt/PageGen.aspx?WMCM_PaginaId=29671&eventoId=36570[ligação inativa]
  16. a b c «Símbolos». www.cm-leiria.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  17. Instituto Nacional de Estatística — Recenseamentos Gerais da População
  18. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  19. «Notícia JN» 
  20. «Centro Cívico de Leiria homenageia Eça de Queiroz». www.cm-leiria.pt. Consultado em 26 de março de 2022 
  21. Santos, Regina Margarida (dezembro de 2012). «Ernesto Korrodi». Consultado em 26 de março de 2022 
  22. «Percurso POLIS». www.cm-leiria.pt. Consultado em 26 de março de 2022 
  23. «Finalmente...! O Jardim da Almuinha já abriu ao público». Jornal de Leiria. Consultado em 26 de março de 2022 
  24. «Leiria, paredes com história: ARTE PÚBLICA». Visite Leiria. Consultado em 26 de março de 2022 
  25. «Conhece o Gato Preto, a escultura que domina os telhados de Leiria? ― Vídeo». Jornal de Leiria. Consultado em 27 de março de 2022 
  26. Redação (27 de janeiro de 2021). «Final Four pintada em mural por Guel Do It». Notícias de Leiria. Consultado em 27 de março de 2022 
  27. spautores (27 de agosto de 2021). «PRÉMIO AUTORES 2020 | VENCEDORES |». www.spautores.pt. Consultado em 27 de março de 2022 
  28. Almeida, Carlos. «Leiria atinge 5,5 graus negativos, o valor mais baixo desde 2008». Região de Leiria. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  29. Instituto Português do Mar e da Atmosfera
  30. «Temperaturas previstas e ocorridas 29-01-2006». www.meteopt.com. Fórum MeteoPT.com. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  31. «Leiria com Neve». www.meteopt.com. Fórum MeteoPT.com. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  32. «Seguimento Litoral Centro - Fevereiro 2016 | Página 114». www.meteopt.com. Fórum MeteoPT.com. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  33. «Lei Eleitoral dos Orgãos das Autarquias Locais» (PDF). Comissão Nacional de Eleições. 110 páginas. 2014 
  34. Região de Leiria (27 de Setembro de 2021). «Leiria: PS repete façanha com Gonçalo Lopes e elege oito vereadores» 
  35. Jornal de Leiria (19 de Outubro de 2021). «Gonçalo Lopes anuncia distribuição de pelouros pelos seus sete vereadores» 
  36. Redação (8 de outubro de 2021). «Tomada de posse dos novos órgãos municipais de Leiria acontece esta sexta-feira». Notícias de Leiria. Consultado em 2 de abril de 2022 
  37. «Composição». www.cm-leiria.pt. Consultado em 2 de abril de 2022 
  38. «Gonçalo Lopes faz balanço de 100 dias como presidente da Câmara em aula no Politécnico de Leiria». www.cm-leiria.pt. Consultado em 2 de abril de 2022 
  39. «Concelho de Leiria : Autárquicas Resultados 1976 : Dossier : Grupo Marktest - Grupo Marktest - Estudos de Mercado, Audiências, Marketing Research, Media». www.marktest.com. Consultado em 16 de dezembro de 2021 
  40. «Quando os brinquedos de Portugal eram fabricados em Leiria». Região de Leiria. 22 de julho de 2015 
  41. Auto-Estradas de Portugal https://sites.google.com/site/roadnumberingsystems/home/route-lists/auto-estradas-portugal
  42. «Aero Clube de Leiria - Aerodromo». Aero Clube de Leiria. Consultado em 29 de maio de 2013. Arquivado do original em 26 de agosto de 2012 
  43. «Aerodromos em Portugal». Associação Portuguesa de Aviação Ultraleve. 13 de julho de 2012. Consultado em 29 de maio de 2013. Arquivado do original em 11 de junho de 2015 
  44. «Aerodromos em Portugal». Associação Portuguesa de Aviação Ultraleve. 26 de maio de 2012. Consultado em 29 de maio de 2013. Arquivado do original em 10 de junho de 2015 
  45. «Centro Hospitalar de Leiria». www.chleiria.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  46. expresso.sapo.pt
  47. «Cópia arquivada». Consultado em 27 de abril de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  48. «Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Litoral». www.sns.gov.pt. Consultado em 27 de março de 2022 
  49. José Roque (11 de abril de 2013). «'O Mensageiro' e 'Voz do Domingo' dão lugar a novo projecto». Diário de Leiria. Consultado em 29 de maio de 2013 
  50. Região de Leiria (5 de abril de 2013). «Jornais O Mensageiro e A Voz do Domingo fundem-se em novo projeto». Consultado em 29 de maio de 2013 
  51. a b «Escolas do Concelho de Leiria». www.cm-leiria.pt. Consultado em 2 de abril de 2022 
  52. Leiria, Manuel. «Nós na Escola: Profissional e Artística da Marinha Grande (vídeo)» 
  53. UCP
  54. DN
  55. «Leiria constrói três relvados sintéticos na Marinha Grande». Lusa/Sol. 18 de julho de 2011. Consultado em 30 de maio de 2013 
  56. «Pavilhão do Lis (concluída)». www.cm-leiria.pt. Consultado em 14 de março de 2022 
  57. «European Cities of Sport». Aces Europe (em inglês). Consultado em 14 de março de 2022 
  58. «História e construção do Santuário». www.milagresleiria.com. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  59. «Santuário dos Milagres - Leiria | Guia para visitar em 2021 - oGuia». www.guiadacidade.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  60. «Católicos chocados com espetáculo de dança em antiga igreja» 
  61. «Convento de São Francisco / Convento da Portela». Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana 
  62. «Monumentos de Leiria – Convento da Portela». PT-TUR-Destino Portugal. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  63. «Apresentação». www.cm-leiria.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  64. «roteiromuseus.ccdrc.pt». roteiromuseus.ccdrc.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  65. «Fundação Mário Soares | Casa Museu | Index». www.fmsoares.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  66. «CDIL — Centro de Diálogo Intercultural de Leiria». www.cm-leiria.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  67. «Museu de Leiria é inaugurado hoje após 98 anos de indefinição». www.cmjornal.pt. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  68. Jornal de Leiria
  69. Guia Turístico de Portugal de A a Z 1990, p. 144
  70. a b Mário Lopes (19 de maio de 2006). «Feira de Maio: feira tradicional remonta aos tempos de D. Dinis». Consultado em 29 de maio de 2013 
  71. «Geminações de Cidades e Vilas». Associação Nacional de Municípios Portugueses. Consultado em 30 de maio de 2013 
  72. «Geminações». www.cm-leiria.pt. Consultado em 28 de outubro de 2019 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Leiria