Abrir menu principal

Batalha de Áccio

(Redirecionado de Batalha de Ácio)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde dezembro de 2012). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Batalha de Áccio
Guerra Civil Romana
Castro Battle of Actium.jpg
A Batalha de Áccio, 2 de setembro de 31 a.C., por Lorenzo A. Castro, pintada em 1672.
Data 2 de setembro, 31 a.C.
Local perto de Áccio, na Grécia
Desfecho Vitória decisiva de Otaviano
Beligerantes
Forças romanas leais a Otaviano Marinha do Egito e romanos leais a Marco António
Comandantes
Marco Vipsânio Agripa
Otaviano César
Lúcio Arrúncio, o Velho
Marco Lurio
Marco Antônio
Cleópatra
Caio Sósio
Forças
250 galés
16 000 legionários
3 000 arqueiros
290 galés
30–50 navios de transporte
20 000 soldados de infantaria
2 000 arqueiros
Baixas
~ 2 500 mortos Mais de 5 000 mortos
Mais de 200 navios afundados ou capturados
Disposição das tropas durante a batalha de Áccio

A Batalha de Áccio (ou Ácio – em latim, Actium) teve lugar em 2 de setembro de 31 a.C., perto de Áccio na Grécia, durante a guerra civil romana entre Marco António e Otaviano (depois conhecido como imperador Augusto). A frota de Otaviano era comandada por Marco Vipsânio Agripa e a de António apoiada pelos barcos de guerra da rainha Cleópatra do Egito. O resultado foi uma vitória decisiva de Otaviano, que findou a oposição ao seu poderio crescente. Esta data é por isso usada para marcar o fim da República e início do Império Romano.

PrelúdioEditar

O segundo triunvirato rompeu-se devido à séria ameaça que Otaviano via em Cesarião, o filho de Cleópatra e Júlio César. A base do poder de Otaviano era a sua ligação a César por adopção, que lhe garantia a sua muito necessitada popularidade e lealdade das legiões. Ao ver esta situação conveniente posta em causa após Marco António ter declarado que Cesarião era o legítimo herdeiro de Júlio César, começou uma guerra de propaganda entre os aliados que destruiu o segundo triunvirato no último dia de 33 a.C..

Finalmente o senado retirou Marco António do poder e declarou guerra contra Cleópatra. Um terço do senado e ambos os cônsules juntaram-se ao lado de Marco António, e em 31 a.C. a guerra começou quando o talentoso general Marco Vipsânio Agripa capturou a cidade grega e o porto naval de Methon que era leal a Marco António. Marco António era um excelente soldado, no entanto a sua falta de experiência em confrontos navais foi o seu calcanhar de Aquiles.

A batalhaEditar

As duas frotas eram constituídas por cerca de 400 navios cada uma. Este número é apenas uma estimativa, visto que as fontes históricas são contraditórias neste aspecto. A táctica usada por Marco António foi valer-se da maior tonelagem dos seus navios, carregá-los com artilharia e bombardear o inimigo. No entanto, os barcos comandados por Marco Vipsânio Agripa eram mais leves e manobráveis e conseguiram evitar estas investidas e eliminar o perigo. Durante a luta, Cleópatra decidiu fugir e António depressa a seguiu. A fuga do comandante não foi descoberta e a luta prosseguiu até Agripa conseguir incendiar e afundar a frota de António.

Cerca de um ano depois destes eventos, Otaviano invadiu o Egito e António e Cleópatra suicidaram-se. Uma referência à batalha é feita na Eneida de Virgílio.

BibliografiaEditar

  • CALIFF, David J. Battle of Actium (Great Battles Through the Ages). New York: Chelsea House, 2003. (ISBN 0-7910-7440-4).
  Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre História Militar é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha de Áccio