Batalha de Copidnados

A batalha de Copidnados (em grego: Κοπίδναδος; romaniz.: Kopidnados) ou de Copidnadon (em grego: Κοπίδναδον) ocorreu em setembro de 788, entre os exércitos do Califado Abássida e do Império Bizantino. O exército abássida, que havia lançado uma invasão à Ásia Menor bizantina, foi confrontado por uma força bizantina em Copidnados. A batalha resultante terminou com a vitória dos árabes. Entre as perdas bizantinas estava um certo Diógenes, que é identificado por alguns estudiosos como a provável fonte para o herói épico literário Digenis Acritas.

Batalha de Copidnados
Guerras bizantino-árabes
Asia Minor ca 780 AD-pt.svg
Ásia Menor bizantina em 780
Data setembro de 788
Local Podando, Ásia Menor
Desfecho Vitória abássida
Beligerantes
Califado Abássida Império Bizantino
Comandantes
Harune Arraxide Império Bizantino Irene de Atenas

AntecedentesEditar

Desde a última tentativa árabe fracassada de conquistar a capital bizantina Constantinopla, as forças califais realizaram quase todos os anos raides regulares na Ásia Menor bizantina. Em 782, uma grande invasão, liderada pelo herdeiro aparente abássida, o futuro Harune Arraxide (r. 786–809), resultou numa derrota bizantina humilhante, forçando os bizantinos a negociar uma trégua em troca de um pagamento anual de 160 000 nomismas de ouro.[1][2]

Em 785, a imperatriz-regente Irene de Atenas resolveu cessar o pagamento do tributo e a guerra recomeçou. Os árabes invadiram o Tema Armeníaco, mas no começo de 786 os bizantinos retaliaram saqueando e arrasando a cidade-fortaleza de Adata, na Cilícia, que os abássidas tinham gastado os últimos cinco anos transformando numa grande fortaleza e base militar para suas expedições além-fronteira contra o Império Bizantino.[3][4][5]

BatalhaEditar

 
Dirrã de prata de Harune Arraxide (r. 786–809)

Com a ascensão de Harune Arraxide a califa em 786, os raides lançados nos dois anos seguintes foram relativamente menores; a primeira grande invasão do novo reinado ocorreu em 788, quando uma grande força expedicionária cruzou as Portas Cilicianas em direção ao Tema Anatólico.[5][6] Embora o raide não seja mencionado em fontes árabes, sua descrição pelo cronista bizantino Teófanes, o Confessor aponta para uma grande invasão, que foi confrontada pelas forças de dois dos mais poderosos exércitos temáticos bizantinos, do Tema Anatólico e do Tema Opsiciano.[7]

O sítio da batalha é chamado "Copidnados" ou "Copidnadon" em Teófanes, um nome que não é atestado em quaisquer outras fontes. Estudiosos modernos, começando com Henri Grégoire em 1932, têm identificado o local com a cidade de Podando, na saída ocidental dos Portas Cilicianas. Segundo o breve relato de Teófanes, a batalha terminou em uma derrota sangrenta para os bizantinos, que perderam muitos homens e oficiais, incluindo os membros da tagma das escolas palatinas que tinham sido banidos para as província por Irene em 786 por seu apoio contínuo à iconoclastia. Teófanes também destaca a perda do competente oficial Diógenes, um turmarca (comandante divisional) dos anatólicos.[6][7][8]

ImpactoEditar

O impacto imediato da derrota bizantina parece ter sido desprezível; as perdas foram pesadas, mas não insustentáveis, e o nível de devastação das regiões parece ter sido mínima. Em termos materiais, há, portanto, pouco para distinguir a derrota em Copidnados dos "típicos" raides árabes.[6][9] Marca, contudo, um recomeço da guerra fronteiriça em larga escala após a calmaria relativa que se vivia desde 782,[10] que continuou inabalada até a morte de Harune em 809 e a subsequente guerra civil abássida.[11] Talvez a maior consequência a longo prazo da batalha tenha sido a morte do turmarca Diógenes: por virtude de sua incomum proeminência no relato de Teófanes, Henri Grégoire identifica este Diógenes com o arquétipo original do herói épico posterior Digenis Acritas.[9][12][13]

ReferênciasEditar

  1. Brooks 1923, p. 124.
  2. Treadgold 1988, pp. 67–70.
  3. Brooks 1923, p. 125.
  4. Treadgold 1988, p. 78–79.
  5. a b Makrypoulias 2008, cap. 1.
  6. a b c Treadgold 1988, p. 91.
  7. a b Lilie 1996, p. 156.
  8. Makrypoulias 2008, cap 2.
  9. a b Makrypoulias 2008, cap. 3.
  10. Lilie 1996, p. 167.
  11. Brooks 1923, pp. 125–127.
  12. Treadgold 1988, p. 401 (nota #110).
  13. Beck 1971, pp. 63–97.

BibliografiaEditar

  • Beck, Hans Georg (1971). Geschichte der Byzantinischen Volksliteratur (em alemão). Munique: Verlag C. H. Beck. ISBN 3-406-01420-8 
  • Brooks, E. W. (1923). «V. (A) The Struggle with the Saracens (717–867)». The Cambridge Medieval History, Volume IV: The Eastern Roman Empire (717–1453). Cambridge, RU: Cambridge University Press 
  • Lilie, Ralph-Johannes (1996). Byzanz unter Eirene und Konstantin VI. (780–802) (em alemão). Francoforte: Peter Lang. ISBN 3-631-30582-6 
  • Makrypoulias, Christos (2008). «Battle at Kopidnadon, 788». Encyclopaedia of the Hellenic World, Asia Minor. Atenas: Foundation of the Hellenic World 
  • Treadgold, Warren T. (1988). The Byzantine Revival, 780–842. Stanford, Califórnia: Stanford University Press. ISBN 0-8047-1896-2