Abrir menu principal
Batalha de Hipona
Segunda Guerra Civil da República Romana
Data 46 a.C.
Local Hipo Régio, África
Desfecho Vitória decisiva dos cesarianos
Beligerantes
República Romana Cesarianos República Romana Pompeianos
Comandantes
República Romana Públio Sítio Nocerino República Romana Metelo Cipião 
Hipo Régio está localizado em: Argélia
Hipo Régio
Localização de Hipo Régio no que é hoje a Argélia

Batalha de Hipona ou Batalha de Hipo Régio foi uma batalha naval travada em 46 a.C. durante a Segunda Guerra Civil da República Romana entre as forças cesarianas comandadas pelo mercenário Públio Sítio Nocerino e as pompeianas lideradas por Metelo Cipião. Completamente derrotado, Cipião matou-se logo após a batalha.

ContextoEditar

Depois da destruição do seu exército em África, na Batalha de Tapso, o comando pompeiano desintegrou-se. O comandante da guarnição de Útica, Catão, o Jovem, quando soube da aproximação de César, matou-se. O rei Juba I da Numídia e Marco Petreio combinaram um duelo até a morte no qual o vencedor depois se mataria[1].

Lúcio Afrânio e Fausto Cornélio Sula conseguiram fugir com 1 500 cavaleiros até o Reino da Mauritânia e dali pretendiam partir para a Hispânia, mas foram emboscados pelo mercenário Públio Sítio Nocerino. Aprisionados, os dois foram mortos dias depois, por ordem de César segundo alguns e por seus próprios homens segundo outros[2]. Sítio Nocerino era um aliado de Boco II da Mauritânia e tinha como missão tomar Cirta, a capital de Juba I, enquanto César desembarcava em Ruspina. Por sua causa, Juba foi obrigado a dividir suas forças, enviando o general Saburra para enfrentá-lo, o que facilitou a vitória em Tapso. Saburra foi morto em combate e o seu exército destruído por Sítio Nocerino e Boco II[3].

Finalmente, Metelo Cipião tentou fugir pelo mar até Útica para se juntar a Catão, mas o clima levou sua frota até Hipo Régio, onde foi obrigado a lutar com a frota de Sítio Nocerino. Em grande desvantagem numérica, a frota pompeiana foi completamente destruída. Sem esperança de fugir, Metelo Cipião apunhalou-se e atirou-se ao mar[4]. Apenas Tito Labieno, Públio Ácio Varo e os irmãos Sexto e Cneu Pompeu conseguiram chegar à Hispânia, onde seriam derrotados no ano seguinte na Batalha de Munda[1].

Referências

  1. a b Sheppard (2009), p. 89
  2. Smith (1872a), p. 55.
  3. Smith (1872b), p. 635.
  4. Smith (1872b), p. 1063

BibliografiaEditar

  • Sheppard, Si (2009) [2006]. Ros, Eloy Carbó, ed. César contra Pompeyo. Farsalia (em espanhol). Barcelona: Osprey Publishing. ISBN 978-84-473-6379-7 
  • Smith, William (1872a). Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. Abaeus-Dysponteus (em inglês). I. Londres: John Murray 
  • Smith, William (1872b). Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. Earinus-Nyx (em inglês). II. Londres: John Murray