Ben Hecht

Ben Hecht
Nascimento 28 de fevereiro de 1894
Nova Iorque
Morte 18 de abril de 1964 (70 anos)
Nova Iorque
Cidadania Estados Unidos
Ocupação roteirista, romancista, dramaturgo, escritor, jornalista, produtor cinematográfico, diretor de cinema
Prêmios Oscar de Melhor História Original, Oscar de Melhor História Original
Religião Judaísmo
Causa da morte trombose coronariana

Ben Hecht ( /ˈhɛkt/; Nova Iorque, 28 de fevereiro de 1894Nova Iorque, 18 de abril de 1964) foi um roteirista, diretor, produtor, dramaturgo, jornalista e romancista americano. Jornalista em sua juventude, escreveu 35 livros. Ele recebeu créditos de tela, sozinho ou em colaboração, pelas histórias ou roteiros de cerca de setenta filmes.[1]

Aos 16 anos, Hecht fugiu para Chicago, onde, em suas próprias palavras, ele "assombrou ruas, prostíbulos, delegacias, tribunais, palcos de teatro, prisões, salões, favelas, manicômios, incêndios, assassinatos, tumultos, salões de banquetes , e livrarias ". Nas décadas de 1910 e 1920, Hecht se tornou um notável jornalista, correspondente estrangeiro e figura literária. No final da década de 1920, sua peça com o tema repórter, em coautoria, The Front Page, se tornou um sucesso da Broadway.

O Dicionário de Biografia Literária - Roteiristas Americanos o chama de "um dos roteiristas de maior sucesso na história do cinema". Hecht recebeu o primeiro Oscar de melhor história original para o Submundo (1927). Muitos dos roteiros em que ele trabalhou agora são considerados clássicos. Ele também forneceu idéias de histórias para filmes como Stagecoach (1939). O historiador de cinema Richard Corliss o chamou de "o roteirista de Hollywood", alguém que "personificou a própria Hollywood".

Hecht tornou-se um sionista ativo após conhecer Peter Bergson. Pouco antes do Holocausto começar na Alemanha, ele escreveu artigos e peças sobre a situação dos judeus europeus, como We Will Never Die em 1943 e A Flag is Born em 1946. De seus setenta a noventa roteiros, ele escreveu muitos anonimamente para evitar o boicote britânico ao seu trabalho no final dos anos 1940 e no início dos anos 1950. O boicote foi uma resposta ao apoio ativo de Hecht à ação paramilitar contra as forças britânicas na Palestina e à sabotagem de propriedades britânicas.

De acordo com sua autobiografia, ele nunca gastou mais de oito semanas em um roteiro. Em 1983, 19 anos após sua morte, Ben Hecht foi introduzido postumamente no American Theatre Hall of Fame.[2][3]

BibliografiaEditar

  • Kingdom of Evil, 211pp., Pascal Covici (1924)
  • Broken Necks {Containing More 1001 Afternoons}, 344pp., Pascal Covici (1926)
  • Count Bruga, 319 pp., Boni & Liveright (1926)
  • A Jew in Love, 341 pp., Covici, Friede (1931)
  • The Book of Miracles, 465 pp., Viking Press (1939)
  • A Guide for the Bedevilled, 276 pages, Charles Scribner's Sons (1944) ISBN 0-9646886-2-X
  • The Collected Stories of Ben Hecht, 524 pp., Crown (1945)
  • The Champion from Far Away (1931)
  • Actor's Blood (1936)
  • A Treasury of Ben Hecht: Collected Stories and Other Writings (1959, antologia)
  • Erik Dorn
  • I Hate Actors!
  • 1001 Afternoons in New York
  • The Sensualists
  • Winkelberg (ensaio)
  • Miracle in the Rain
  • Letters from Bohemia
  • Gargoyles
  • The Egoist

Prêmios e indicaçõesEditar

Referências

  1. Hecht, Ben (1954). A Child of the Century. New York, NY: Simon & Schuster, Inc. 483 páginas 
  2. «Theater Hall of Fame Gets 10 New Members». New York Times. 10 de maio de 1983 
  3. «Ben Hecht». Chicago Literary Hall of Fame (em inglês). 2013. Consultado em 8 de outubro de 2017 

Ligações externasEditar