Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Benjamin Lima
Nascimento 27 de novembro de 1885
Morte 9 de janeiro de 1948 (62 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, advogado

Benjamin Franklin de Araujo Lima, também conhecido como Benjamin Lima (Óbidos-PA, 27.11.1885 - Rio de Janeiro, 9.1.1948 [1]), foi um teatrólogo, crítico literário, advogado, professor e jornalista brasileiro. Nascido em Óbidos, estado do Pará, foi para Manaus, onde passou sua infância e juventude - tendo também morado em Salvador-BA -, radicando-se, com sua família, no Rio de Janeiro (1919). Foi um dos fundadores da Academia Amazonense de Letras.[1] Criou e dirigiu o CPT (Curso Prático de Teatro), do MEC.[2]

Benjamin Lima escreveu as seguintes peças de teatro: O Homem que Marcha; O Homem que Ri; O Martírio de Don Juan; A Revolta do Ídolo; Venenos; O Carrasco; Boa Noite; Babilônia; O Amor e a Morte.[3]

Crítico de teatro e cinema, colaborador em vários jornais, inicialmente em Manaus, depois no Rio de Janeiro, escreveu os seguintes ensaios de crítica literária: Esse Jorge de Lima!… (1933) e O heroísmo da ironia em Machado de Assis (1939).

Em 2003, a Editora Valer, de Manaus, reeditou a peça O homem que marcha. Em Manaus, no bairro de São Jorge, existe uma Rua Benjamin Lima.

Índice

BibliografiaEditar

  • BITTENCOURT, Agnello. Dicionário Amazonense de Biografias - vultos do passado. Rio de Janeiro: Ed. Conquista, 1973.
  • BITTENCOURT, Fernanda Araujo Lima (Organização e informações biobibliográficas). Jornalismo de Benjamin Lima (coletânea de artigos; pesquisa [Biblioteca Nacional - RJ]: Fernanda A.L. Bittencourt, com a colaboração de Priscila Fraiz e Luiz José Veríssimo). Rio de Janeiro: Copy e Arte, 1985.
  • BRAGA, Genesino. Nascença e Vivência da Biblioteca do Amazonas. Belém: Imprensa Oficial, 1957 (2ª ed., Manaus: Imprensa Oficial, 1989).
  • CASTANHEIRA, Jana Eiras. Do curso prático ao conservatório: origens da escola de teatro da UNIRIO. Rio de Janeiro, 2003. Dissertação (Mestrado em Teatro). UNIRIO: Centro de Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação, 2003.
  • LIMA, Benjamin. Teatro de Benjamin Lima. Rio de Janeiro: Aurora, 1949.
  • PRADO, Décio de Almeida. Apresentação do Teatro Brasileiro Moderno (1956).
  • PRADO, Décio de Almeida. História Concisa do Teatro Brasileiro (1999).
  • ROQUE, Carlos. Grande Enciclopédia da Amazônia. Belém: Amazônia Editora, 1968.
  • SANTANA, Márcio Braz. O poeta das convenções: a trajetória intelectual de Benjamin Lima [2]. Ensaio Geral, Belém, v3, n.5, jan-jul/2011.
  • Sociedade Felippe d'Oliveira (vários autores). In memoriam de Felippe d'Oliveira. Rio de Janeiro: Empreza graphica da "Revista dos tribunaes" [contém artigo (Um epitaphio para Fellipe d'Oliveira) de B.L.], 1933.
  • SOUZA, João Mendonça de. Os cânones da comunicação em Benjamin Lima [3]. Revista da AAL. Manaus, ano LXVII, v20, pp.21-47, fev/1985.
  • SOUZA, Márcio. O Teatro no Amazonas (artigo contido no Portal de Literatura e Arte Cronópios), 2007.
  • TIMOTHEO, Pedro (Seleção e biografias). Antologia do Jornalismo Brasileiro. Rio de Janeiro: Livr. Ed. Zello Valverde, 1944.

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar