Abrir menu principal

Óbidos é um município brasileiro do estado do Pará, no norte brasileiro, a uma latitude 01º55'03" sul e longitude 55º31'05" oeste.[6][7]

Município de Óbidos
Bandeira de Óbidos
Brasão de Óbidos
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 12 de dezembro de 1697 (321 anos)
Emancipação 26 de junho de 1755 (263 anos)
Gentílico obidense
Prefeito(a) Francisco José Alfaia de Barros (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Óbidos
Localização de Óbidos no Pará
Óbidos está localizado em: Brasil
Óbidos
Localização de Óbidos no Brasil
01° 55' 04" S 55° 31' 04" O01° 55' 04" S 55° 31' 04" O
Unidade federativa Pará
Mesorregião Baixo Amazonas IBGE/2008 [1]
Microrregião Óbidos IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Ao norte, República do Suriname e Município de Almeirim; ao sul, Municípios de Santarém e Juruti; ao leste, Município de Alenquer; e a oeste, Município de Oriximiná.
Distância até a capital 1 100 km
Características geográficas
Área 28 021,287 km² [2]
População 50 596 hab. IBGE/2016[3]
Densidade 1,81 hab./km²
Clima Equatorial quente e úmido.
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,594 baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 476 351,11 mil IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 9 467,00 IBGE/2014[5]

A cidade foi erguida na margem esquerda do Rio Amazonas, distante 1.100 quilômetros de Belém por via fluvial, em um trecho onde as margens daquele rio tornam-se mais estreitas e o seu canal mais profundo, formando, como se diz na região, a "garganta do rio Amazonas", ou a "fivela do rio", como preferem outros. Nesse ponto a largura do rio é de cerca de 1.890 metros em seu leito normal. Tem origem num forte erguido em 1697, tendo o município sido criado em 1755, em homenagem à vila portuguesa de mesmo nome.

A base da economia local é a fibra de juta, a castanha do Pará e a pesca, sendo que a cidade está equipada com um porto fluvial que permite a atracação de navios de grande porte, para o escoamento da produção da região. No campo das artes, Óbidos é a cidade onde nasceram Inglês de Sousa, jurista, contista e romancista, além de cofundador da Academia Brasileira de Letras; José Veríssimo, historiador e romancista, e Idelfonso Guimarães, romancista.

Índice

HistóriaEditar

Nas primeiras explorações do rio Amazonas, os portugueses observaram o estreitamento do rio naquela passagem e, conforme as ideias militares de então, reconheceram a necessidade de fortificar o ponto.[8]

Foi no entanto o capitão-general do Grão-Pará Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho que enquanto subia o rio Amazonas, em 12 de dezembro 1697, verificou a necessidade de construir naquela passagem estreita um posto fortificado. Assim, determinou a Manuel da Mota e Siqueira, que abandonasse o projeto de construir um forte no Araqui e fosse edificá-lo acima do rio Tapajós, onde hoje localiza-se a cidade de Óbidos:[8]

A construção do forte possivelmente iniciou-se no ano seguinte, visto que, em resposta de um relatório enviado por Albuquerque de Carvalho, em 27 de julho de 1698, o rei Pedro II lhe agradece pelo empenho na edificações das fortalezas ao longo do rio Amazonas (conforme Carta Régia de 9 de dezembro de 1698), citando nominalmente a do "Lugar Estreito" (nome inicial de Óbidos).[9]

A Missão dos Pauxis, encabeçada pelos jesuítas, foi iniciada no princípio do século XVIII, não no Forte do Lugar Estreito, porém numa área mais próxima da foz do rio Trombetas. Somente anos mais tarde é que os religiosos moveram a missão para o Lugar Estreito, que então ficou conhecido como Forte de Santo Antônio dos Pauxis de Óbidos.[9]

Formação administrativaEditar

Elevado à categoria de vila com a denominação de Óbidos por Carta Régia do rei José I de Portugal, de 26 de junho de 1755, e; em 25 de março de 1758, por decreto do capitão-general do Grão-Pará Francisco Xavier de Mendonça Furtado, ratificando o ato. A sede ficou estabelecida no Forte e Missão dos Pauxis, agora com o nome de Óbidos.[8]

Em 1822 foi criada a primeira instituição de ensino da localidade, o Liceu de Óbidos, que na virada do século XX recebeu o nome de Grupo Escolar José Veríssimo, e; na década de 2000 foi transformada em Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental José Veríssimo.[10]

Somente foi elevada à condição de cidade, com a denominação de Óbidos, pela lei provincial n.º 252, de 2 de outubro de 1854,[8] assinada pelo presidente do Grão-Pará Sebastião do Rego Barros.

Segunda metade do século XIXEditar

Em 1848 o bispo do Pará, dom José Afonso de Morais Torres ordena a criação na cidade do Seminário São Luiz Gonzaga (atual Escola Municipal São Francisco), cujo sustento recebeu ajuda popular e uma contribuição da Fazenda Provincial.[10]

Em 24 de janeiro de 1854, através de um "Aviso Reservado", o governo imperial autoriza a reconstrução da Fortaleza de Pauxis, com um novo projeto de construção apresentado pelo major Marcos Pereira Salles; esta reconstrução vinha a calhar com o interesse do governo manifestado em 17 de julho de 1854, quando é instalado destacamento "Colônia Militar de Óbidos", que servia como posto de controle alfandegário, posto de vigilância e recinto penal.[11]

Em 1954 é criado o "Gabinete de Leitura Obidense", considerada a primeira Biblioteca Pública de Óbidos, que possuía um acervo de 1.300 livros.[11] Outra instituição importante surgida no mesmo período foi o Teatro Bom Jesus, inaugurado em 21 de junho de 1873, construído as expensas da população local. Seus trabalhos eram liderados pelo juiz da comarca local Cassimiro Borges Godinho de Assis, que também era músico flautista e teatrólogo, além de escrever suas próprias peças, entre elas "O Filho do Lavrador" e o "Jangadeiro de Recife", entre outras.[12]

GeografiaEditar

Localizado a uma latitude 01º55'03" sul e longitude 55º31'05" oeste, estando a uma altitude de 46 metros acima do nível do mar. O município possui 50 317 habitantes distribuídos em 26 825 km² de extensão territorial.[13][14]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1974 a menor temperatura registrada em Óbidos foi de 19 °C em 1976, nos dias 11 de janeiro e 8 de fevereiro,[15] e a maior atingiu 39 °C em 5 de outubro de 1975.[16] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 187,1 milímetros (mm) em 11 de dezembro de 1990.[17] Janeiro de 2000, com 508,1 mm, foi o mês de maior precipitação.[18]

Dados climatológicos para Óbidos
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 35,6 35,4 35,2 34 34 33,3 34,1 36,5 38 39 37 36,7 39
Temperatura máxima média (°C) 31 30,5 30,4 30,5 30,5 31 31,3 32,3 33 33,3 32,8 32,2 31,6
Temperatura média compensada (°C) 26,5 26,5 26,1 26,2 26,4 26,6 26,7 27,3 27,7 28,2 27,9 27,4 26,9
Temperatura mínima média (°C) 23 22,8 22,9 23 23,1 22,9 22,7 23 23,3 23,7 23,7 23,5 23,1
Temperatura mínima recorde (°C) 19 19 20 20,1 20 20,1 20 20 20 20 20 20 19
Precipitação (mm) 261,7 270,6 322,2 278,7 222,6 103,7 75,7 34,1 41,8 54,5 95,1 151,2 1 911,9
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 16 17 20 18 15 9 7 4 5 5 7 11 134
Umidade relativa compensada (%) 85,5 87,9 88,5 88,6 87,6 85,1 82,8 80 78,4 76,9 78,8 80,9 83,4
Horas de sol 157,7 122 126,9 135,6 166,2 204,4 236,1 250,5 242,4 225,5 189,3 170,4 2 227
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[19]
recordes de temperatura: 01/01/1974-presente)[15][16]

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

As únicas rodovias que ligam a sede municipal são o braço da BR-163, que estende-se até a cidade de Curuá, e; a PA-254, com quem a BR-163 faz entroncamento para ligar a cidade de Óbidos à cidade de Oriximiná e ao restante dos municípios da Calha Norte.

Existe também o Aeroporto de Óbidos (SNTI), que fica fica ao norte do município a cerca de 5 km do centro da cidade, às margens da BR-163.

Entretanto o principal meio de transporte do município ainda é o fluvial, tanto que a principal facilidade logística é o Porto de Óbidos, de onde movimenta-se a maioria dos passageiros e cargas com destino e partindo de Óbidos.[20]

ComunicaçõesEditar

O município conta com os trabalhos televisivos das emissoras: Sentinela TV (ex-afiliada à Rede Tupi) afiliada à Rede Bandeirantes e TV Atalaia afiliada à RedeTV!

EducaçãoEditar

O município alberga um dos campus da Universidade Federal do Oeste do Pará, que oferta em período regular a graduação em pedagogia.

Cultura e lazerEditar

As principais atrações locais são as construções do século XVII, destacando-se o Forte dos Pauxís (1697), restaurado, e a Fortaleza Gurjão, que se encontra em ruínas; também subsistem centenas de construções antigas residenciais e comerciais de arquitetura colonial portuguesa no centro da cidade. Óbidos é conhecida como "a mais portuguesa das cidades do Estado do Pará". Outras atrações são os igarapés de águas cristalinas como Curuçambá e a pesca esportiva no Mamaurú.

O município festeja, no mês de Julho, a sua padroeira Senhora Sant'Ana, ocasião em que são feitas inúmeras apresentações folclóricas como a do boi-bumbá e a da "garcinha" (criação do poeta Saladino de Brito), tendo como ápice das festas o Círio, com a procissão fluvial.

Atualmente Óbidos tem como seu principal evento o carnaval. A festa dura mais de uma semana, e é conhecida como "Carnapauxis"; a cada ano o evento tem crescido, com blocos organizados que saem às ruas com mais de dez mil foliões.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa populacional 2016» (PDF). Estimativa populacional 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 21 de setembro de 2013 
  5. a b «PIB Municipal 2010-2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  6. «Estado Pará, Município de Óbidos». IBGE. 2016. Consultado em 13 de junho de 2016 
  7. «Óbidos, Pará - PA.». IBGE. 2015. Consultado em 13 de junho de 2016 
  8. a b c d Histórico de Óbidos-PA. IBGE Cidades. 2018
  9. a b Canto. Sidnei Augusto..Certidão de Nascimento - A cidade de Óbidos surgiu através da construção de um Forte há 321 anos registrado na história. Portal Obidense. 2 de outubro de 2018.
  10. a b Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor José Tostes: 50 anos contribuindo na formação de cidadãos críticos e conscientes. Portal Obidense. 3 de novembro de 2018.
  11. a b Óbidos, fatos históricos. Portal Obidense. 2 de outubro de 2018.
  12. Óbidos 320 anos: O Teatro em Óbidos. Obidos.Net.Br. 2017.
  13. «Estado Pará, Município de Oriximiná». IBGE. 2015. Consultado em 13 de junho de 2016 
  14. «Obidos, Pará - PA.». IBGE. 2015. Consultado em 13 de junho de 2016 
  15. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Óbidos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 23 de junho de 2018 
  16. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Óbidos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 23 de junho de 2018 
  17. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Óbidos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 23 de junho de 2018 
  18. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Óbidos». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 23 de junho de 2018 
  19. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 23 de junho de 2018 
  20. Porto de Óbidos. Capitania dos Portos do Pará. 2018.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.