Brácaros

Fonte do Ídolo

Brácaros (em latim: bracari) ou bracários (em latim: bracarii; em grego clássico: βρακάριοι; transl.: bracárioi) foram uma das duas grandes divisões dos galaicos da Galécia, cujo nome derivou de seu principal assentamento, Brácara Augusta. Habitaram ao sul da Galécia, do Douro ao Minho. De acordo com Ptolomeu, dividiam-se em várias tribos: turodos, nemetatos, celerinos, bíbalos, límicos, luancos, gróvios, quacernos, lubenos e narbasos.[1]

Em seu território havia as cidades de Portucale (Porto), Salácia (Salamonde?), Presídio (Castro de Codeçoso?), Caladuno (Ciadia?), Às Águas (Triudad?), Pineto (Pinhel?), Complêutica (Compludo), Venlácia (Vinhais), Tongóbriga (Marco de Canaveses), Araducta, Salaniana (Santiago de Villela), Águas Originis (Banhos de Bande ou Ourense), Presídio (Castro de Caldelas ou Rodicio?), Límia ou Fórum dos Límicos (Ponte de Lima), Tude ou Tide, Gêminas (Caldelas ou Ourense?), Águas Levas, Volóbriga, Celióbriga, Fórum dos Bíbalos, Merva, Cambeto, Fórum dos Narbasos e Roboreto (Robledo ou Bragança).[2]

Em 136 a.C., o general romano Décimo Júnio Bruto Galaico fez uma expedição contra os brácaros que alcançou o Minho. Nas fontes clássicas, foram qualificados como guerreiros, tendo inclusive as mulheres participado de batalhas. Fala-se que preferiam morrer em vez de serem capturados.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Smith 1870, p. 932-933.
  2. Smith 1870, p. 934.
  3. Smith 1870, p. 933.

BibliografiaEditar

  • Smith, Philip (1870). «Gallaecia». In: Smith, William. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology Vol. III. Boston: Little, Brown and Company