Brasão de armas da Hungria

O atual Brasão de armas da Hungria foi adotado em julho de 1990, depois do fim do regime comunista.

Coat of arms of Hungary.svg

Os brasões antes usados, ambos com ou sem a coroa de Santo Estevão, algumas vezes como parter de um maior e mais complexo brasão de armas, e com muitos elementos pertencentes à Idade Média húngara.

Usualmente se diz que as faixas pratas representam os quatro rios (Duna, Tisza, Dráva, Száva) e as colinas representam três cadeias de montanhas (Mátra, Tátra, Fátra), mas essa teoria é historicamente infundada.

O brasão de armas também destaca a cruz patriarcal à direita similar ao brasão de armas da Eslováquia.

HistóriaEditar

O elemento mais antigo do brasão de armas é a cruz patriarcal, que mostra a influência bizantina. Ele apareceu por volta de 1190 durante o reinado do Rei Béla III. Em versões posteriores, três colinas e uma coroa apareceram na base da cruz.

As faixas vermelhas e brancas eram o símbolo dos Árpáds e foram usadas pela primeira vez no brasão de armas em 1202 no selo real do Rei Imre. O selo não incluía a cruz dupla, apenas as faixas, e tinha nove leões nas faixas vermelhas. No Touro Dourado do Rei André II da Hungria havia apenas sete leões de frente um para o outro, no meio das faixas de descrição. Esse brasão foi usado durante um curto período apenas; Béla IV usou o brasão com a cruz patriarcal de novo.

Quando a Casa de Árpád foi extinta e os Angevinos tomaram o poder, eles queriam dar ênfase à sua legitimicidade e sua relação com os antiga dinastia usando as faixas brancas e vermelhas do brasão de armas dos Árpáds. Eles, assim, combinaram esse brasão de armas com o seu próprio, usando um brasão que assemelha-se com o atual, mas no lugar da cruz, aparece as flores-de-lis do brasão dos Angevinos.

O brasão de armas com as faixas à esquerda e a cruz e as colinas na direita apareceu durante o reinado de Luís I(1342-1382). A coroa acima do brasão apareceu durante o reinado de Vladislau I(1440-1444).

A versão final do brasão de armas foi definida durante o reinado do Rei Matias II da Hungria no começo do século XVII. Ele foi usado regularmente durante o reinado da Rainha Maria Teresa da Áustria.

Nos séculos seguintes, o brasão de armas da Hungria tornou-se mais e mais complexo. Incluiu o brasão dos territórios que se incorporaram ao Reino da Hungria, como Croácia, Dalmácia e a Eslavônia, e a conquistada Bósnia, mas o chamado "pequeno brasão de armas" sempre permaneceu como peça central. A imagem à esquerda mostra o Médio Brasão de Armas oficial (com algumas modificações) do Ausgleich (1867) que durou até o fim da primeira Guerra Mundial (1918). As outras partes eram os brasões da Dalmácia, Eslavônia, Bósnia, Fiume, Transilvânia e Croácia.

Quando a Hungria tornou-se parte do Império Habsburgo, o brasão de armas passou a ser o deste império, mas depois ele tornou-se importante e permaneceu durante o reinado de José II.

Os brasões usados na era do segundo governo comunista (1949-1956) e depois da Revolução Húngara de 1956 (até 1990).

Desde 1990 o histórico pequeno brasão de armas com a coroa sagrada vem servindo de símbolo oficial da República da Hungria.

Em sua primeira eleição democrática o parlamento teve um considerável debate sobre a permanência da Coroa Sagrada no brasão de armas. Os partidos de oposição liberais (SZDZ) propuseram a versão republicana em estilo Kossuth mas o governo conservador trouxe de volta a coroa ao brasão. Depois da unânime decisão de restaurar o brasão de armas com o coroa sagrada, todos os partidos e a própria população aceitaram bem a sua volta e hoje há um consenso sobre seu uso.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar