Abrir menu principal

Historia general de las cosas de la Nueva España

(Redirecionado de Códice Florentino)

Historia general de las cosas de la Nueva España ("História geral das coisas da Nova Espanha") é o título de uma obra escrita, em náuatle e espanhol, pelo religioso franciscano espanhol Bernardino de Sahagún, a princípios do século XVI, pouco depois da Conquista do México por parte dos espanhóis. Para realizar o livro, Sahagún recorreu à indagação direta entre os nativos mexicanos, concentrando-se na região central do México. Portanto, alguns antropólogos —especialmente os mexicanos— reclamam para o freire franciscano o ser um dos antecessores da moderna etnografia.[1]

Uma página do Códice Florentino. Este códice, escrito em náuatle e espanhol, é o documento original da Historia general...

Para a sua Historia general..., Bernardino de Sahagún baseou-se nos informes dos estudantes indígenas do Colégio de Santa Cruz de Tlatelolco —situado na atual cidade do México—. Todos os informantes de Sahagún pertenceram à elite asteca. A indagação do monge franciscano começou no mesmo período em que esteve a cargo da instituição que ele próprio fundara em 1536. Entre 1539 e 1558, Sahagún serviu como missionário no que atualmente são os estados de Puebla e Hidalgo. Em Tepeapulco (atualmente no estado de Hidalgo), sítio ao que chegou em 1558, Sahagún coletou outras informações com as que enriqueceu o texto que viera redigindo de 1547 e que tornar-se-ia na História geral das coisas da Nova Espanha.

O propósito de Sahagún ao escrever o seu texto era fazer conhecer entre os seus colegas missioneiros alguns dos aspectos da cultura e a história dos povos do altiplano central do México. O anterior devia proporcionar aos evangelizadores algumas ferramentas para conhecer melhor algumas situações às que poderiam enfrentar-se na sua tentativa por ganhar adeptos para a Igreja Católica entre os naturais da América. Em uma passagem muito conhecida, Sahagún escrevia que...

Portal A Wikipédia tem o portal:


A História geral... consta de doze livros nos quais Sahagún enumera e conta vários aspectos da vida e história dos nativos. Os seis primeiros livros tocam de alguma maneira os aspectos religiosos dos indígenas do altiplano central. O livro sétimo versa sobre astronomia. Os livros oitavo, noveno, décimo e undécimo tratam sobre a vida social dos nativos: em eles descreve-se o sistema de governo, crenças e os sistemas de troca de mercadorias. O último livro narra a Conquista do México sobre a base dos relatos que lhe transmitiram os seus informantes. Alguns autores que analisaram a obra de Sahagún coincidem em que nela é possível advertir duas olhadas diferentes. Uma delas reflete o discurso do freire produzido desde o seu próprio sistema de crenças, no que faz uma avaliação da religião e vida dos mesoamericanos. A outra olhada é a do missionário que se limita a descrever de maneira objetiva o que os seus informantes puderam assinalar a respeito da sociedade destruída pela conquista espanhola.

Referências

  1. Palerm, Ángel: Los precursores. Universidade Ibero-americana, México.
  2. Sahagún, Bernardino (1946): História geral das coisas da Nova Espanha. Primeira parte, p. 9.
  3. Villoro, Luis (1996): Los grandes momentos del indigenismo en México. p. 82.

Ver tambémEditar