Tatu-de-rabo-mole-grande

(Redirecionado de Cabassous tatouay)

Tatu-de-rabo-mole-grande (Cabassous tatouay),[2][3] também referido genericamente como cabaçu, cabuçu, tatuaíva e tatuxima,[4] é uma espécie de tatu da família dos clamiforídeos (Chlamyphoridae). Ocorre no Uruguai, Argentina, Paraguai e Brasil.[5]

Tatu-de-rabo-mole-grande
Cabassous tatouay at University of Pisa's Natural History Museum.jpg
Classificação científica edit
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cingulata
Família: Chlamyphoridae
Subfamília: Tolypeutinae
Gênero: Cabassous
Espécies:
C. tatouay
Nome binomial
Cabassous tatouay
(Desmarest, 1804)
Greater Naked-tailed Armadillo area.png
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tatu-de-rabo-mole-grande
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tatu-de-rabo-mole-grande

EtimologiaEditar

Seus nomes comuns advêm do tupi-guarani: tatu de tatú;[6] cabaçu de kawa-wasú;[7] cabuçu de kawusú;[8] tatuaíva de tatu-aíwa;[9] e tatuxima de tatu-wa-sýma.[10]

DescriçãoEditar

Maiores do que os tatus-de-rabo-mole-pequenos (Cabassous unicinctus) aos quais estão intimamente aparentados, os adultos maiores medem de 41 a 49 centímetros (16 a 19 polegadas) de comprimento da cabeça e do corpo, com uma cauda de 15 a 20 centímetros (5,9 a 7,9 polegadas) de comprimento. Existem oito ou nove dentes de formato uniforme em cada lado da mandíbula, sem incisivos ou caninos identificáveis. A carapaça inclui uma média de 13 faixas móveis entre os escudos sólidos sobre os ombros e quadris, com cada faixa tendo cerca de 30 escudos individuais. Há também um escudo em escala na superfície superior da cabeça, com escamas muito menores nas orelhas e nas bochechas abaixo dos olhos. A cauda apresenta apenas pequenas escamas isoladas.[11]

Distribuição e habitatEditar

Os tatus-de-rabo-mole-grandes são encontrados no sul do Brasil, leste do Paraguai e Uruguai e extremo nordeste da Argentina.[5] Habita florestas de várzea e submontanas, e também áreas relativamente abertas como o Cerrado e o Pantanal. Não há subespécies reconhecidas.[11]

ComportamentoEditar

Os tatus-de-cauda-nua se alimentam de formigas e cupins e dormem em tocas, geralmente cavadas em cupinzeiros. As tocas têm normalmente cerca de 20 a 25 centímetros (7,9 a 9,8 polegadas) de largura e são posicionadas de forma que suas entradas fiquem longe dos ventos predominantes.[12]

Referências

  1. Gonzalez, E.; Abba, A.M. (2014). «Cabassous tatouay». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2014: e.T3414A47437737. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T3414A47437737.en . Consultado em 19 de novembro de 2021 
  2. Anacleto, Teresa Cristina da Silveira; Charello, Adriano Garcia; Silva, Kena Ferrari Moreira da; Mourão, Guilherme de Miranda; Vaz, Sérgio Maia. «Mamíferos - Cabassous tatouay - tatu de rabo mole grande - Avaliação do Risco de Extinção de Cabassous TATOUAY DESMAREST, 1804 no Brasil». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) 
  3. Gardner, A. L. (2005). «Cabassous tatouay». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference 3.ª ed. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  4. «Tatu-de-rabo-mole». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  5. a b Gonzalez, E.; Abba, A. M. (2014). «Greater Naked-tailed Armadillo - Cabassous tatouay». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T3414A47437737. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T3414A47437737.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  6. «Tatu». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  7. «Cabaçu». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  8. «Cabuçu». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  9. «Tatuaíva». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  10. «Tatuxima». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  11. a b Hayssen, V. (setembro de 2014). «Cabassous tatouay (Cingulata: Dasypodidae)». Mammalian Species. 46 (909): 28–32. doi:10.1644/909 
  12. Carter, T.S.; Encarnaçao, C.D. (janeiro de 1983). «Characteristics and use of burrows by four species of armadillos in Brazil». Journal of Mammalogy. 64 (1): 103–108. doi:10.2307/1380755