Caetano de Brito e Figueiredo

Caetano de Brito e Figueiredo (1671 — 1732) foi um jurista e poeta português, que serviu também como governador interino do Brasil Colonial.

Caetano de Brito e Figueiredo
Pseudônimo(s) Nubiloso
Nascimento 1671
Lisboa
Morte 1732 (61 anos)
Alma mater Universidade de Coimbra
Ocupação juiz de fora, desembargador, escritor
Gênero literário Arcadismo

Era licenciado em direito pela Faculdade de Leis e pela Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra, serviu como juiz de fora de Óbidos e de Silves, como ouvidor de Faro. Veio ao Brasil para ser desembargador da Relação da Bahia. Neste período, com a morte do governador D. Sancho de Faro e Sousa, em 1719, exerceu também o governo civil junto ao arcebispo de São Salvador da Bahia, D. Sebastião Monteiro da Vide e João de Araújo e Azevedo.[1][2]

De volta à Corte, foi vereador da Câmara de Lisboa e nomeado cavaleiro da Ordem de Cristo.

É um dos membros fundadores da Academia Brasílica dos Esquecidos, com o epíteto de Nubiloso.

ObraEditar

  • Diário Panegírico (1718)

Referências

BibliografiaEditar

  • Coutinho, Afrânio; SOUSA, J. Galante de (José Galante de). (2001). Enciclopédia de literatura brasileira. 2. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras. ISBN 8526007238 
Precedido por
Sancho de Faro e Sousa
Membro da junta governativa do Brasil
1719 - 1720
Sucedido por
Vasco Fernandes César de Meneses