Caio Caristânio Frontão

político

Caio Caristânio Frontão (em latim: Gaius Caristanius Fronto) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto para o nundínio de maio a junho de 90 com Quinto Aceu Rufo.[1] Frontão provavelmente era da quarta geração de uma família de colonos assentados por Augusto na recém-fundada Antioquia na Pisídia.

Caio Caristânio Frontão
Cônsul do Império Romano
Consulado 90

CarreiraEditar

Depois de assumir uma série de posições equestres, foi admitido no Senado (adlectio) já no reinado de Vespasiano. Entre 74 e 75 (ou 75 e 76), foi legado imperial na província da Bitínia e Ponto. Entre 76 e 79, comandou a IX Legião Hispânica, baseada na Britânia. Nos primeiros anos do reinado de Domiciano, entre 81/82 e 83/84, foi governador da Lícia e Panfília, onde recebeu diversas condecorações. Finalmente chegou ao consulado em 90.

Sua esposa, Calpúrnia Paula, era filha de Calpúrnio Longo. Seus filhos, Caio Caristânio Frontão e Caio Caristânio Paulino, tiveram carreiras senatoriais quase desconhecidas.

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
'Tito Aurélio Fulvo

com Marco Asínio Atratino
com Públio Salústio Bleso (suf.)
com Marco Peduceu Seniano (suf.)
com Aulo Vicírio Próculo (suf.)
com Mânio Labério Máximo (suf.)

Domiciano XV
90

com Marco Coceio Nerva II
com Lúcio Cornélio Púsio Ânio Messala (suf.)
com Lúcio Antíscio Rústico (suf.)
com Sérvio Júlio Serviano (suf.)
com Quinto Aceu Rufo (suf.)
com Caio Caristânio Frontão (suf.)
com Públio Bébio Itálico (suf.)
com Caio Aquílio Próculo (suf.)
com Lúcio Álbio Pulaieno Polião (suf.)
com Cneu Pinário Emílio Cicatricula Pompeu Longino (suf.)
com Marco Túlio Cerial (suf.)
com Cneu Pompeu Catulino (suf.)

Sucedido por:
'Mânio Acílio Glabrião

com Marco Úlpio Trajano I
com Cneu Minício Faustino (suf.)
com Públio Valério Marino (suf.)
com Quinto Valério Vegeto (suf.)
com Públio Metílio Nepos (suf.)


Referências

  1. König 1997, p. 475.

BibliografiaEditar

  • König, Ingemar (1997). Der Römische Staat. II. Estugarda: Reclam, Philipp 
  • Der Neue Pauly, Estugarda 1999, T. 2, c. 987