Caio Vetúrio Crasso Cicurino

Caio Vetúrio Crasso Cicurino (em latim: Caius Veturius Crassus Cicurinus) foi um político da gente Vetúria nos primeiros anos da República Romana eleito tribuno consular por duas vezes, em 377 e 369 a.C. Era neto de Espúrio Vetúrio Crasso Cicurino, tribuno consular em 417 a.C., e irmão de Lúcio Vetúrio Crasso Cicurino, tribuno consular em 368 e 367 a.C..

Caio Vetúrio Crasso Cicurino
Tribuno consular da República Romana
Tribunato 377 a.C.
369 a.C.

Tribunato consular (377 a.C.)Editar

Em 377 a.C., foi eleito tribuno consular com Lúcio Emílio Mamercino, Lúcio Quíncio Cincinato Capitolino, Públio Valério Potito Publícola, Sérvio Sulpício Pretextato e Caio Quíncio Cincinato.[1]

Durante seu mandato, Roma teve que enfrentar somente a ameaça dos volscos, desta vez aliados aos latinos. Organizado o alistamento, o exército foi dividido em três partes: uma para defender a cidade, uma para a defesa do território romano e a maior parte foi enviada para combater o inimigo, sob as ordens de Lúcio Emílio e Públio Valério.

A batalha foi travada perto de Satricum e os romanos levaram a melhor, apesar da forte resistência dos latinos, que haviam copiado as técnicas militares romanas. Enquanto os volscos se retiraram para Âncio (sua capital), a partir de onde trataram sua rendição, entregando a cidade e seu território aos romanos,[1] os latinos atearam fogo a Satricum e atacaram Túsculo, segundo eles uma cidade "duplamente culpada", pois era a única latina que havia obtido a cidadania romana.

Enquanto os latinos ocupavam a cidade, os tuscolanos se retiraram para a cidadela e enviaram um pedido de ajuda urgente aos romanos, que enviaram reforços sob as ordens de Lúcio Quíncio e Sérvio Sulpício, que conseguiram expulsar os latinos e libertar a cidade.[2]

Segundo tribunato consular (369 a.C.)Editar

Em 369 a.C., foi eleito tribuno pela última vez, com Aulo Cornélio Cosso, Quinto Quíncio Cincinato, Marco Cornélio Maluginense, Marco Fábio Ambusto e Quinto Servílio Fidenato.[3]

Os romanos tentaram mais uma vez cercar Velécia, mas, como no ano anterior, os adversários conseguiram resistir.

Enquanto isto, na capital, os tribunos da plebe Caio Licínio Calvo Estolão e Lúcio Sêxtio Laterano continuavam a levar adianta suas propostas de lei favoráveis à plebe e os patrícios começavam a perder o controle dos demais tribunos, que vinham conseguindo bloquear a iniciativa de Licínio e Sêstio.[4]

E ninguém podia se sentir satisfeito com o fato de os plebeus serem aceitos em eleições consulares: nenhum deles poderia conseguir a nomeação até que se estabelecesse em lei que um dos dois cônsules pudesse ser plebeu.
 
Lívio, Ab Urbe Condita VI, 4, 37[5].

Ver tambémEditar

Tribuno consular da República Romana
 
Precedido por:
'Quinto Servílio Fidenato II

com Licínio Menênio Lanato III
com Marco Horácio Púlvilo
com Públio Clélio Sículo
com Espúrio Fúrio Medulino
com Lúcio Gegânio Macerino

Caio Vetúrio Crasso Cicurino
377 a.C.

com Lúcio Emílio Mamercino
com Públio Valério Potito Publícola
com Sérvio Sulpício Pretextato
com Caio Quíncio Cincinato
com Lúcio Quíncio Cincinato Capitolino II (III?)

Sucedido por:
'Lúcio Papírio Crasso II

com Sérvio Cornélio Maluginense V
com Licínio Menênio Lanato IV,
com Sérvio Sulpício Pretextato II

Precedido por:
'Aulo Mânlio Capitolino IV

com Sérvio Sulpício Pretextato III
com Caio Valério Potito
com Lúcio Fúrio Medulino Fuso II
com Sérvio Cornélio Maluginense V (VI?)
com Públio Valério Potito Publícola V

Quinto Servílio Fidenato III
369 a.C.

com Aulo Cornélio Cosso
com Quinto Quíncio Cincinato
com Marco Cornélio Maluginense
com Marco Fábio Ambusto
com Caio Vetúrio Crasso Cicurino II

Sucedido por:
'Sérvio Cornélio Maluginense VII

com Espúrio Servílio Estruto
com Lúcio Papírio Crasso
com Sérvio Sulpício Pretextato IV
com Tito Quíncio Cincinato Capitolino
com Lúcio Vetúrio Crasso Cicurino


Referências

  1. a b Lívio, Ab Urbe Condita VI, 3, 32.
  2. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 3, 33.
  3. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 4, 36.
  4. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 4, 36-37.
  5. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 4, 37

BibliografiaEditar

  • T. Robert S., Broughton (1951). «XV». The Magistrates of the Roman Republic. Volume I, 509 B.C. - 100 B.C. (em inglês). I. Nova Iorque: The American Philological Association. 578 páginas