Calvin Bridges

Calvin Blackman Bridges (11 de Janeiro de 1889 - 27 de Dezembro de 1938) foi um cientista dos Estados Unidos da América, conhecidos pelas suas contribuições no campo da Genética, Juntamente com Alfred Sturtevant e Hermann Joseph Muller, Bridges trabalhou na famosa Sala das Moscas de Thomas Hunt Morgan, na Universidade de Columbia.

Calvin Bridges
Nascimento 11 de janeiro de 1889
Schuyler Falls
Morte 27 de dezembro de 1938 (49 anos)
Los Angeles
Cidadania Estados Unidos
Alma mater
Ocupação geneticista, zoólogo, cientista
Empregador Universidade Columbia
Religião ateísmo

Bridges escreveu a sua tese de doutoramento sobre a "não-disjunção como prova da teoria da hereditariedade cromossómica". Apareceu como o primeiro artigo da primeira edição da publicação científica Genetics, em 1916.

O seu trabalho com traços ligados ao sexo, na mosca-da-fruta Drosophila melanogaster, sugeriam que os cromossomas continham genes. Mais tarde, Nettie Maria Stephens conseguiu provar essa hipótese, através da análise de cromossomas da mosca-da-fruta. Bridges escreveu dois artigos apresentando a prova.

A contribuição mais conhecida de Bridges, entre os pesquisadores de Drosophila, foi a observação e documentação dos cromossomas politénicos das glandulas salivares de larvas da mosca. Os padrões de bandeamento desses cromossomas são ainda hoje utilizados como marcadores genéticos.

Leitura adicionalEditar

  • A. H. Sturtevant, A History of Genetics, (Cold Spring Harbor Laboratory Press,2001). ISBN 0-87969-607-9
  • E.A. Carlson, Mendel's Legacy: The Origin of Classical Genetics, (Cold Spring Harbor Laboratory Press, 2004). ISBN 0-87969-675-3
  • E.A. Carlson, The Gene: A Critical History, (Iowa State Press, 1989). ISBN 0-8138-1406-5