Abrir menu principal

Wikipédia β

Carlos Manitto Torres

Carlos Manitto Ferreira Torres ComC (Setúbal, 1 de Outubro de 1883 - Setúbal, Agosto de 1961), mais conhecido como Carlos Manitto Torres, foi um jornalista, engenheiro, professor, escritor, ferroviário, político e militar português.

Carlos Manitto Torres
Nome completo Carlos Manitto Ferreira Torres
Conhecido(a) por Promover o turismo em Setúbal, estudar o transporte ferroviário em Portugal, organizar o I Congresso Nacional de Turismo
Nascimento 1 de outubro de 1883
Setúbal
Morte agosto de 1961 (77 anos)
Setúbal
Nacionalidade  Portugal
Cônjuge Berta Manitto Torres
Ocupação Jornalista, engenheiro, professor, escritor, ferroviário, político e militar
Prémios Comenda da Ordem Militar de Cristo
Empregador Caminhos de Ferro do Estado
Serviço militar
Patente Engenheiro, oficial subalterno

Índice

BiografiaEditar

Nascimento e formaçãoEditar

Nasceu na cidade de Setúbal, em 1 de Outubro de 1883.[1]

Foi diplomado na Escola do Exército no curso de Engenharia civil e de minas, onde obteve vários prémios.[1]

Carreira profissional e militarEditar

Em 29 de Setembro de 1909, iniciou a sua carreira, como engenheiro praticante, na divisão do Movimento de Sul e Sueste da companhia dos Caminhos de Ferro do Estado; em 4 de Janeiro de 1911, é promovido ao posto de engenheiro sub-chefe do mesmo departamento, e, em 31 de Julho de 1912, foi transferido para o Norte de Portugal, para assumir a função de chefe do Movimento do Minho e Douro.[1] Só permanece, no entanto, neste posto até 14 de Agosto do mesmo ano, data em que regressa, por seu pedido, para a divisão de Sul e Sueste; em 4 de Janeiro de 1913, encontrava-se a exercer a posição de vogal-secretário da comissão remodeladora dos Quadros e Regulamentos dos Caminhos de Ferro do Estado, e, em 25 de Maio de 1916, torna-se, enquanto engenheiro da exploração e oficial subalterno do Batalhão de Sapadores dos Caminhos de Ferro, vogal-secretário da Comissão Técnica do Serviço Militar de Caminho de Ferro.[1]

Após assumir outros postos, incluindo o de engenheiro vogal-secretário do Conselho Fiscal dos Caminhos de Ferro do Estado, torna-se, em 3 de Junho de 1947, presidente da Comissão Administrativa do Fundo de Assistência e dos Sanatórios dos Caminhos de Ferro do Estado.[1] Segundo o próprio, aceitou aquela posição devido à morte, por Tuberculose, de um filho seu, ainda muito novo.[2]

Em 1949, foi vogal-secretário da comissão organizadora da reunião, em Lisboa, da Comissão Permanente da Associação Internacional do Congresso do Caminho de Ferro, tendo sido o principal promotor, assessor e organizador desta iniciativa.[1] Em 25 de Fevereiro de 1950, assume o posto de vogal-secretário da Comissão Administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro.[1] Em 1953, foi aprovado o seu pedido de reforma voluntária[3], e, no ano seguinte, abandonou o cargo de presidente da Comissão Administrativa do Fundo de Assistência e dos Sanatórios dos Caminhos de Ferro do Estado.[2]

Também exerceu como chefe de exploração do Sul e Sueste.[2]

Foi, igualmente, professor, e participou em vários congressos nacionais e internacionais, nos quais representou o governo Português e a Companhia do Caminho de Ferro de Benguela, como o IX Congresso Internacional de Caminhos de Ferro em Roma, em 1922, razão pela qual a 27 de Novembro de 1930 foi homenageado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Cristo.[1][4] Publicou vários artigos na Gazeta dos Caminhos de Ferro, e escreveu vários livros sobre o transporte ferroviário, sendo a sua obra mais importante o livro Caminhos de Ferro, editado pela Empresa Nacional de Publicidade.[1] Também exerceu, em Setúbal, as posições de Governador Civil e presidente da Comissão Municipal de Iniciativa e Turismo, tendo-se notabilizado pelo apoio que deu às actividades turísticas naquele concelho.[1] Defensor desta vertente económica, auxiliou na organização do primeiro Congresso Nacional de Turismo, em 1936, onde expôs a sua tese Organização do Turismo em Portugal.[1]

Em 1951, apresentou várias teses no Congresso da União Nacional, em Coimbra, tendo uma delas se debruçado sobre os problemas turísticos, culturais e económicos das regiões de Setúbal, Almada e Barreiro.[5]

FalecimentoEditar

Faleceu em Agosto de 1961, na cidade de Setúbal.[6]

HomenagensEditar

Em 11 de Novembro de 1952, realizou-se uma sessão de homenagem no Sanatório de Paredes de Coura, organizada pelos Sindicatos Nacionais dos Ferroviários do País, em consagração da obra de Carlos Manitto Torres na Comissão Administrativa do Fundo de Assistência e dos Sanatórios dos Caminhos de Ferro do Estado; foram-lhe entregues dois ramos de flores, por parte dos pacientes e do pessoal do Sanatório, e foram descerradas, pela sua esposa, Berta Manitto Torres, uma fotografia sua, e uma placa comemorativa daquela sessão.[7]

Em 30 de Junho de 1957, uma fotografia sua foi inaugurada na Casa dos Ferroviários do Barreiro, por iniciativa do Sindicato dos Ferroviários do Sul e da União dos dos Sindicatos dos Ferroviários.[2] Em 8 de Julho do ano seguinte, recebeu na sua habitação, em Lisboa, os representantes de sete sindicatos e da União, que o homenagearam.[2] No jantar subsequente, o presidente da União, Joaquim Lourenço de Moura, entregou-lhe uma mensagem com centenas de assinaturas, aonde se exprimia a gratidão pelo interesse que sempre nutriu pelos seus funcionários; recebeu, igualmente, um objecto artístico niquelado, em forma de carril.[2]

Prémio Engenheiro Manitto TorresEditar

Após a sua morte, foi criado, pela direcção do Instituto dos Ferroviários do Sul e Sueste, o Prémio Eng.º Manitto Torres, destinado a condecorar os alunos daquela organização, que apresentassem as melhores classificações; este prémio foi entregue, pela primeira vez, em 1963.[8]

ObrasEditar

  • O Caminho de Ferro em Portugal: Apontamento Cronologico Relativo ao Periodo de 1845 a 1930. Lisboa: Tipografia da Gazeta dos Caminhos de Ferro (imp.). 1931 
  • «Organização do turismo em Portugal» in I Congresso Nacional de Turismo. I Secção, Teses. Lisboa: I Congresso Nacional de Turismo, 1936.
  • O Plano de Urbanização de Setúbal : Estudo Analítico. Lisboa: O Jornal do Comércio e das Colónias. 1945 
  • «Estrutura Profissional do Engenheiro Português» in Segundo Congresso Nacional de Engenharia, Porto, 1948: Teses e Comunicações. Porto: O Congresso, 1948.
  • O Futuro de Setúbal e os Pontos Cardeais da sua Prosperidade. Setúbal: Tipografia Simões (imp.). 1950 
  • O Caminho de Ferro Instrumento Económico Nacional e Humano: Síntese Evolutiva Publicada em Comemoração do Jubileu Ferroviário Português. Lisboa: Pereira. 1956 

Referências

  1. a b c d e f g h i j k «Os nossos mortos: Eng. Carlos Manitto Torres» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 74 (1770). 265 páginas. 16 de Setembro de 1961. Consultado em 9 de Fevereiro de 2014 
  2. a b c d e f «Eng.º Carlos Manitto Torres». Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1694). 16 de Julho de 1958. pp. 333, 334 
  3. «Engenheiro Carlos Manitto Ferreira Torres» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 66 (1581). 300 páginas. 1 de Novembro de 1953. Consultado em 9 de Fevereiro de 2014 
  4. http://www.ordens.presidencia.pt/
  5. «Panorama: Engenheiro Manitto Torres» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1565). 500 páginas. 1 de Março de 1953. Consultado em 9 de Fevereiro de 2014 
  6. «Os nossos mortos: Eng. Carlos Manitto Torres» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 74 (1769). 250 páginas. 1 de Setembro de 1961. Consultado em 9 de Fevereiro de 2014 
  7. «Homenagem ao Eng.º Manitto Torres». Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1558). 16 de Novembro de 1952. 338 páginas 
  8. «Instituto dos Ferroviários do Sul e Sueste: Entrega do Prémio Eng.º Manitto Torres». Gazeta dos Caminhos de Ferro. 76 (1821). 306 páginas. 1 de Novembro de 1963 
  Este artigo sobre engenheiro(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.