Abrir menu principal

Casa do Regente Feijó

Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.
Casa do Regente Feijó ou Casa do Sítio do Capão
Estilo dominante Casa Bandeirista
Construção 1698
Classificação nacional CONDEPHAAT
Data 1987
Estado de conservação SP
Geografia
Cidade São Paulo

A Casa do Regente Feijó ou Casa do Sítio do Capão, entre os distritos da Água Rasa e Vila Formosa, em São Paulo, construída em taipa de pilão é uma das casas bandeiristas remanescentes na cidade. Foi tombada pelo CONDEPHAAT e CONPRESP.

O primeiro registro da casa data de 1698, no entanto o imóvel, que possuiu cerca de 10 diferentes proprietários, tem seu nome associado ao Regente Feijó, que a habitou durante 14 anos, a partir de 1827.[1]

A planta da casa bandeirista foi alterada algumas vezes, sendo a primeira no decorrer do século XIX, quando lhe foi acrescida mais um andar, transformando-a em um sobrado tipo chalé. Nesta reforma o alpendre frontal foi fechado.

O sítio foi vendido em 1911 à Associação Feminina Beneficente e Instrutiva - Lar Anália Franco. A partir de então passou a funcionar como uma instituição dedicada aos menores abandonados. Anália Franco, para tanto, reformou as edificações existentes, executando diversas intervenções na casa e nos anexos, com acréscimos em alvenaria de tijolos e não mais no sistema de taipa original.

Referências

Ligações externasEditar

  • Prefeitura SP Casa do Regente Feijó, remanescente da arquitetura bandeirista.
  • Estadão.com Crescimento do Anália Franco esconde casa do Regente Feijó.

Ver tambémEditar