Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Chaimite, veja Chaimite (desambiguação).
Viaturas Chaimite V-600 (versão porta-morteiro), pertencentes à Escola Prática de Cavalaria, no desfile militar do 25 de Abril de 2004 em Lisboa (Pedro Monteiro).
Viatura Chaimite V-200 do Exército Português e Helicóptero OH-58 Kiowa do Exército dos EUA em manobras militares na Bósnia.

O VBTP Chaimite foi uma viatura blindada ligeira de transporte de tropas com tracção 4x4, desenvolvida e fabricada em Portugal. Esta foi a primeira viatura blindada produzida em série no país[1] e foi posteriormente vendida ao Peru, Filipinas, Líbia e Líbano.

Índice

HistóriaEditar

O projecto começou a ser desenvolvido no final da década de 1960 pela Bravia - Sociedade Luso-Brasileira de Veículos e Equipamentos, SARL para as Forças Armadas Portuguesas[1]. As Forças Armadas Portuguesas encontravam-se então envolvidas na Guerra do Ultramar que necessitavam de mais blindados para levar a cabo missões de escolta, reconhecimento e apoio - de facto, em 1964, o número de blindados em África não ia além dos 57 veículos e os que existiam eram inadequados ou obsoletos[1].

Em 1965, Portugal tenta adquirir 50 blindados Commando V-100 mas os Estados Unidos insistem que as mesmos não podem ser usados em África[1]. Contudo, a empresa Bravia consegue, em 1967, trazer para Portugal uma equipa de técnicos que tinham trabalhado na Cadillac Gage e inclusive uma viatura Commando V-100 para assim criar a Chaimite[1]. O Exército aprova, em 1967, a aquisição do primeiro lote de 28 blindados Chaimite seguido, em 1968, de um lote de mais 56[1].

Como a Bravia não possuía uma unidade fabril, recorria à subcontratação: os primeiros cascos das Chaimite foram feitos na Sorefame da Amadora e a montagem final era feita nas OGME - Oficinas Gerais de Material de Engenharia de Belém, um estabelecimento fabril do Exército português. Posteriormente, a produção passou para a nova fábrica da Bravia, em Samora Correia, na região de Porto Alto.

As primeiras unidades foram entregues já em 1970, e um primeiro lote é enviado para a Guiné-Bissau, em janeiro de 1971[2].

Quando da eclosão da Revolução dos Cravos (25 de abril de 1974), estes blindados assumiram posição no largo do Carmo, em Lisboa.[3]

Características básicasEditar

  • Motor: Diesel, 6 cilindros em V; 155 CV a 3300 rpm
  • Velocidade máxima: 99 km/h
  • Autonomia: 800 km
  • Comprimento: 5,6 m
  • Largura: 2,26 m
  • Altura: 2,39 m
  • Peso: Dependente da versão

UtilizaçãoEditar

Exército PortuguêsEditar

O principal utilizador do Chaimite, foi o Exército Português que o começou a empregar na Escola Prática de Cavalaria e nas unidades de reconhecimento em operações na Guiné, Angola e Moçambique[1]. A sua utilização pela Escola Prática de Cavalaria ficou famosa, sobretudo pela sua participação nas operações do 25 de abril de 1974. Nesta revolução, foi num veículo Chaimite que o Presidente do Conselho Marcello Caetano foi transportado do Quartel do Carmo para o avião que o levaria ao exílio.

A seguir à revolução, o Chaimite equipou unidades politicamente antagónicas no PREC. Em pleno Verão Quente, em Julho de 1975, o Regimento de Comandos da Amadora soma 42 blindados enquanto, do lado da extrema-esquerda, o Regimento de Polícia Militar e o Regimento de Artilharia de Lisboa (RALIS) somam sete blindados cada[1]. Posteriormente o Chaimite passou a equipar apenas as unidades de cavalaria vocacionadas para o reconhecimento. A partir de 1985, o Exército renova 82 viaturas, usando componentes desenvolvidos pela Cadillac Gage para o programa LAV, incluindo um novo motor a gasóleo Cummins V6 de 155 cavalos[1].

Nos anos 90, o Chaimite serviu também para equipar as forças portuguesas destacadas para a Bósnia e para o Kosovo, tendo ainda cumprido uma missão na Lituânia[1] O modelo conta hoje com quase quatro décadas de serviço operacional, tendo sido, em parte, subtituído pelos novos blindados Pandur II[1].

Marinha PortuguesaEditar

Outro utilizador do Chaimite em Portugal, foi o Corpo de Fuzileiros da Marinha Portuguesa. Este corpo utilizou quatro viaturas Chaimite durante a década de 1970 e a década de 1980[1]. Os fuzileiros dispunham mesmo de uma versão especial própria, denominada Armada 90, equipada com um lança-foguetes de 88,9 mm (cf., Motor Clássico nº 23).

Outros utilizadoresEditar

Além de Portugal, o Chaimite é, ou foi, utilizado pelo Peru (fuzileiros navais), Líbia (guarda presidencial), Líbano, Filipinas e, segundo algumas fontes, Palestina. Segundo o autor Pedro Manuel Monteiro, a Bravia "exportou os primeiros veículos militares nacionais, sendo bem-sucedida em mercados distantes e nada óbvios"[1]. A lista de países que consideraram a compra da Chaimite é longa e inclui, por exemplo, a África do Sul, Arábia Saudita, Brasil, Chipre, Congo, Equador, Gana, Grécia, Espanha, Irão, Iraque, Myanmar, Nigéria, Paquistão, Tailândia e Venezuela[1]. No caso da Malásia, chegou a ser testada, no país, a versão V-400 armada com uma peça de 90mm[1].

Projecto e VersõesEditar

O Chaimite foi desenvolvido como uma família base, com várias versões. Foram desenvolvidas desde a versão simples de transporte até à versão antiaérea. Das versões projectadas, a maioria não saíu do protótipo. Posteriormente, a Bravia projectou os Chaimites Mk II e Mk III, versões respectivamente de seis e oito rodas que nunca foram produzidas.

Versão Função Observações
V-200 transporte de pessoal Versão básica de transporte de tropas. Uma subvariante, em serviço nos fuzileiros portugueses era o Armada 60, com um lança-foguetes múltiplo de 60 mm.
V-300 apoio de fogo ligeiro Versão capaz de suportar torres armadas com calibres reduzidos, incluindo armas antiaéreas. A Bravia desenvolveu para esta versão, uma torre com um canhão de 20 mm e uma metralhadora de 7,62 mm.
V-400 apoio de fogo pesado Versão capaz de suportar torres armadas com armas de calibre elevado, nomeadamente de 90 mm. Para esta versão foi experimentada com sucesso a torre do blindado francês hispano-suiza Lynx 90.
V-500 comando e comunicações
V-600 porta-morteiro Versão equipada com um morteiro de 81 mm ou um de 120 mm.
V-700 lança-mísseis anticarro Versão equipada com um lançador duplo de mísseis anticarro SS-10 Swingfire operada pelo Exército Português na década de 80. Alternativamente podia ser equipada com um lançador HOT.
V-800 ambulância
V-900 recuperação Versão de socorro a veículos acidentados.
V-1000 antimotim Versão destinada às forças de segurança, dotada de um canhão de água e prancha antibarricada.

Referências adicionaisEditar

Alguns artigos que abordam (parcialmente ou na sua totalidade) a produção e/ou operação da Chaimite:

Monteiro, Pedro Manuel (2018). Os Berliet,Chaimite e UMM: Grandes Veículos Militares Nacionais In Contra a Corrente - [1]
Monteiro, P. (n.d.). Blindados de Portugal. In Tecnologia & Defesa nº94
Monteiro, P. (2005). Blindado Chaimite 4x4 In UFJF Defesa - [2]
Monteiro, P. (2005). Nuevos blindados portugueses. In Fuerzas Militares del Mundo nº30
Monteiro, P. (2008, Dezembro). Chaimite (I): O nascimento de um blindado português. In Motor Clássico nº 22
Monteiro, P. (2009, Janeiro). Chaimite (II): Entre a guerra e a paz. In Motor Clássico nº 23
Paulo, J. M. (2006). Elefante Dundum: Missão, testemunho e reconhecimento. Lisboa: edição de Autor.
Machado, Miguel Silva (2009). Chaimite V-200 Parte I. In http://www.operacional.pt/chaimite-v-200-parte-i/
Machado, Miguel Silva (2009). Chaimite V-200 Parte II. In http://www.operacional.pt/chaimite-v-200-parte-ii-conclusao/
Machado, Miguel Silva (2009, Janeiro). Chaimite, o primeiro blindado português. In Jornal do Exército, nº580
Machado, Miguel Silva (2008, Novembro). Páras despedem-se das Chaimites. In Segurança & Defesa (Brasil), n.º 92
Machado, Miguel Silva (2007, Setembro). Páras despedem-se das Chaimites no Kosovo. In Revista Páras, n.º 2
Machado, Miguel Silva (2007, Julho). Kosovo, a última missão da Chaimite. In Jornal do Exército, nº 564 e http://www.operacional.pt/kosovo-a-ultima-missao-da-chaimite/
Machado, Miguel Silva (1996,Julho). Tensão sobre a IEBL. In Jornal do Exército, nº 436 e http://www.operacional.pt/tensao-sobre-a-iebl/
Machado, Miguel Silva (1996, Janeiro/Março)Rumo à Bósnia. In Revista Boina Verde nº 176
Machado, Miguel Silva (1996, Abril/Junho) Sarajevo-Gorazde. In Revista Boina Verde nº 177
Brito, Villa de; Machado, Miguel Silva (2007, Julho). Bósnia 96 ISBN 972-97408-0-1
Costa, Luís (1992, Novembro). Viatura blindada de transporte de pessoal Chaimite V200 7,3 Ton 4x4 m/1967 (Parte I). In Jornal do Exército nº 395
Costa, Luís (1992, Dezembro). Viatura blindada de transporte de pessoal Chaimite V200 7,3 Ton 4x4 m/1967 (Parte II). In Jornal do Exército nº 396
Costa, Luís (1993, Janeiro). Viatura blindada de transporte de pessoal Chaimite V200 7,3 Ton 4x4 m/1967 (Parte III). In Jornal do Exército nº 397
Costa, Luís (1993, Fevereiro). Viatura blindada de transporte de pessoal Chaimite V200 7,3 Ton 4x4 m/1967 (Parte III). In Jornal do Exército nº 398
Machado, Miguel Silva (2009, Julho/Agosto) Quando a Força Aérea quis comprar ...Chaimites!. In n.º 380 da Revista "Mais Alto" da Força Aérea Portuguesa
Machado, Miguel Silva (04,Novembro). Chaimite, o começo esteve para ser... na Força Aérea. In Operacional http://www.operacional.pt/chaimite-o-comeco-esteve-para-ser-na-forca-aerea/

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o Monteiro, Pedro Manuel (2018). Berliet, Chaimite e UMM: Os Grandes Veículos Militares Nacionais. Lisboa: Contra a Corrente. pp. 26 a 55 
  2. Mendes Paulo, João Luiz (2006). Elefante Dundum: Missão, Testemunho e Reconhecimento. Lisboa: Edição de Autor 
  3. Luís Almeida d'Eça. "E depois do adeus". Agenda Cultural Lisboa, abril 2011, nº 245. Câmara Municipal de Lisboa. p. 9.

Equipamento do Exército Português

  Este artigo sobre Veículos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.