Chase Aircraft Company

A Chase Aircraft Company, fundada em 1943, foi um fabricante de aviões dos Estados Unidos, construindo inicialmente planadores de assalto e aeronaves de transporte militar. Faltando espaço para uma expansão, a companhia foi comprada por Henry J. Kaiser em 1951. Os planos para produzir o C-123 para a Força Aérea dos Estados Unidos entrou em colapso em meio a um escândalo e a companhia foi encerrada em 1953. Sua sucessora, a Stroukoff Aircraft, continou o trabalho experimental por vários anos antes de encerrar suas operações em 1959.

Chase Aircraft Company
Atividade Aeronáutica
Fundação 1943
Fundador(es) Michael Stroukoff
Destino Adquirido por Kaiser-Frazer
Sede Trenton (Nova Jérsei)
 Estados Unidos
Produtos YC-122, C-123
Sucessora(s) Stroukoff Aircraft

Primeiros produtosEditar

Fundada em Nova Iorque em 1943 por Michael Stroukoff, um imigrante russo, como presidente e engenheiro chefe,[1] a primeira aeronave da Chase foi o planador de assalto XCG-14, produzido para as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos, voando pela primeira vez em Janeiro de 1945.[2] O desenvolvimento de versões melhores e maiores da aeronave continuaram nos dois anos seguintes, com a empresa se mudando para Trenton (Nova Jérsei) em 1946,[3] antes do XCG-14 ser substituído pelo XG-18, uma aeronave ainda maior e mais pesada[4] que foi o primeiro planador de transporte do mundo construído inteiramente de metal.[5]

 
Chase YC-122

No ano de 1949, a Força Aérea dos Estados Unidos determinou que o planador não seria mais uma arma viável no campo de batalha, com o XG-18 sendo modificado e equipado com um par de motores radiais.[5] Redesignado como YC-122 Avitruc, três protótipos e uma aeronave de pré-produção foram construídas e apesar de avaliações favoráveis, a Força Aérea tinha reconsiderado seu requerimento para aeronaves de transporte e decidiu não prosseguir com a produção do modelo.[5] Um YC-122, entretanto, seria posteriormente modificado no Hiller X-18, uma aeronave VTOL experimental.[6]

XG-20 e o primeiro jato de transporteEditar

Enquanto isso, um terceiro, ainda maior planador de assalto havia sido projetado por Stroukoff, o XG-20, o maior planador já construído nos Estados Unidos e também o último planador de combate construído para as Forças Armadas dos Estados Unidos.[7] Na época que o XG-20 estava pronto para ser testado em voo, os planadores foram declarados obsoletos para a guerra, fazendo com que as duas aeronaves fossem modificadas. O primeiro protótipo do XG-20 foi equipado com motores radiais de um modelo maior e mais potente do que o instalado no YC-122, sendo redesignado XC-123.[8]

O segundo protótipo do XG-20, após uma aparição pública no início da década de 1950 na Pope Air Force Base durante um exercício militar,[9] foi modificado de forma ainda mais radical, sendo equipado com dois pilones de bombardeiro contendo motores turbojato J47, voando no início de 1951 como XC-123A, o primeiro avião de transporte a jato dos Estados Unidos.[10]

Kaiser e o escândaloEditar

 
Henry J. Kaiser

Enquanto que o XC-123A provou não ser factível para produção,[4] o XC-123 havia impressionado a Força Aérea, que fez um pedido de cinco aeronaves de pré-produção, desginadas C-123B.[1] O prospecto de grandes pedidos, entretanto, levantou uma preocupação quanto a capacidade da fábrica produzir grandes números de aeronaves.[10] Assim sendo, em 1951, 49 por cento da empresa foi adquirida por Kaiser-Frazer,[10] que recebeu um contrato de 300 C-123B a serem construídos na fábrica de Kaiser, Willow Run em Ann Arbor, Michigan.[10] A Chase se tornou uma engenharia para a empresa de Kaiser, com Stroukoff permanecendo na fábrica como engenheiro chefe.[10]

Entretanto, ainda quando as primeiras oito aeronaves estavam sendo construídas por Kaiser, o Senado dos Estados Unidos estava conduzindo uma série de audiências sobre a companhia, haviam preocupações quanto ao trabalho subcontratado que a Kaiser-Frazer estava fazendo para a Fairchild Aircraft.[11] Kaiser recebeu um contrato anterior como uma segunda fonte para a construção do avião Fairchild C-119, e a aeronave produzida por Kaiser estava ficando muito mais caras do que as produzidas pela Fairchild.[11][N 1]

O resultado das audiências foi o cancelamento dos contratos de Kaiser tanto para o C-119 como para o C-123 em Junho de 1953,[11] apesar da Força Aérea já ter gasto $30 milhões USD na preparação para produção do C-123, com outros $40 milhões tendo sido reservados para a Chase Aircraft diretamente para produção de peças.[12] O contrato do C-123 foi colocado em um novo leilão, com a Fairchild sendo o vencedor;[13] sob o nome da Fairchild, o C-123 foi largamente produzido e extensamente utilizado na Guerra do Vietnã.[14]

DissoluçãoEditar

Kaiser-Frazer, enquanto isto, havia comprado os 51% remanescentes das ações da Chase Aircraft, com a intenção de operar a companhia como uma subsidiária da Willys Motors;[10] a venda foi encerrada em 2 de Setembro de 1953, após o cancelamento dos contratos com a Força Aérea.[15]

Sem o contrato do C-123, a nova aquisição não era considerada um ativo por Kaiser-Frazer, anunciando que a companhia iria encerrar suas operações em 31 de Janeiro de 1954.[16] Stroukoff, entretanto, adquiriu os edifícios e os ativos remanescentes da Chase, iniciando sua própria companhia, a Stroukoff Aircraft, para conduzir versões experimentais futuras do C-123.[10]

ReferênciasEditar

Notas
  1. Os C-119 construídos pela Kaiser-Frazer custavam $1,2 milhões USD para construir, eunquanto que as da linha de produção da Fairchild custavam apenas $260.000.[11]
Citações
  1. a b Gunston 1987, p.146.
  2. Jane 1951, p.214
  3. Institute of the Aeronautical Sciences, 1948. Aeronautical Engineering Review, Volume 7, p.9
  4. a b Mitchell 1992, p.164.
  5. a b c World Aircraft Information Files, Arquivo 891 Página 26. Londres: Bright Star Publishing.
  6. Kuhn 1960, p.259.
  7. Sergievsky et al. 1998, p.128
  8. Andrade 1979, p. 87.
  9. Shrader 1953, p.136.
  10. a b c d e f g Pattillo 2000, pp.165-166.
  11. a b c d Life 6 de Julho de 1953, p.22
  12. AVIATION: The Ax for Willow Run. Time Magazine, 6 de Julho de 1953
  13. Gunston 1977, p. 164.
  14. Adcock 1992, pp.8-21
  15. Ward's automotive yearbook, Volume 16 (1954), p.121.
  16. "Kaiser To Close Chase Plant In New Jersey". American Aviation, Volume 17 (1953), p.15.
Bibliografia