Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Junho de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Negro do Reino do Congo em litografia de Rugendas.

Francisco Rei é um personagem lendário[1] da tradição oral de Minas Gerais, Brasil. Segundo esta tradição, Chico era o rei de uma tribo no reino do Congo, trazido como escravo para o Brasil. Conseguiu comprar sua alforria e de outros conterrâneos com seu trabalho e tornou-se "rei" em Ouro Preto.

A história oralEditar

Chico Rei, teria sido um monarca africano, nascido no Reino do Congo e chamava-se originalmente Galanga.[2] Comerciantes portugueses traficantes de escravos o apresaram. Chegou ao Brasil em 1740,[2] no navio negreiro "Madalena", mas, entre os membros da família, somente ele e seu filho sobreviveram à viagem. A rainha Djalô e a filha, a princesa Itulo, foram jogadas no Oceano pelos marujos do navio para aplacar a ira dos deuses da tempestade, que quase o afundou[1].

Todo o lote de escravos foi comprado pelo major Augusto, proprietário da mina da Encardideira,[2] e foi levado para Vila Rica como escravo, juntamente com seu filho. Trabalhando como escravo, conseguiu comprar sua liberdade e a de seu filho. Adquiriu a mina da Encardideira.[2] Aos poucos, foi comprando a alforria de seus compatriotas. Os escravos libertos consideravam-no "rei".[2]

 
Carlos Julião. Cortejo da Rainha Negra. na Festa de Reis. Aquarela colorida do livro Riscos illuminados de figurinos de brancos e negros dos uzos do Rio de Janeiro e Serro Frio.
 
Congado em litografia de Rugendas

Este grupo associou-se em uma irmandade em honra de Santa Ifigênia, que teria sido a primeira irmandade de negros livres de Vila Rica. Ergueram a Igreja de Nossa Senhora do Rosário[1].

Chico Rei virou monarca em Ouro Preto, antiga Vila Rica, em Minas Gerais, no século XVIII, com a anuência do governador-geral Gomes Freire de Andrada, o conde de Bobadela.[1]

No dia de Nossa Senhora do Rosário, ocorriam as solenidades da irmandade, denominadas Reinado de Nossa Senhora do Rosário.[3] Durante estas solenidades, Chico, coroado como rei, aparece com a rainha e a corte, em ricas indumentárias, seguido por músicos e dançarinos, ao som de caxambus, pandeiros, marimbas e ganzás. Este cortejo antecedia a missa[4]. Diversos grupos de congado evocam Chico Rei como origem do congado, embora estudiosos contestem esta visão[5].

Registros históricosEditar

A história de Chico Rei não possui registros fidedignos[1]. Ela aparece, sem qualquer comprovação documental, em uma nota de rodapé escrita por Diogo de Vasconcelos, em seu livro "História Antiga de Minas", de 1904. Em 1966, o romancista Agripa de Vasconcelos, tendo como fonte a nota de Diogo de Vasconcelos, escreveu o romance "Chico Rei". Dois anos antes, em 1964, o GRES Acadêmicos do Salgueiro disputou o Carnaval carioca com enredo sobre a lenda de Chico Rei do carnavalesco Joãosinho Trinta. O samba-enredo, de autoria de Djalma Sabiá, Geraldo Babão e Binha, é até hoje considerado um dos mais belos já feitos. No desfile, porém, o Salgueiro foi apenas o 2º colocado.

Todas as demais matérias sobre Chico Rei são posteriores a 1904. Não existe qualquer outra fonte sobre o tema, o que comprova que não se trata de história e não se trata de lenda, pois se trata de um personagem ficcional. Em 2008, Stefano Gatto publicou uma coleção de histórias curtas em espanhol sobre o Brasil, cujo primeiro conto, que dá o título ao trabalho ("Chico Rey y otras historias brasileñas" ver ligações externas), dedica-se ao Chico Rei. Esta obra é de ficção e não tem nenhuma finalidade histórica.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  • a b c d e Silva, R.A. Chico Rei Congo do Brasil, em Memória Afro-brasileira. Imaginário, cotidiano e poder, Selo Negro Edições, 2007ISBN 978-85-8747-828-3
  • a b c d e Servidor Geológico do Brasil, Excursão Virtual pela Estrada Real no Quadrilátero Ferrífero, Mina Chico Rei [em linha]
  • O Reinado não deve ser confundido com o reisado, festa dos Reis Magos (6 de janeiro). A nota de rodapé do Diogo de Vasconcelos fala apenas "No dia 6 de janeiro" e, mais à frente da mesma nota, acresce que "Era o Reinado do Rosário". Depois que o historiador Tarcísio José Martins denunciou o equívoco em que incorreu Vasconcelos, que confundiu o Reisado (festa dos Reis Magos) com o Reinado de Nossa Senhora do Rosário (cuja festa oficial é em agosto), têm "surgido novas versões" como esta. A Festa dos Santos Reis não era propagada nos anos setecentos. Só no final dos anos oitocentos é que começa a criar força.
  • Infoescola, acessado em 11 de novembro de 2011[ligação inativa]
  • Ferreira, Origens da Congada: controvérsias e convergências, Revista Unimontes Científica, v. 7, n. 2 jul/dez 2005