Chofer de Praça

filme de 1958 dirigido por Milton Amaral
Disambig grey.svg Nota: Para a profissão, veja Taxista.
Chofer de Praça[1]
 Brasil
1958 •  p&b •  97 min 
Direção Milton Amaral
Produção Amácio Mazzaropi
Roteiro Amácio Mazzaropi
Carlos Alberto de Souza Barros (roteirista técnico)
Elenco Amácio Mazzaropi
Geny Prado
Celso Faria
Ana Maria Nabuco
Carmen Jóia Morales
Gênero comédia, ficção
Música
Cinematografia PAM Filmes
Direção de fotografia Rodolfo Icsey
Companhia(s) produtora(s) Vera Cruz
Idioma português
Cronologia
Chico Fumaça
Jeca Tatu
Página no IMDb (em inglês)

Chofer de Praça é um filme brasileiro, do gênero comédia, de 1958, dirigido por Milton Amaral. Amácio Mazzaropi, que atuou como ator principal, fez nesta produção sua estreia como produtor e sua primeira atuação com a a triz Geny Prado, com quem faria um par constante nos filmes seguintes. Conta com números musicais de Mazzaropi, Lana Bittencourt e Agnaldo Rayol. O título remete ao pai do comediante, que também era chofer de praça, termo usado na época para taxista.

É o primeiro filme realizado pela PAM Filmes, produtora de Mazzaropi.[2]

SinopseEditar

O humilde casal de sertanejos formado por Zacarias (Caría) e Augusta, muda-se para a cidade de São Paulo, a fim de ajudar o filho mais velho, Raul, a concluir a Faculdade de Medicina. Eles alugam uma casa numa vila pobre e pacata, onde moram as jovens irmãs Rita (viúva) e Iolanda, que estuda na mesma faculdade de Raul, que deixa a pensão onde morava para se juntar aos pais. Iolanda quer namorar com Raul mas ele prefere bancar um playboy filho de empresário e ficar com uma moça rica. Caría vai trabalhar de chofer de praça e começa a dirigir um antigo modelo 1928, barulhento e fumacento, o que vira motivo de muitas piadas e insultos. Iolanda sabe que Raul tem vergonha dos pais e resolve fazer com que Zacarias visite a família rica da namorada dele, com o intuito de desmascarar o rapaz.[3][4]

Elenco principalEditar

  • Amácio Mazzaropi - Zacarias "Caría" (usado para o trocadilho cômico conforme a citação "Lá em casa me chamam por Caría")
  • Geny Prado - Augusta
  • Celso Faria - Raul
  • Ana Maria Nabuco - Iolanda
  • Carmen Jóia - Rita (creditada como Carmen Morales)
  • Maria Helena Dias - Namorada rica de Raul (creditada como Maria Helena)
  • Roberto Duval - Pai da namorada rica
  • Reynaldo Martini - Passageiro das botas sujas
  • Benedito Liendo - Passageiro gordo
  • Marlene Rocha - Mãe da namorada rica
  • Niva Marques - dona do calhambeque alugado por Caría
  • Nena Viana (Inajá Viana Martini) - Vizinha de Caría
  • Cavagnole Neto - chefe dos vigilantes do baile de formatura
  • Elpídio dos Santos - violeiro do forró
  • Hamilton Saraiva - Guarda na estação de trânsito
  • Bolinha (Euclides Pereira Rangel) - taxista
  • Robertinho do Acordeom (José Carlos Ferrarezi) - taxista sanfoneiro durante a execução da música "Não Chores Mais" (creditado como Robertinho)
  • Barnabé (João Ferreira de Melo) - taxista violeiro durante a execução da música "Não Chores Mais" (não creditado no filme)
  • Cidoca (Aparecida Silvério) - taxista mulher com chocalho durante a execução da música "Não Chores Mais"
  • Comendador Biguá (José Ângelo de Campos) - Inspetor do colégio no ponto de táxi (chama Caría de "ilustre mentecapto")(creditado como Biguá)
  • Duque (cão) - Brás, o "cão da jardineira" (não creditado)[5]

Referências

  1. Museu Mazzaropi: Filmes. Acessado em 6 de fevereiro de 2011
  2. «FILMOGRAFIA - CHOFER DE PRAÇA». bases.cinemateca.gov.br. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  3. Interfilmes: Chofer de Praça. Acessado em 6 de fevereiro de 2011
  4. Chofer de Praça | Verão TV Brasil | TV Brasil | Cultura, 4 de maio de 2017, consultado em 21 de dezembro de 2019 
  5. «Chofer de Praça (1958)». Cineplayers. 29 de novembro de 2018. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  A Wikipédia tem o