Abrir menu principal

Colégio Técnico Industrial Professor Isaac Portal Roldán

CTI
Colégio Técnico Industrial - Unesp/Campus de Bauru
Fundação 7 de abril de 1967
Tipo de instituição Pública, Estadual
Total de estudantes 600
Diretor(a) André Luiz Dalastti
Cidade Bauru
Estado São Paulo
UNESP
Site www.cti.feb.unesp.br

O Colégio Técnico Industrial "Professor Isaac Portal Roldán" (CTI) é uma unidade pública de ensino técnico localizado na cidade de Bauru, interior do estado de São Paulo, Brasil. O colégio técnico é mantido pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e está vinculado à Faculdade de Engenharia de Bauru. Criado em 1967, o colégio foi a primeira unidade da Unesp no campus de Bauru.[1]

Índice

A instituiçãoEditar

A história do Colégio Técnico Industrial remonta ao ano de 1956, quando o comendador Daniel Pacífico doou ao poder público um terreno de vinte mil metros quadrados localizado no bairro bauruense de Vila Falcão, com o objetivo de instalar uma escola técnica, a ser subsidiada pelo governo federal. As obras levaram dez anos para ser concluídas. Após o término da construção, o esperado apoio governamental não se concretizou, sob a alegação de falta de verbas. Sem recursos para a aquisição de máquinas, instalação de laboratórios e oficinas e contratação de professores, o espaço recém construído permaneceu sem uso.[2]

Paralelamente a isso, iniciava-se em Bauru um movimento visando a criação de uma escola de engenharia. A demanda da sociedade foi encampada pelo executivo municipal, que decidiu criar a Faculdade de Engenharia Mecânica, a ser mantida por uma fundação. A autorização para o funcionamento da faculdade ficou condicionada à instalação de um Colégio Técnico Industrial, de forma a suprir a demanda de profissionais de nível técnico na região, sob pena de cassação da autorização de funcionamento.[2]

 
CTI - Unesp Bauru

Dessa forma, o Colégio Técnico Industrial foi inaugurado em 7 de abril de 1967 nas instalações já existentes, subordinado à Fundação Educacional de Bauru, órgão instituído pela Lei Municipal nº 1276 em 1966 e mantido pela prefeitura. Sua primeira turma contava com 28 alunos matriculados no curso de Habilitação Técnica em Máquinas e Motores (o atual curso de mecânica). Foi a primeira unidade de ensino da Fundação Educacional de Bauru a entrar em funcionamento, antecedendo em cinco dias a inauguração da Faculdade de Engenharia Mecânica (atual Faculdade de Engenharia de Bauru). Seu primeiro diretor foi o professor Isaac Portal Roldán, que permaneceu apenas um ano na direção, em função de outras obrigações assumidas com a Faculdade de Engenharia e Mecânica. Após o seu falecimento, em 1977, foi homenageado como patrono do colégio.[3][1]

Em 1985, por meio do Decreto Municipal nº 4.497 e parecer do Conselho Estadual de Educação, o Colégio Técnico Industrial, a Faculdade de Engenharia Mecânica e as outras três unidades de ensino mantidas pela Fundação Educacional foram agrupados na recém-criada "Universidade de Bauru". A nova instituição obteve reconhecimento do Ministério da Educação no ano seguinte. Em 15 de agosto de 1988, por força do Decreto 28.685, emitido pelo Governo do Estado de São Paulo, a Universidade de Bauru foi incorporada à Universidade Estadual Paulista, tornando-se o 14º campus desta instituição.[3][4][2]

O colégio encontra-se instalado dentro do campus de Bauru e permanece subordinado à Faculdade de Engenharia. Suas instalações foram projetadas de forma a aproveitar os recursos materiais e disponíveis e preservar a área verde que o cerca, visando obter um ambiente propício ao desenvolvimento pedagógico. Ocupa 500 m2 de área construída, em meio a um terreno de 2.500 m2. Além das salas de aula e espaços administrativos, é equipado com quadra poliesportiva, anfiteatro, laboratórios de informática, eletrônica, elétrica, manufatura, química, física e automação e com uma oficina mecânica.[5]

Desde a sua inauguração, o Colégio Técnico Industrial já formou mais de 7.000 profissionais nos diferentes cursos. Atualmente, congrega mais de 600 alunos e 60 funcionários, sendo 45 professores. A instituição oferece cursos públicos e gratuitos de educação básica e profissionalizantes, além de cursos de extensão e projetos voltados à comunidade, sobretudo relacionados à qualificação e reinserção de profissionais no mercado de trabalho. Desenvolve, desde o ano 2000, o projeto Cidadão Especial, em parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Bauru (APAE) e chancela do Ministério do Trabalho e Emprego, visando a inclusão social, educacional e profissional de portadores de deficiência física.[6][1][2]

EnsinoEditar

O Colégio Técnico Industrial oferece cursos de habilitação técnica em informática, eletrônica e mecânica, além do ensino médio. O ingresso se dá por meio de concurso público ("vestibulinho"), organizado pela Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp). O colégio figura entre as instituições mais bem posicionadas no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Em 2011, ocupou a terceira colocação entre as escolas públicas avaliadas pelo exame no estado de São Paulo. Na cidade de Bauru, ficou com a primeira posição entre todas as escolas do município.[7]

O colégio também já recebeu diversas premiações em competições estudantis nacionais (Olimpíada Brasileira de Robótica, Olimpíada Brasileira de Informática, Olimpíada Nacional em História do Brasil, Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas, etc.). Na edição de 2011 da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, obteve oito medalhas - duas de ouro, uma de prata e cinco de bronze - e sete menções honrosas.[7][8]

CursosEditar

O CTI oferece o curso de ensino médio integrado às habilitações técnicas nos períodos diurno (120 vagas) e noturno (90 vagas) em regime de concomitância interna ou externa. No curso diurno, os estudantes cursam as disciplinas no ensino médio e optam por uma habilitação técnica específica, podendo escolher o curso de mecânica (30 vagas), eletrônica (30 vagas) ou informática (60 vagas). As vagas no período noturno (30 para cada curso técnico) são destinadas a alunos que já concluíram o ensino médio ou que o estejam cursando em outra instituição. Todos os cursos tem duração de três anos. A habilitação em todos os cursos está ainda vinculada ao cumprimento do estágio obrigatório, de ao menos 400 horas.[2][7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Sobre a instituição». Colégio Técnico Industrial - Unesp/Bauru. Consultado em 3 de março de 2012 
  2. a b c d e «Colégio Técnico Industrial». Vunesp. Consultado em 3 de março de 2012 
  3. a b «Histórico - Departamento de Psicologia». Faculdade de Ciências - Unesp/Bauru. Consultado em 3 de março de 2012 
  4. Sadalla Filho, Michel. «O projeto da Unicamp para seus Colégios Técnicos: uma abordagem pela institucionalização do COTUCA». Unicamp. Consultado em 3 de março de 2012 
  5. «Instalações». Colégio Técnico Industrial - Unesp/Bauru. Consultado em 3 de março de 2012 
  6. «Projeto Cidadão Especial». Ministério do Trabalho e Emprego (via Google Docs). Consultado em 3 de março de 2012 
  7. a b c MEC. «Ministro divulga Enem por escola». Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Consultado em 5 de março de 2012 
  8. «Colégios técnicos da Unesp são premiados em olimpíada de matemática». Vunesp. Consultado em 5 de março de 2012 

Ligações externasEditar