Abrir menu principal

Wikipédia β

Colonização russa da América

A colonização russa da América abrange o período de 1732 a 1867, quando o Império Russo reivindicou territórios do norte da Costa do Pacífico na América do Norte. As possessões coloniais russas no continente americano são coletivamente conhecidas como a América Russa.

Índice

HistóricoEditar

A expansão russa para o leste começou em 1552. Em 1639, exploradores russos chegaram ao Oceano Pacífico. Em 1725, o imperador Pedro, o Grande ordenou ao navegador Vitus Bering que explorasse o Pacífico Norte para uma potencial colonização. Os russos estavam principalmente interessados ​​na abundância de mamíferos portadores de peles na costa do Alasca, já que os estoques tinham sido esgotados pela caça excessiva na Sibéria. A primeira viagem de Bering foi frustrada pela névoa e por grossas camadas de gelo, mas em 1741 uma segunda viagem de Bering e Aleksei Chirikov vislumbrou o continente americano.

 
A Batalha de Sitka (1804) desempenhou um papel fundamental na história dos povos tlingit e na formação da América Russa.
 
Mapa que descreve o território do Alasca em 1867, imediatamente depois da Compra do Alasca eplos Estados Unidos

Os promyshlenniki (caçadores e caçadores) russos desenvolveram rapidamente o comércio marítimo de peles, que provocou vários conflitos entre aleutas e russos na década de 1760. O comércio de peles provou ser uma empresa lucrativa, capturando a atenção de outras nações europeias. Em resposta a potenciais concorrentes, os russos estenderam suas reivindicações para o leste das Ilhas Comandante até as margens do Alasca. Em 1784, com o encorajamento da imperatriz Catarina, a Grande, o explorador Grigory Shelikhov fundou o primeiro assentamento permanente da Rússia no Alasca na Baía dos Três Santos. Dez anos depois, o primeiro grupo de missionários cristãos ortodoxos começou a chegar, evangelizando milhares de índios, muitos dos quais os descendentes continuam a manter a religião. No final da década de 1780, relações comerciais foram abertas com os tlingits e, em 1799, a Companhia Russo-Americana (CRA) foi formada para monopolizar o comércio de peles, servindo também como veículo imperialista para a russificação dos nativos do Alasca.[1]

Irritados pela invasão em suas terras e outras queixas, as relações dos povos indígenas com os russos se deterioraram. Em 1802, os guerreiros tlingit destruíram vários assentamentos russos, principalmente o Redoubt São Miguel, deixando o assentamento de Nova Rússia como o único posto avançado restante no continente do Alasca. Isso não conseguiu expulsar os russos, que restabeleceram sua presença dois anos depois, após a Batalha de Sitka. (A negociação de paz entre os russos e os índios estabeleceria mais tarde um modus vivendi, uma situação que, com poucas interrupções, permaneceu durante a presença russa no Alasca.) Em 1808, o Redoubt São Miguel foi reconstruído como Novo Arcanjo e tornou-se a capital da América Russa depois da sede colonial anterior ser transferida de Kodiak. Um ano depois, a CRA começou a expandir suas operações para terras com maior presença da lontra-marinha no norte da Califórnia, onde Fort Ross foi construído em 1812.[2]

Em meados do século XIX, os lucros das colônias americanas da Rússia estavam em declínio acentuado. A competição com a britânica Companhia da Baía de Hudson trouxe a lontra-marinha a quase extinção, enquanto a população de ursos, lobos e raposas também estava perto do esgotamento. Diante da realidade de revoltas indígenas periódicas, das ramificações políticas da Guerra da Crimeia e incapaz de colonizar completamente a América de maneira satisfatória, os russos concluíram que suas colônias americanas eram muito caras. Com vontade de se libertar do fardo, os russos venderam o Fort Ross em 1842 e, em 1867, depois de menos de um mês de negociações, os Estados Unidos aceitaram a oferta do imperador Alexandre II para vender o Alasca. A compra do Alasca por 7,2 milhões de dólares encerrou a presença colonial da Rússia Imperial na América. Muitos povos indígenas protestaram contra a venda, argumentando que eles eram os legítimos donos da terra e que a Rússia não tinha o direito de vender o Alasca.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Black 2004, p. 40
  2. Black 2004, p. 181
  3. Howard I. Kushner, "Seward's Folly'?: American Commerce in Russian America and the Alaska Purchase". California Historical Quarterly (1975): 4–26. Predefinição:Jstor.

BibliografiaEditar

  • Black, Lydia T. (2004). Russians in Alaska, 1732–1867. Fairbanks, AK: University of Alaska Press. ISBN 978-1-889963-05-1