Abrir menu principal

Columbia Journalism Review

Columbia Journalism Review
Editor Kyle Pope[1]
Frequência Dois ao ano
Editora Columbia University
País  Estados Unidos
Idioma Inglês
Fundação 1961; há 57 anos
ISSN 0010-194X

A Columbia Journalism Review (CJR) é uma revista americana para jornalistas profissionais, publicada pela Escola de Jornalismo da Universidade da Columbia desde 1961. Seu conteúdo inclui tendências do setor de notícias e mídia, análise, ética profissional e histórias por trás das notícias.

Em outubro de 2015, foi anunciado que a frequência de publicação da revista impressa estava sendo reduzida de seis para duas edições por ano, a fim de focar nas operações digitais.[2]

Quadro de organizaçãoEditar

O atual presidente é Stephen J. Adler, que também atua como editor-chefe da Reuters.

O presidente anterior da revista foi Victor Navasky, professor da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia e ex-editor e editor do The Nation, politicamente progressivo. Segundo o editor executivo Michael Hoyt, o papel de Navasky é "99% financeiro" e "ele não incentiva nada editorialmente". Hoyt também afirmou que Navasky "aprendeu a colocar uma pequena revista de idéias no escuro, e está tentando criar algumas estratégias para nós".[3]

FinançasEditar

A CJR é uma entidade sem fins lucrativos e depende de captação de recursos para financiar suas operações. Os doadores da CJR incluem a Open Society Foundations, de George Soros.[4]

Em agosto de 2007, Mike Hoyt, editor executivo da CJR desde 2003, disse que a receita da revista em 2007 excederia as despesas em cerca de US$ 50.000, com estimativas de um excedente de US$ 40.000 em 2008. Hoyt atribuiu os excedentes a uma mistura de alguns cortes de pessoal, como não substituir três editores que saíram, e a captação de recursos aumenta. As doações para a CJR nos últimos três anos incluíram cerca de US$ 1,25 milhão de um grupo de veteranos dirigido pelo ex-editor executivo do Philadelphia Inquirer Eugene Roberts.[5]

Em meados de 2007, o CJR contava com oito funcionários, um orçamento anual de US$ 2,3 milhões e uma circulação de papel de aproximadamente 19.000, incluindo 6.000 inscrições de estudantes.[5] As assinaturas de um boletim da Internet intitulado The Media Today começaram[6] mas a partir de 2017, os números de inscrição não estão disponíveis e não contribuem para esses números de circulação.

EditorEditar

Em 2016, Kyle Pope, que atuou como editor-chefe do The New York Observer, foi anunciada como a nova editora e editora da CJR, substituindo Liz Spayd, quando foi anunciada como a sexta editora pública do The New York Times.[7] Em 24 de julho de 2017 em Washington DC, Pope dirigiu-se ao Fórum bipartidário de Liberdades de Imprensa do Comitê Judiciário da Câmara sobre preocupações de que as ações de Donald Trump durante sua campanha para e após a eleição como Presidente dos Estados Unidos minassem a liberdade constitucional da imprensa.[8]

Referências

  1. Coll, Steve; Adler, Steve (July 29, 2016). "CJR gets new editor and publisher". Columbia Journalism Review. cjr.com. Retrieved 2017-03-04.
  2. «A note to CJR's readers». Columbia Journalism Review 
  3. Graham Webster, "Victor Navasky Now Playing Key Role at 'CJR'", Editor & Publisher, July 15, 2005
  4. «The Koch brothers' media investment». Columbia Journalism Review 
  5. a b Joe Strupp, "AJR Facing Major Debt -- But CJR Says It's In The Black" Arquivado em 2015-09-23 no Wayback Machine., Editor & Publisher, August 22, 2007
  6. The Media Today, accessed July 25, 2017
  7. Elizabeth Spayd named NYT public editor, cjr.org
  8. Pope, Kyle, Prepared remarks of Kyle Pope, editor and publisher of Columbia Journalism Review addressing the Hous e Judiciary Committee bipartisan Forum on Press Freedoms, Washington D.C., July 24, 2017

Ligações externasEditar