Comité des travaux historiques et scientifiques

O Comité des travaux historiques et scientifiques (CTHS) (Comité para Trabalhos Históricos e Científicos) é uma instituição francesa de pesquisa criada pelo Ministro da Educação Pública , François Guizot , em 18 de julho de 1834, com a finalidade de " liderar a investigação e a disponibilização de documentos não publicados, com fundos votados do orçamento do estado." Sua missão inclui promover o trabalho de sociedades científicas. Atualmente é filiado à École Nationale des Chartes.[1] Em 2017, o seu presidente foi Maurice Hamon e seu chefe-adjunto foi Christophe Marion.[2]

Original atribuiçõesEditar

Enquanto ele foi Ministro da Instrução Pública, François Guizot foi muito ocupado com o que ele descreveu em seu relatório de 31 de dezembro de 1833 como a "publicação sistemática de todos os materiais significativos sobre a história de nosso país, que ainda são inéditos." Para este fim, ele estabeleceu uma comissão em 18 de julho de 1834, carregado com a orientação da pesquisa em documentos e, com o apoio de fundos públicos, a sua publicação em sua revista Documents inédits de l'Histoire de France. Em 10 de janeiro de 1835, um segundo foi criado o comité para a realização de pesquisas e a publicação de documentos na literatura, a filosofia, as artes e as ciências que são de importância para a história geral. Um Histórico de Obras Secretaria foi criada por Hipólito Royer-Collard em Ciências e Letras de seção do Ministério para gerenciar as comissões.

Desenvolvimento históricoEditar

Em 1875, a comissão ficou sob a autoridade do Ministério do Ensino Superior. Em 5 de Março de 1881, o comitê assumiu seu nome atual[3] e foi dividido em duas seções, uma para a história, arqueologia e filologia, e o segundo com as ciências, cada uma com sua própria publicação da comissão. Ele tinha 90 membros e 200 membros correspondentes.[4] Em 1883, era dividido novamente, em cinco seções - história e filologia; arqueologia; ciências económicas e sociais; ciências matemáticas,a física, a química e meteorologia; e naturais e das ciências geográficas.

Uma reforma, em 1956, criou uma nova estrutura - arqueologia; geografia; história moderna e contemporânea; a filologia e a história 1715; ciências; ciências económicas e sociais. Em 1983, as seções foram reorganizados e amalgamado - história da ciência e da tecnologia; a pré-história e história antiga; o francês antropologia e etnologia.

Em 2000, a estrutura foi designado como segue:[5]

  • 1. A pré-história e história antiga seção - 25 membros
  • 2. A arqueologia e a civilização antiga - 30 membros
  • 3. História e filologia da civilização medieval - 25 membros
  • 4. Arqueologia e história da arte medieval e moderna civilização - 25 membros
  • 5. História do mundo moderno, a Revolução francesa e de outras revoluções - 30 membros
  • 6. História contemporânea - 30 membros
  • 7. Social, a antropologia, a etnologia e línguas regionais - 20 membros
  • 8. Ciência, história da ciência e da tecnologia e de arqueologia industrial - 45 membros
  • 9. Geográfica e ciências ambientais - 25 membros

Cada seção encontra-se entre quatro e seis vezes por ano. Membros, se francês ou estrangeiro, tem o direito de participar das reuniões e votar. Membros correspondentes, Emérito membros e não-membros podem ser convidados a participar das reuniões, mas sem direito a voto.

Em 2005, um pedido do Ministro do Ensino Superior e da Investigação trouxe o Comitê da competência da École nationale des chartes, apesar de suas estruturas seccionada foi deixada inalterada.

AtividadesEditar

  • Desde 1834, as CTHS publicou trabalhos de investigação e de ensino superior. A cada ano, inúmeros novos itens aparecem e são distribuídos pela Association Française des Presses d'Université - Diffusion (AFPU-D) e distribuído pela Sodis.
  • A cada ano, a conferência das Sociedades Histórico e científicas é realizada em uma cidade universitária de língua francesa. Seu principal objetivo é promover o trabalho interdisciplinar e de trabalho colaborativo, os estudos de doutoramento e de pesquisa da universidade. Ele reúne mais de 700 delegados e envolve mais de 400 artigos.
  • O CTHS apoia o intercâmbio entre sociedades científicas, por meio de um diretório, uma newsletter e um catálogo de artigos publicados pelas sociedades. Ele também opera um fórum on-line de sociedades científicas.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Arrêté du 12 juin 2007 portant création à l’École nationale des chartes d'un institut dénommé « comité des travaux historiques et scientifiques ».
  2. «Christophe Marion nommé délégué général du Cths» (em francês). École nationale des chartes. 20 de outubro de 2016. Consultado em 19 de agosto de 2017 
  3. Amalvi, Christian (5 de abril de 2005). Les lieux de l'histoire. [S.l.]: Armand Colin. p. 126. ISBN 978-2-200-26029-3 
  4. http://www.cths.fr/hi/historique.php
  5. «Arrêté du 11 février 2000 portant statut du comité des travaux historiques et scientifiques». Legifrance.gouv.fr. Republique Française. Consultado em 10 de setembro de 2017 

Ligações externasEditar