Pedro Afonso, conde de Barcelos

(Redirecionado de Conde D. Pedro)
Pedro Afonso, conde de Barcelos
Nome nativo Pedro Afonso de Portugal
Nascimento 1288
Morte 1354 (66 anos)
Lamego
Sepultamento Mosteiro de São João de Tarouca
Cidadania Portugal
Progenitores Pai:Dinis I de Portugal
Irmão(s) Constança de Portugal, Afonso IV de Portugal, Afonso Sanches
Ocupação historiador, trovador
O túmulo de Pedro Afonso de Portugal, conde de Barcelos, tem uma cena de caça a javalis com cães.

Dom Pedro Afonso de Portugal, 3.º Conde de Barcelos ou simplesmente Pedro de Barcelos como é internacionalmente conhecido[1] (1287 - Lalim, entre 2 de fevereiro e 5 de julho de 1354) foi, segundo algumas fontes, o primeiro filho natural de D. Dinis e de D. Grácia Froes (de identificação insegura). Poeta e trovador como seu pai, teve um papel de relevo na vida política e sobretudo cultural do seu tempo, a ele se ficando a dever uma boa parte dos mais importantes textos da literatura medieval portuguesa.

VidaEditar

O nome de Pedro Afonso surge pela primeira vez a 10 de Dezembro de 1289, na carta de doação de bens localizados em Estremoz que o pai lhe fez em Évora[2]. Recebeu de D. Dinis I vários bens em Estremoz, Évoramonte, Sintra e Tavira, bem com a terra de Gestaçô e, em 1314, da vila de Barcelos, juntamente com o título de conde de Barcelos[3].

Acompanhou seu pai e a rainha Santa Isabel a Aragão (1304) quando o rei de Portugal foi chamado a mediar o conflito entre Fernando IV de Castela e Jaime II de Aragão[2].

Em 1307 foi nomeado mordomo-mor da então infanta Beatriz de Castela, mulher do futuro Afonso IV de Portugal[2], e em 1315 é nomeado Alferes-mor[3].

O seu primeiro e breve casamento (cerca de 1300) com D. Branca Peres de Sousa, herdeira de grande parte da fortuna dos Sousa, tornou-o, à sua morte (1305 ou 1307[3]), um dos homens mais ricos do reino. Esse estatuto foi consolidado com o segundo casamento (entre Outubro de 1308 e Janeiro de 1309), promovido por D. Dinis I e a rainha D. Isabel junto dos reis de Aragão[2], com a aragonesa D. Maria Ximenes Coronel (filha de Pedro Cornell e de D. Urraca Artal de Luna[2]), de quem no entanto se separaria a curto prazo, por desentendimentos vários. Viveu o resto da sua vida com D. Teresa Anes de Toledo (†1350), sua concubina e dama da casa da rainha Beatriz de Castela, não tendo tido descendência.

Nas dissensões entre D. Dinis I, o príncipe herdeiro Afonso e os irmãos Afonso Sanches (por quem foi designado herdeiro do senhorio de Albuquerque em 1308 e 1310[3]) e João Afonso, procurou manter-se em difícil equilíbrio.

Exilado em Castela em 1317 por motivos relacionados com o conflito que opôs D. Dinis ao príncipe herdeiro D. Afonso, tomou contacto com as actividades culturais da corte castelhana, que prolongava o intenso labor do seu bisavô Afonso X de Leão e Castela, o Sábio.

Regressado do exílio em 1322 a pedido do infante D. Afonso, envolveu-se na guerra civil ao lado do príncipe herdeiro, quem lhe confiou a protecção da mulher, Beatriz. Finalmente retomou a posse de todos os seus bens (1324), que lhe tinham sido confiscados, após ter procurado estabelecer a concórdia entre as partes em conflito, apoiando os esforços da Rainha Santa[3]. Pouco depois da morte de seu pai (1325), afastou-se gradualmente da corte do meio-irmão, com quem entra em dissidência (muito embora tenha sido escolhido por Afonso IV como embaixador junto de Afonso XI de Castela aquando do conflito de 1336-1339, tendo Pedro Afonso participado a seu lado na Batalha do Salado em 1340). Refugiou-se nos seus paços de Lalim, que transformou num centro cultural importante. É daí que está datado o seu testamento (Março de 1350) e onde morreu, em 1354. Jaz sepultado no Mosteiro de São João de Tarouca, em um túmulo com jacente decorado nas laterais com cenas de caça ao javali com cavalos e com cães provavelmente do tipo Alão.

LegadoEditar

 
Dom Pedro Afonso de Portugal, 3.º Conde de Barcelos

O legado cultural do Conde de Barcelos é um dos mais importantes da Idade Média peninsular. D. Pedro foi certamente o compilador (ou pelo menos o último compilador) das cantigas dos trovadores galego-portugueses. No seu testamento deixa um Livro de Cantigas ao seu sobrinho, Afonso XI de Castela, que se pensa ser o arquétipo dos cancioneiros manuscritos que chegaram até nós; esse cancioneiro nunca chegou à posse de Afonso XI e não se sabe do seu paradeiro. Excelente trovador, D. Pedro deixou quatro cantigas de amor e seis cantigas de escárnio, onde o humor (com a malícia característica do género) se alia a um notável sentido rímico e musical.

De Lalim teriam ainda saído duas outras obras fundamentais da história e cultura portuguesas. Uma é o chamado Livro de Linhagens do conde D. Pedro (1340-1344), uma recompilação da genealogia das principais famílias nobres de Portugal inseridas no contexto hispano e universal. A outra obra devida ao conde é a Crónica Geral de Espanha de 1344, uma crónica histórica em que é descrita a história dos vários reinos hispanos e da Reconquista, enfatizando-se o papel dos reis portugueses na cruzada contra o Islão. Os dois livros são de alta qualidade narrativa e representam pontos altos da prosa medieval portuguesa.

O reconhecimento da qualidade da obra de D. Pedro na Idade Média é evidenciado pelo facto de que tanto o Livro de Linhages como a Crónica sofreram vários acrescentos posteriores em Portugal e foram traduzidas várias vezes ao castelhano. Até os dias de hoje os pesquisadores continuam estudando a obra do conde tanto pelos dados historiográficos como pelo seu nível narrativo.

Referências

  1. O projeto de escrita de Pedro de Barcelos, por José Carlos Ribeiro Miranda e Maria do Rosário Ferreira. População e Sociedade, Homens de oração e homens de ação: da matriz fundadora aos compromissos dos mestres no séc. XIV, nº 23 (junho, 2015), CEPESE, Porto, p. 25
  2. a b c d e CRUZ PARRA, Ana Raquel (2017-2018). A Paternidade na Idade Média: o caso de D. Dinis (Tese de Mestrado). Lisboa: Universidade de Lisboa. Faculdade de Letras.  line feed character character in |título= at position 40 (ajuda)
  3. a b c d e SOTTO MAYOR PIZARRO, José Augusto de (1997). Linhagens Medievais Portuguesas. Genealogias e Estratégias (1279-1325). Volume I. Porto: [s.n.] 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pedro Afonso, conde de Barcelos

Ver tambémEditar

Precedido por
Martim Gil de Riba de Vizela
Conde de Barcelos
c. 1312-1354
Sucedido por
João Afonso Telo
de Meneses