Abrir menu principal

Conde palatino

título da alta nobreza medieval

Conte palatino (em latim: comes palatii) era o título associado a um dos mais ilustres cargos da Alta Idade Média.[1] Perdeu gradualmente a importância através do séculos até tornar-se, sobretudo no século XV, uma mercadoria de troca utilizada pelos imperadores romano-germânicos nas relações com os próprios vassalos para obter rendimentos.[2]

O nome "conde palatino" é originário de "conde do palácio", ou seja, do "sacro palácio" dos reis dos francos, onde esse título permaneceu em uso até o século VI. Depois o título passou à Itália com a conquista efetuada por Carlos Magno em 773-774.[2]

O encargo do conde palatino era de julgar todas as causas endereçadas em apela direto al tribunal do soberano e levar ao conhecimento do rei somente aqueles juízos que considerava importantes.[2]

O conde palatino, em época mais antiga, era um só, mas sob Luís I, o Piedoso havia dois ao mesmo tempo (Gebuinus et Ruodbertus). Posteriormente, a divisão entre os povos e a multiplicação dos reinos obrigaram a criação de mais personalidades com esse encargo.[2]

Talvez o primeiro conde do palácio na Itália tenha sido em Pistoia, em 812, como Echergum Comintem Palatii. Em 814, é atestado em Espoleto, como Hebroardo.[2]

Importância do conde palatino na Europa medievalEditar

conde palatinoEditar

O título original era latino e pré-feudal. Originou-se com o título romano conde, o qual era um título de alto nível de corte não hereditário, e a parte palatino o adjetivo derivado de palatium ("palácio")

Porém, a partir da queda do Império Romano do Ocidente, um novo tipo de título, conhecido simplesmente como "palatino" começou a desenvolver-se. Os reis dos francos da dinastia Merovíngia (480-750) empregavam um alto oficial, o comes palatinus, que em princípio assitia o rei nos seus deveres jurídicos e mais tarde assumiu muitos desses deveres. Outras cortes palatinas foram empregadas em trabalhos militares e administrativos.

Na Espanha visigótica, o ofício palatino (officium palatinum) consistia de uma quantidade de homens da corte que gerenciavam vários departamentos da casa real. O conde dos cubiculários (comes cubiculariorum) supervisionava os camareiros, comes scanciorun supervisionava os cuidadores de louças, o conde dos estábulos (comes stabulorum) supervisionava os encarregados dos estábulos, etc. Os reis ostrogodos que governaram a Itália também mantiveram cortes palatinas com títulos come conde do patrimônio (comes patrimonium), que estavam a cargo do patrimônio do rei, e outras.

O sistema foi mantido pela dinastia carolíngia (750-1000). O capitulário de 882 e Hincmar, arcebispo de Reims, escrevendo sobre a mesma época, testemunham sobre a extensão do trabalho judicial do Império Franco que passou em suas mãos.

Em vez de permanecerem junto à pessoa do rei, alguns dos condes palatinos foram enviados a várias partes do seu império para agir como juízes e governadores, e o distritos governado por eles foram chamados de palatinados. Em certo sentido, eram os representantes do soberano, então foram investidos de poderes mais extensos que os condes comuns. Dessa maneira tornou-se o uso mais geral da palavra "paladino" e sua aplicação a pessoas investidas de poderes especiais —– mas também os distritos sobre os quais esses poderes eram exercidos.

Na Alta Idade Média, o título "conde" tornou-se crescentemente comum, ao ponto de que grandes magnatas que governavam regiões do tamanho de ducados, e senhores de castelos locais puderam designar a si mesmos como "condes". À medida em que grandes magnatas começaram a centralizar o poder sobre sus senhores locais de castelos, eles sentiram a necessidade de declarar a diferença entre eles e aqueles condes inferiores. Portanto, muitos desses magnatas começaram a estilizar-se "condes palatinos", significando grandes condes governando regiões equivalentes a ducados, tal como os condes paladinos de Champanhe no século XIII.

Referências

  1. «Adel (german)». Consultado em 30 de outubro de 2017. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2011 
  2. a b c d e Muratori, Ludovico Antonio (1886). «"Dissertazione VII - De' Conti del Sacro Palazzo" in "Dissertazioni sopra le antichità italiane", Volume 1, p. 98.» (pdf). Dissertazioni sopra le antichità italiane. Milão: Società Tipografica de' Classici Italiani. p. 98. Consultado em 29 de outubro de 2017 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar