Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria


Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria
 
Congregatio Sacrorum Cordium Iesu et Mariae necnon adorationis perpetuae Sanctissimi Sacramenti altaris
Brasão Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria
SACRIS CORDIBUS JESU ET MARIAE HONOR ET GLORIA
sigla
SS.CC.
Tipo: congregação clerical de direito pontifício
Fundador (a): Pedro Coudrin
Local e data da fundação: 24 de dezembro de 1800
em Poitiers
Aprovação: 17 de novembro de 1817
Superior geral: Pe. Alberto Manuel Toutin Cataldo, SSCC
Membros: 710
Atividades: apostolado missionário e formação de seminaristas


Portal Catolicismo · uso desta caixa

A Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria e da Adoração Perpétua do Santíssimo Sacramento do Altar é um instituto religioso católico romano de irmãos, sacerdotes e monjas. Os padres da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria também são conhecidos como Padres de Picpus, porque sua primeira casa foi na Rue de Picpus, em Paris, França. Suas letras pós-nominais, SS. CC, são as iniciais em latim de Sacrorum Cordium, "dos Corações Sagrados". (As letras são dobradas para indicar que ambas as palavras são plurais, uma convenção de abreviações em latim).

Início na Revolução FrancesaEditar

A Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria surgiu em meio ao levante religioso causado pela Revolução Francesa. Em março de 1792, o francês Pedro Coudrin foi secretamente ordenado presbítero. Em maio seguinte, o padre Coudrin se escondeu no sótão do celeiro do Chateau d'Usseau e ficou confinado ali por seis meses para escapar da perseguição do governo aos padres católicos que se recusaram a aceitar a Constituição Civil do Clero. Certa noite, durante seu tempo no esconderijo, Coudrin teve uma visão de si mesmo cercado por um grupo de sacerdotes, irmãos e irmãs iluminados, vestidos com roupas brancas, que ele tomou como seu chamado para estabelecer um instituto religioso que seria a Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria. Coudrin deixou o celeiro e começou seu ministério clandestino em Poitiers, esperando a oportunidade de iniciar seu grupo.[1]Durante seu ministério clandestino em 1794, Coudrin conheceu Henriqueta Aymer de Chevalerie. Ela fora presa por esconder um padre. Ao ser libertada, ela contou a Coudrin uma visão que ela tinha na prisão, chamando-a para servir a Deus. Coudrin e Henriqueta Aymer de Chevalerie compartilharam entre si suas visões de criar um instituto religioso em meio ao perigo para os católicos romanos na França.[1]

Estabelecendo a CongregaçãoEditar

Na véspera de Natal de 1800, apesar de saber que poderiam enfrentar a guilhotina por suas ações, o padre Coudrin e Henriqueta Aymer de Chevalerie estabeleceram oficialmente a Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria.[1]

Em 1817, a Congregação foi formalmente aprovada pelo Papa como um instituto único composto por um ramo masculino e feminino de religiosos e um ramo leigo.[2]

Os membros originais da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria fundaram novas escolas para crianças pobres, seminários para ajudar a aumentar o sacerdócio de seu instituto e missões paroquiais em toda a Europa. Em 1825, a evangelização das Ilhas Sandwich no Pacífico foi confiada pela Santa Sé à Congregação dos Sagrados Corações, e no ano seguinte o primeiro grupo de missionários dos Sagrados Corações deixou a França. Na época da morte do padre Coudrin, em 1837, a Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria tinha 276 sacerdotes e irmãos e 1125 irmãs.

Em 1840, os Irmãos fundaram uma casa em Lovaina, Bélgica. Os Irmãos se estabeleceram na Espanha (1880), na Holanda (1892), na Inglaterra (1894) e nos Estados Unidos (1905).[3]

As irmãs, que concentraram suas energias na educação, foram para o Chile em 1838 e para o Peru em 1848. Eles também começaram as fundações em Honolulu em 1859 e no Equador em 1862. Casas adicionais foram fundadas na Espanha (1881), Bélgica (1894), Inglaterra (1895), Holanda (1803) e Estados Unidos (1908).[3]

A Congregação está presente na Irlanda desde 1948 e no Reino Unido desde 1956.[2]

Missão nas ilhas do PacíficoEditar

 
Catedral de São Miguel em Rikitea antes da renovação em 2006
 
O túmulo de São Damião de Veuster na cripta da igreja da Congregação dos Sagrados Corações em Lovaina.

O instituto religioso iniciou uma nova missão que se tornaria sua realização marcante.[4] Equipes de missionários se estabeleceram nas várias ilhas do Oceano Pacífico para disseminar o Evangelho, construir igrejas e conquistar novos fiéis.

A Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria foi particularmente bem-sucedida no Reino do Havaí. Eles estabeleceram o que hoje é a Diocese Católica Romana de Honolulu e construíram a Catedral de Nossa Senhora da Paz, a mais antiga catedral católica romana em uso contínuo nos Estados Unidos. Os seis primeiros bispos do Havaí, de 1833 a 1940, foram membros da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria. Outras igrejas fundadas pelo instituto incluem a Igreja Católica São José, em Hilo, e a Igreja Católica Maria Lanakila, em Maui. A Academia dos Sagrados Corações (K-12, para meninas) e a Escola St. Patrick (ensino fundamental) no bairro de Kaimuki, em Honolulu, foram ambas fundadas pela ordem.

Membros notáveisEditar

Referências

links externosEditar