Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O busto em mármore de Ésquines

Contra Timarco foi um discurso proferido pelo orador e estadista Ésquines em Atenas, no ano 345 a.C..

Índice

O contexto políticoEditar

Ésquines fora enviado em embaixada para Megalópolis, na Arcádia, para preparar uma liga pan-helênica contra a Macedônia. O projeto de Ésquines fracassou, e este notou que Atenas ficaria isolada. Em vista disso, procurou uma política de concessões. Em 346 a.C., foi encarregado de negociar a paz com os macedônios.

Em 345 a.C., Demóstenes e Timarco acusaram Ésquines de ter sido corrompido por Filipe. Através de uma brilhante oratória no discurso Contra Timarco, Ésquines contra-argumentou que Timarco não tinha direito a voz devido à sua depravação, por ter sido um eromenos de muitos homens na cidade portuária de Pireu quando jovem. O argumento foi aceito, e Timarco foi cassado como um orador e estadista (atimia).

Demóstenes afirmou que essa condenação de Timarco à cassação destruiu a sua carreira. Esse comentário é interpretado por Pseudo-Plutáraco na obra As Vidas de Dez Oradores como a indicação de que Timarco cometeu suicídio. Contudo, essa interpretação é contestada por alguns historiadores [1]

RelevânciaEditar

O discurso Contra Timarco é importante pela extensa citação das leis atenienses, e também pelas informações sobre a tolerância a relacionamentos homossexuais masculinos na época. O discurso mostra que tais relacionamentos entre homens e jovens eram tolerados, desde que baseados em atração mútua. Ésquines menciona suas próprias atrações, disputas e poemas dedicados a meninos. Por outro lado, a prostituição masculina, com sexo em troca de dinheiro, era condenada, como a sentença contra Timarco mostra. [2]

Menções antigasEditar

EdiçõesEditar

Ver tambémEditar

  • Stechow, Aeschinis Oratoris vita (1841)
  • Marchand, Charakteristik des Redners Aschines (1876)
  • Castets, Eschine, l'Orateur (1875)
  • A. Holm, vol. iii (Tradução inglesa 1896); A. Schafer, Demosth. und seine Zeit (Leipzig, 1856-1858).

NotasEditar

  1. Nick Fisher, Aeschines: Against Timarchos, "Introduction," p.22 n.71; Oxford University Press, 2001
  2. Nick Fisher, Aeschines: Against Timarchos, "Introduction," p.22 n.71, passim; Oxford University Press, 2001

Ligações externasEditar

 
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Αισχίνης