Abrir menu principal

A crise do Líbano de 1958 foi uma crise política libanesa causada por tensões políticas e religiosas do país. Incluiu uma intervenção militar dos EUA, levando à redução das tensões.

Crise do Líbano de 1958
Parte da(o) Guerra Fria
Foxhole - Lebanon - Beirut - July 1958.jpg
Um marine americano numa trincheira nos arredores de Beirute
Local Líbano
Resultado Vitória militar do Governo Libanês
  • Ocupação libanesa-americana do Porto e do Aeroporto Internacional de Beirute

Vitória parcial política da Oposição Libanesa

Causas Recusa do presidente libanês Camille Chamoun em cortar relações diplomáticas com França e Reino Unido aquando da Guerra do Suez
Desejo dos muçulmanos libaneses em ver o Líbano em unir-se à República Árabe Unida liderada por Nasser
Vontade dos cristãos libaneses em ver o Líbano a juntar-se à Organização do Tratado Central e manter relações com o Mundo Ocidental
Participantes do conflito
Líbano Governo Libanês:

Apoiado por:
 Estados Unidos
 Reino Unido
 França

Líbano Oposição Libanesa:

Apoiado por:
Flag of Syria.svg República Árabe Unida
 União Soviética
 China
Estado da Palestina Organização para a Libertação da Palestina

Líderes
Líbano Camille Chamoun
Líbano Naim Moghabghab
Estados Unidos Dwight Eisenhower
Estados Unidos Robert Murphy
Líbano Rashid Karami
Líbano Ibrahim Kulaylat
Líbano Kamal Jumblatt
Flag of Syria.svg Gamal Abdel Nasser
Baixas
Líbano Cerca de 1.000 mortos Líbano +5.000 mortos

AntecedentesEditar

Em julho de 1958, o Líbano estava ameaçado por uma guerra civil entre cristãos maronitas e muçulmanos. As tensões com o Egito tinha escalado anteriormente em 1956, quando o presidente pró-ocidental Camille Chamoun, um cristão, não rompeu relações diplomáticas com as potências ocidentais que atacaram o Egito durante a Crise de Suez, irritando o presidente egípcio, Gamal Abdel Nasser. Estas tensões foram ainda maiores quando Chamoun mostrou proximidade com o Pacto de Bagdá. Nasser considera o Pacto de Bagdá pró-ocidental representava uma ameaça ao nacionalismo árabe. Como resposta, o Egito e a Síria uniram-se na República Árabe Unida (RAU). O primeiro-ministro libanês sunita Rashid Karami apoiou Nasser em 1956 e 1958. Karami formou um governo de reconciliação nacional após a crise de 1958 terminar.

Os muçulmanos libaneses levaram o governo a aderir à recém-criada República Árabe Unida, enquanto os cristãos queriam manter o Líbano alinhado com às potências ocidentais. Uma revolta muçulmana que teria sido abastecida com armas pela RAU através da Síria levando o Presidente Chamoun a queixar-se ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. As Nações Unidas enviaram um grupo de inspectores, que informaram não encontrar qualquer indício de intervenção significativa da RAU.

A derrubada de um governo pró-ocidental no Iraque na Revolução de 14 de julho, junto com a instabilidade interna, levou o Presidente Chamoun a pedir assistência dos Estados Unidos.

Operação Blue BatEditar

 
Marines dos EUA se sentam em uma trincheira fora de Beirute, 1958
 
Fuzileiros dos EUA em patrulha em Beirute, no verão de 1958.

O presidente dos Estados Unidos, Dwight D. Eisenhower respondeu autorizando a Operação Blue Bat em 15 de julho de 1958. Esta foi a primeira aplicação da Doutrina Eisenhower em que os EUA anunciaram que iriam intervir para proteger os países ameaçados pelo comunismo internacional. O objetivo da operação era reforçar o governo pró-Ocidente do presidente libanês Camille Chamoun contra a oposição interna e às ameaças da Síria e do Egito. O plano era ocupar e proteger o Aeroporto Internacional de Beirute, a poucos quilômetros ao sul da cidade, em seguida, proteger o porto de Beirute e abordagens para a cidade. A operação envolveu cerca de 14.000 homens, incluindo 8.509 pessoas do Exército, incluindo um contingente da 24 ª Brigada Aerotransportada da 24 ª Divisão de Infantaria (com sede na Alemanha) e 5.670 oficiais e soldados do Corpo de Fuzileiros Navais. A presença das tropas reprimiu com sucesso a oposição e os EUA retiraram suas forças em 25 de outubro de 1958.

O presidente Eisenhower enviou também o diplomata Robert D. Murphy ao Líbano como seu representante pessoal. Murphy teve um papel importante em convencer o Presidente Chamoun a demitir-se e também na seleção do cristão moderado Fuad Chehab como substituto de Chamoun.

ResultadoEditar

A operação, em conjunto com a renúncia de Chamoun como presidente do Líbano e sua substituição por Fuad Chehab, foi em grande parte um sucesso. A tensão desapareceu e que o governo estava protegido sob uma nova liderança. A operação terminou em 25 de outubro do mesmo ano. Baixas entre os norte-americanos foram extremamente leves, com apenas três soldados mortos em acidentes e um morto por um sniper.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

Livros e estudosEditar

  • Mohammed Shafi Agwani, The Lebanese Crisis, 1958: A Documentary Study, 1965.
  • Erika G. Alin, The United States and the 1958 Lebanon Crisis, American Intervention in the Middle East, 1994.
  • Pierrick el Gammal, Politique intérieure et politique extérieure au Liban de 1958 à 1961 de Camille Chamoun à Fouad Chehab, Sorbonne University (Paris), 1991. (French)
  • Irene L. Gendzier, Notes from the Minefield: United States Intervention in Lebanon and the Middle East 1945–1958, 1997
  • Agnes G. Korbani, U.S. Intervention in Lebanon, 1958–1982 : presidential decisionmaking, 1991.
  • Nawaf Salam, L’insurrection de 1958 au Liban, Sorbonne University (Paris), 1979. (French)
  • Jack Schulimson, Marines in Lebanon 1958, Historical Branch, G-3 Division, Headquarters, U.S. Marine Corps, Washington, Department of the Navy, United States Marine Corps, 1966, 60 p.
  • Salim Yaqub, Containing Arab Nationalism, The Eisenhower Doctrine and the Middle East, 2003.
  • The Lebanon Operation. Col: Contingency Operations]]. [S.l.]: United States Army Center of Military History. Historical Manuscript Collection 2-3.7 AC.F Tab D 

ArtigosEditar

  • Gerges, Fawaz A. (1993), «The Lebanese Crisis of 1958: The Risks of Inflated Self-Importance», Beirut Review: 83–113 .
  • Lesch, David W. (1996), «Prelude to the 1958 American Intervention in Lebanon», Mediterranean Quarterly, 7 (3): 87–108 .
  • Little, Douglas (1996), «His Finest Hour? Eisenhower, Lebanon, and the 1958 Middle East Crisis», Diplomatic History, 20 (1): 27–54 .
  • Ovendale, Ritchie (1994), «Great Britain and the Anglo-American Invasion of Jordan and Lebanon in 1958», The International History Review, 16 (2): 284–304 .
  • Tinguy, Edouard de (2007), «The Lebanese crisis of 1958 and the U.S military intervention», Paris: A. Pédone, Revue d'Histoire Diplomatique, 4  (em francês).

Ligações externasEditar