Abrir menu principal

Cristóval

freguesia de Melgaço, Portugal
Portugal Portugal Cristóval 
  Freguesia  
Igreja de Cristóval
Igreja de Cristóval
Localização no concelho de Melgaço
Localização no concelho de Melgaço
Cristóval está localizado em: Portugal Continental
Cristóval
Localização de Cristóval em Portugal
Coordenadas 42° 07' 34" N 8° 11' 57" O
País Portugal Portugal
Concelho MLG.png Melgaço
Administração
- Tipo Junta de freguesia
- Presidente António Joaquim Domingues de Sousa (PS)
Área
- Total 4,74 km²
População (2011)
 - Total 528
    • Densidade 111,4 hab./km²
Orago São Martinho
Freguesia mais setentrional de Portugal

Cristóval é uma freguesia portuguesa do concelho de Melgaço, com 4,74 km² de área e 528 habitantes (2011)[1]. A sua densidade populacional é 111,4 h/km².

Índice

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Cristoval [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
893 967 834 832 902 942 1 102 1 228 1 263 1 285 1 002 834 667 619 528
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 56 52 285 226 9,0% 8,4% 46,0% 36,5%
2011 32 41 218 237 6,1% 7,8% 41,3% 44,9%

GeografiaEditar

Localizada no extremo norte de Portugal, a freguesia de Cristóval dista nove quilómetros da sede do concelho e faz fronteira com as freguesias melgacenses de Fiães, a sul, e Paços, a oeste, para além do rio Minho e a província espanhola de Pontevedra, a norte, e o rio Trancoso e a província de Ourense, a este.

Na sua freguesia estão compreendidos os seguintes lugares: São Gregório, Cevide, Ramo, Doma, Porta, Sobreiro, Marga, Pousadas, Campo de Souto, Esquipa, Granja, Cruz, Passal, Pico, Soalheira, Casais, Poços e Pedregal.

Apesar do lugar de Cevide marcar o ponto mais setentrional de Portugal, é em São Gregório que "começa Portugal", tendo sido durante muitas décadas, o principal lugar de travessia para Espanha, através da ponte internacional que se eleva sobre o pequeno rio Trancoso, que nasce nos altos de Castro Laboreiro e garante a divisa de fronteiras com os vizinhos galegos, desde Lamas de Mouro até Cristóval, para além de em tempos lhe serem atribuídas as virtudes de curar a lepra e outras moléstias cutâneas, através das sua águas termais terapêuticas. Na mesma localidade existia também uma antiga ponte romana e ainda a estação ou posto fronteiriço, sendo muitas vezes retratado em postais, revistas e jornais de época como um marco da zona. Hoje em dia é ainda possível encontrar na região as antigas casas de fronteira dos guardas fiscais e alfandegários, que, apesar de se encontrarem em avançado estado de degradação, foram cedidas à Câmara Municipal de Melgaço e aguardam novos projectos de cariz social para a comunidade local.

No monte da Facha (topónimo que vem de Faro, Farol ou Fogueira, de origem celta), onde se situa o Santuário de Nossa Senhora de Fátima, e em tempos uma capela dedicada a São Gregório, existem gravuras rupestres e vestígios de ruínas de umas muralhas, de defesa castreja ou celta.

HistóriaEditar

Servindo de fronteira desde os tempos da fundação do Condado Portucalense, o documento mais antigo em que é mencionado o nome da freguesia remonta ao ano de 1142, sendo mais tarde referido em 1210, num registo de doação de terras por parte de João Raimundo, senhor da vila, e sua mãe, do lugar de Doma a Fiães. Em 1258, é novamente mencionado nas Inquirições Gerais de 1258.

Séculos mais tarde, durante o período da Guerra da Restauração, devido à proximidade com o território espanhol, foram registados vários conflitos, desde renhidas escaramuças a ataques violentos e organizados na localidade, sendo o caso mais gravoso o ocorrido em 1641, quando os espanhóis entraram em Portugal e incendiaram as casas e a igreja de Cristóval. Por sua vez, este evento, originou uma retaliação por parte dos portugueses, que saltaram para o outro lado da fronteira e agiram do mesmo modo. Devido a estes ataques, a população da freguesia tentou impedir a entrada dos vizinhos espanhóis no seu território através de uma vigia fortificada sobre o rio Trancoso, durante anos. Esse sítio permanece ainda hoje conhecido pelo nome de Forte ou Trincheira.

Património e Principais Pontos de InteresseEditar

GaleriaEditar

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 3 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  3. «No ponto mais a norte de Portugal: em Cevide». Viaje Comigo. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 12 de abril de 2019 
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.