Abrir menu principal

Lamas de Mouro

localidade e antiga freguesia de Melgaço, Portugal
Portugal Lamas de Mouro 
  Freguesia portuguesa extinta  
Lamas de Mouro.JPG
Lamas de Mouro está localizado em: Portugal Continental
Lamas de Mouro
Localização de Lamas de Mouro em Portugal Continental
Coordenadas 42° 3' 4" N 8° 11' 58" O
Concelho primitivo Melgaço
Extinção 28 de janeiro de 2013
Área
- Total 17,31 km²
Orago São João Baptista

Lamas de Mouro é uma antiga freguesia portuguesa do concelho de Melgaço, com 17,31 km² de área e 117 habitantes (2011)[1]. A sua densidade populacional era de 6,8 h/km². Como freguesia foi extinta e agregada pela reorganização administrativa de 2012/2013,[2] sendo o seu território integrado na União de Freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro.

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Lamas de Mouro [3]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
220 238 230 240 226 225 182 286 351 368 200 223 184 148 117
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 12 21 72 43 8,1% 14,2% 48,6% 29,1%
2011 4 9 59 45 3,4% 7,7% 50,4% 38,5%

GeografiaEditar

Situado em plena montanha, Lamas de Mouro dista cerca de dezoito quilómetros da sede do concelho de Melgaço. Confronta com São Paio, Roussas e Fiães, a norte, Gavieira (pertencente ao concelho de Arcos de Valdevez), a sul, Cubalhão e Parada do Monte, a poente, e Castro Laboreiro ainda a sudeste. Faz ainda fronteira com o rio Trancoso e o município raiano de Padrenda, pertencente à província galega de Ourense, a nascente.

É composta pelos seguintes lugares prin­cipais: Lugar de Cima, Touça, Igreja, Alcobaça, Gavião e Porto Ribeiro.

O Rio Mouro nasce nesta antiga freguesia.

HistóriaEditar

Possuindo alguns vestígios de cultura dolménica e castreja (de origem céltica), crê-se que o seu topónimo provém da designação do tipo de solos encontrados na região (lamas) e da sua posição estratégica, funcionando como segunda linha de defesa e fronteira, defendida primariamente pelo Castelo de Castro Laboreiro, durante a reconquista contra os "mouros".

No ano de 812, teve lugar no sítio de Vale de Mouro, junto ao rio Ornese, uma batalha em que lutou D. Bernardo del Carpio, parente e vassalo de D. Afonso Henriques, contra Ali-Aton, rei de Córdova, que caiu derrotado.

Durante o século XII, as primeiras referências documentais encontradas sobre a povoação revelavam que a igreja de São João Baptista de Lamas de Mouro pertencia a um antigo mosteiro de templários. Suprimidos e encarcerados pelo papado, em 1344 o cenóbio reverteu o mosteiro e povoado à Coroa, que o atribuiu mais tarde aos religiosos da Ordem de Malta, em 1349. Anos mais tarde, passou a ser abadia do Papa e ordinário.

A antiga freguesia de S. João Baptista de Lamas de Mouro pertencia até 1855 ao extinto concelho de Valadares, passando a pertencer desde então ao concelho de Melgaço.

Património e Pontos de InteresseEditar

GaleriaEditar

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 3 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  2. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  3. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.