Danilo Cabral

administrador, advogado e político brasileiro do estado de Pernambuco

Danilo Jorge de Barros Cabral é um advogado[1] e político brasileiro, do estado de Pernambuco filiado ao Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Danilo Cabral
Danilo Cabral em outubro de 2017.
Deputado Federal de Pernambuco
Período 1.º de fevereiro de 2011 até a atualidade
Vereador de Recife
Período 1.º de janeiro de 2005 até 1º de janeiro de 2009
Dados pessoais
Nome completo Danilo Jorge de Barros Cabral
Nascimento 21 de abril de 1967 (54 anos)
Surubim - Pernambuco
Nacionalidade Brasil
Progenitores Mãe: Maria do Amparo de Barros Cabral
Pai: Adalberto Farias Cabral
Partido PSB (1995-presente)
Profissão Político e advogado
linkWP:PPO#Brasil

Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019). Como deputado, votou a favor da admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[2] Já durante o Governo Michel Temer, votou contra da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[2] Em abril de 2017 foi contrário à Reforma Trabalhista.[2][3] Em agosto de 2017 votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer.[2][4]

Em dezembro de 2014, foi nomeado para a secretaria de Planejamento, pelo governador Paulo Câmara, sendo substituído por Augusto Coutinho[5]

Atualmente é Deputado Federal de Pernambuco após ser eleito nas Eleições de 2018 para o mandato 2019-2022.

Referências

  1. https://www.camara.leg.br/deputados/160528/biografia
  2. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  3. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  4. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  5. Pernambuco, Diario de (15 de dezembro de 2014). «Suplentes assumem os mandatos dos secretários que foram eleitos em outubro». Diario de Pernambuco