Abrir menu principal

Decano (em latim: Decanus) foi um termo latino que, em latim tardio, significou "chefe de dez". Se originou no exército romano tardio e passou a ser usado posteriormente para os funcionários subalternos no Império Bizantino, bem como para diversos cargos na Igreja, de onde deriva o título deão. O decano era originalmente o líder de um contubérnio,[1] o pelotão de oito legionários que viviam na mesma tenda. Não deve ser confundido com decurião, que era um título dado aos funcionários civis e os líderes de esquadrões (turmas) de cavalaria, com 30 homens. Nos textos gregos, é equivalente ao posto de decarco (dekarchos; "comandante dos dez").[2]

A partir do século IV, o termo passou a ser usado para mensageiros do palácio, em particular os do serviço do imperador. Eles também aparentemente serviram como guardas dos portões e, no século VI, João, o Lídio os igualou aos antigos lictores.[2] No Cletorológio de Filoteu, o decano (em grego: δεκανός; transl.: dekanos) foi um funcionário de nível médio, servindo sob um protoasecreta. De acordo com o Sobre as Cerimônias de meados do século X, o decano ficava "encarregado dos trabalhos imperiais", quando o imperador estava em campanha.[3] Evidência sigilográfica para os decanos bizantinos é relativamente raro, embora alguns são retratados em manuscritos iluminados, onde a sua aparência varia consideravelmente, de acordo com as suas diferentes funções.[2]

Na Igreja, o termo foi usado em monastérios para os chefes de grupos dos dez outros monges, os subalternos de baixo-escalão oficiais do patriarca de Constantinopla, e para os coveiros eclesiásticos (fossores).[2]

Referências

  1. Vegécio século V, p. II.8.13.
  2. a b c d Kazhdan 1991, p. 601.
  3. Bury 1911, p. 98.

BibliografiaEditar

  • Bury, John B. (1911). The Imperial Administrative System of the Ninth Century: With a Revised Text of the Kletorologion of Philotheos. Londres: Oxford University Press