Demolition Man

Demolition Man (O Demolidor no Brasil e Homem Demolidor em Portugal) é um filme de ação de ficção científica norte-americano de 1993 dirigido por Marco Brambilla em sua estreia na direção, e estrelado por Sylvester Stallone e Wesley Snipes. O filme foi lançado nos Estados Unidos em 8 de outubro de 1993.[4]

Demolition Man
Homem Demolidor (PRT)
O Demolidor (BRA)
Pôster de divulgação.
 Estados Unidos
1993 •  cor •  115[1] min 
Direção Marco Brambilla
Produção Howard G. Kazanjian
Michael Levy
Joel Silver
Coprodução Steven Fazekas
Jacqueline George
James Herbert
Produção executiva Steven Bratter
Pete Catalano
Aaron Schwab
Faye Schwab
Roteiro Daniel Waters
Robert Reneau
Peter M. Lenkov
História Peter M. Lenkov
Robert Reneau
Elenco Sylvester Stallone
Wesley Snipes
Sandra Bullock
Nigel Hawthorne
Benjamin Bratt
Bob Gunton
Rob Schneider
Denis Leary
Género ficção científica, comédia de ação
Música Elliot Goldenthal
Cinematografia Alex Thomson
Direção de fotografia Tom Priestley Jr.
Efeitos especiais William Butler
Joe D. Ramsey
Figurino Bob Ringwood
Edição Stuart Baird
Companhia(s) produtora(s) Silver Pictures
Distribuição Estados Unidos Warner Bros. Pictures
Brasil Warner Home Video
Lançamento Estados Unidos 8 de outubro de 1993
Portugal 21 de janeiro de 1994
Brasil 4 de fevereiro de 1994
Idioma inglês
Orçamento US$45–77 milhões[2]
Receita US$159,055,768[3]
Site oficial

O filme conta a história de dois homens, um senhor do crime do mal, o outro, um oficial da polícia cuja assunção de riscos os levam a serem criogenicamente congelados no ano de 1996 e despertados em 2032. Na sequência de um grande terremoto em 2010, que destruiu grande parte de Los Angeles, que se fundiu com San Diego para formar uma cidade planejada chamada San Angeles, em que todos os crimes foram aparentemente eliminados da sociedade.

Alguns aspectos do filme aludem ao romance distópico de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo.[5] O filme em parte, também lembra o livro 1984 de George Orwell, devido ao totalitarismo na sociedade de San Angeles, o culto de personalidade do líder, bem como a imposição da "novilíngua" (ex: pessoas são multadas por falarem palavras consideradas imorais).

SinopseEditar

A história acontece em San Angeles, uma união das cidades de Santa Mônica, San Diego e Los Angeles, em 2032. John Spartan (Sylvester Stallone), um detetive do século XX, é preso juntamente com Simon Phoenix (Wesley Snipes), um assassino, em 1996, acusado de ser o responsável pela morte de reféns de Simon. Eles passam anos na "Crio-Prisão", uma prisão no qual o prisioneiro fica congelado até o final da pena. No ano de 2032, Simon Phoenix foge da prisão, diante de uma sociedade que até então desconhecia o crime e a desordem. Portanto, John Spartan foi reabilitado para prender o criminoso.

Lenina Huxley (Sandra Bullock) é uma tenente da polícia e se envolve com John Spartan na caçada a Simon. Porém, Spartan descobre um plano do governador Dr. Raymond Cocteau (Nigel Hawthorne), que pretendia matar um líder rebelde que vivia no submundo subterrâneo. Spartan vence Simon (que acaba morrendo) e a sociedade aparentemente perfeita volta aos conceitos do século XX como sexo, liberdade individual e de expressão.

ElencoEditar

Jack Black desempenha um dos "Wasteland Scraps" no cenário underground, que se encolhe quando Spartan empurra a arma de seu rosto e diz: "E Cocteau é um idiota!"[10]

ProduçãoEditar

A General Motors forneceu à equipe de produção 18 veículos-conceito, incluindo o Ultralite. Mais de 20 réplicas de fibra de vidro do Ultralite foram produzidas para retratar veículos civis e de patrulha SAPD no filme. Após a conclusão das filmagens, os Ultralites restantes foram devolvidos ao Michigan como parte da frota de veículos-conceito da GM.[11]

O filme apresentava a demolição real de um dos edifícios da Belknap Hardware and Manufacturing Company, que não operava mais em Louisville, Kentucky.

Um dos pontos focais do filme é Taco Bell, sendo a única cadeia de restaurantes sobrevivente após "as guerras das franquias". Como a Taco Bell não possui uma ampla presença fora dos EUA, a versão europeia do filme o substitui pela Pizza Hut (outra rede da Yum! Brands), com falas re-dubladas e logotipos alterados durante a pós-produção.[12]

O filme menciona que Arnold Schwarzenegger atuou como Presidente dos Estados Unidos, depois que uma emenda constitucional foi aprovada, permitindo que ele concorresse ao cargo devido à sua popularidade. Coincidentemente, um dia antes de exatamente dez anos após o lançamento do filme, estava marcada a eleição para governador da Califórnia em 2003. A eleição viu Schwarzenegger realmente começar uma carreira política como o 38º governador da Califórnia de 2003 a 2011. Logo após ele ter sido eleito, uma "Emenda Arnold" foi proposta.[13]

Na delegacia, há na parede um poster do filme Máquina Mortífera 3.

Trilha sonoraEditar

 Ver artigo principal: Demolition Man (álbum)

A música-tema é um remix mais pesado da música originalmente gravada por Grace Jones e escrita por Sting durante seu tempo como vocalista do The Police. A música foi lançada em março de 1981, como um single avançado do quinto álbum de Jones, Nightclubbing. Sting lançou um EP com esta música e outras faixas ao vivo, intituladas Demolition Man.

Trilha sonora originalEditar

Demolition Man
Trilha sonora de Elliot Goldenthal
Lançamento 23 de novembro de 1993
Gravação Curb Records
Gênero(s) Música clássica, Música eletrônica, Vanguarda, Modernista
Duração 30:03
Gravadora(s) Varèse Sarabande,
Cat. VSD-5447
Produção Matthias Gohl

Elliot Goldenthal compôs a trilha sonora original do filme. Foi o seu segundo grande projeto de Hollywood após a trilha de Alien 3. É um exemplo de seu estilo incomparável e uso de técnicas não convencionais nas trilhas sonoras, incorporando grandes confrontos de metais e arranjos complexos e dramáticos de cordas.[14][15]

Ganhou a Goldenthal um prêmio ASCAP em 1994 por melhor trilha sonora original e foi sua primeira grande trilha sonora de filme de ação e orçamento.

Lista de faixasEditar

  1. "Dies Irae" – 1:51[16]
  2. "Fire Fight" – 1:35
  3. "Guilty as Charged" – 3:58
  4. "Action, Guns, Fun" – 1:26
  5. "Machine Waltz" – 1:56
  6. "Defrosting" – 1:43
  7. "Confronting the Chief" – 0:32
  8. "Museum Dis Duel" – 1:56
  9. "Subterranean Slugfest" – 1:44
  10. "Meeting Coctaeu" – 1:42
  11. "Tracking Simon Phoenix" – 3:03
  12. "Obligatory Car Chase" – 3:06
  13. "Flawless Pearl" – 1:15
  14. "Final Confrontation" – 1:55
  15. "Code 187" – 0:41
  16. "Silver Screen Kiss" – 1:30

Equipe/CréditoEditar

  • Música composta por Elliot Goldenthal
  • Música produzida por Matthias Gohl
  • Orquestrado por Elliot Goldenthal e Robert Elhai
  • Conduzido por Jonathan Sheffer / Adicional: Artie Kane
  • Gravado por Steve McLaughlin e Bobby Fernandez
  • Misturado por Steve McLaughlin e Joel Iwataki
  • Orquestrações adicionais de David John Olsen e Lolita Ritmanis

Controvérsia de plágioEditar

O escritor húngaro de ficção científica István Nemere diz que a maior parte de Demolition Man é baseada em seu romance Holtak harca, publicado em 1986. No romance, um terrorista e seu inimigo, um soldado antiterrorista, são congelados criogênicamente e despertados no século XXII para encontrar a violência que foi expurgada da sociedade. Nemere afirmou que um comitê provou que 75% do filme é idêntico ao livro. Ele optou por não iniciar uma ação, pois teria sido muito caro contratar um advogado e lutar contra as principais forças de Hollywood nos Estados Unidos. Ele também afirmou que Hollywood plagiou obras de muitos escritores do Leste Europeu após a queda da Cortina de Ferro e que conhece a pessoa que afirma ser responsável por vender ilegalmente sua ideia aos cineastas.[17]

Controvérsia contábilEditar

Em 2017, a empresa de empréstimo de Sylvester Stallone entrou com uma ação contra a Warner Bros. pelo desembolso dos lucros do filme.[18] O processo foi resolvido em 2019.[19]

LançamentoEditar

O filme estreou em primeiro lugar nas bilheterias.[2][20][21][22] Demolition Man faturou US$58,055,768 até o final de sua bilheteria na América do Norte e US$159,055,768 em todo o mundo.[3]

O público consultado pelo CinemaScore atribuiu ao filme uma nota média de "B" na escala A+ a F.[23]

A Warner Bros o lançou no VHS em março de 1994,[24] em DVD em outubro de 1997 e 2014,[25] e no Blu-ray em agosto de 2011.[26]

RecepçãoEditar

Reação da críticaEditar

Rotten Tomatoes dá ao filme uma taxa de aprovação de 59% com base em 41 revisões, com uma pontuação média de 5.42 / 10. O consenso do site diz: "Um tiroteio de ficção científica acima da média com uma corrente satírica, o Demolition Man é reforçado por fortes desempenhos de Sylvester Stallone, Wesley Snipes e Sandra Bullock".[27] O filme obteve uma pontuação de 34/100 no Metacritic com base em 9 revisões.[28] Kenneth Turan, do Los Angeles Times, escreveu que o filme falha em dar aos fãs de ações o que eles desejam, em vez de substituir comentários satíricos fora do lugar.[29] Vincent Canby do The New York Times, chamou de "um artefato significativo do nosso tempo ou, pelo menos, desta semana".[30] Richard Schickel, da Time, escreveu: "Alguma sátira social aguda é quase minada por explosões excessivas e lançamentos descuidados".[31]

Em Siskel & Ebert, Gene Siskel deu duas notas para baixo para o filme, criticando sua violência, mas fez elogiar o seu "roteiro inusitado engraçado." Roger Ebert elogiou o filme: "Ao contrário de tantos outros filmes de seu gênero, ele realmente tem um ângulo satírico a ele."

AdaptaçõesEditar

LiteraturaEditar

Uma adaptação em quadrinhos de quatro séries de série limitada foi publicada pela DC Comics a partir de novembro de 1993. Uma romantização, escrita por Robert Tine, também foi publicada em novembro de 1993.[32]

GamesEditar

Acclaim Entertainment e Virgin Interactive lançaram Demolition Man em vários sistemas de videogame doméstico. As versões de 16 bits estavam rodando jogos distribuídos pela Acclaim. A versão 3DO é um jogo multi-gênero que incorpora cenas Full motion video, tanto com Sylvester Stallone e Wesley Snipes reprisando seus papéis de seus personagens em cenas que foram filmadas exclusivamente para o jogo.

Em abril de 1994, Williams lançou uma máquina de pinball widebody de Demolition Man baseado no filme. Ele é projetado por Dennis Nordman. O jogo apresenta clipes de som do filme, assim como a voz original por Stallone e Snipes. Este jogo era parte da série SuperPIN da WMS (Twilight Zone, Indiana Jones, etc.).

LegadoEditar

Para comemorar o 25.º aniversário do filme, a cadeia de fast-food Taco Bell recriou a versão 2032 de San Angeles de seu restaurante na San Diego Comic-Con.[33] Dennis Rodman tinha o cabelo tingido e penteado da mesma forma que Simon Phoenix, de Snipes, antes de sua estreia no San Antonio Spurs, começando Rodman a pintar o cabelo em cores diferentes. No entanto, Snipes odiava seu penteado e raspava-o após o término das filmagens.[34] Em 4 de maio de 2020, Stallone confirmou, durante uma sessão de perguntas e respostas no Instagram, que uma sequência está atualmente em desenvolvimento.[35]

PremiaçõesEditar

  • Indicado
Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films[36]
Categoria Melhor Figurino Bob Ringwood
Categoria Melhor filme de Ficção Científica
Categoria Melhor Efeitos Especiais Michael J. McAlister e Kimberly K. Nelson
  • Indicado
MTV Movie Awards[37]
Categoria Melhor Vilão Wesley Snipes.
  • Ganhou
ASCAP Film and Television Music Awards[38]
Top Box Office Films Elliot Goldenthal.
  • Indicado
Framboesa de Ouro[39]
Categoria Pior Atriz Coadjuvante Sandra Bullock.
  • Demi Moore fez teste para lenina huxley ■ antes do ator wesley snipes interpretar o demolidor, varios atores estiveram cotados jamie foxx, tyrese gibson, Don crealdle, ice cube, Derek luke, 50 cent, will i am.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «DEMOLITION MAN (15)». British Board of Film Classification. Consultado em 15 de março de 2018 
  2. a b Galbraith, Jane (12 de outubro de 1993). «Hoping for a Box Office Blowout on 'Demolition Man'». Los Angeles Times. Consultado em 15 de março de 2018 
  3. a b «Demolition Man – Box Office Data, Movie News, Cast Information». The Numbers. Consultado em 1 de junho de 2010 
  4. Wong, Stacy (16 de abril de 1993). «Irvine Cast as Futuristic L.A. : Movie: Action-thriller starring Wesley Snipes and Sylvester Stallone is being filmed in the city this week.». The Los Angeles Times. Consultado em 8 de novembro de 2010 
  5. a b James, Caryn (24 de outubro de 1993). «FILM VIEW; 'Demolition Man' Makes Recycling an Art — The». New York Times. Consultado em 9 de março de 2009 
  6. «The Jean-Claude Van Damme/Steven Seagal Movie That Never Will Be...'Demolition Man'». MTV. 3 de março de 2008. Consultado em 16 de maio de 2011 
  7. Dickerson, Jeff (4 de abril de 2002). «Black Delights in Demolition Man». The Michigan Daily. Consultado em 19 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2007 
  8. Ayscough, Suzan (18 de março de 1993). «Bullock in for Petty on 'Man'». Variety. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  9. Rob Schneider (em inglês) no IMDb
  10. Jack Black (em inglês) no IMDb
  11. «How Many Ultralite Concept Vehicles Were There?». GM Heritage Center. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2011 
  12. «Demolition Man (Comparison: US Version - European Version)». Movie-Censorship.com. Consultado em 16 de abril de 2015 
  13. Hertzberg, Hendrik (29 de setembro de 2003). «Strongman». The New Yorker. Consultado em 23 de outubro de 2017 
  14. Demolition Man - Elliot Goldenthal
  15. Filmtracks: Demolition Man (Elliot Goldenthal)
  16. http://www.allmusic.com/album/demolition-man-mw0000105180
  17. «Nemere István: A cenzúra a fejekben van». Origo.hu (em Hungarian). Consultado em 28 de novembro de 2010 
  18. Mumford, Gwilym (13 de abril de 2017). «Sylvester Stallone sues Warner Bros for 'dishonesty' over Demolition Man profits». The Guardian. Consultado em 11 de julho de 2017 
  19. Maddaus, Gene (8 de maio de 2019). «Sylvester Stallone Settles 'Demolition Man' Profits Dispute». Variety 
  20. Fox, David J. (12 de outubro de 1993). «Weekend Box Office Stallone, Snipes: Action at Box Office». Los Angeles Times. Consultado em 27 de outubro de 2010 
  21. Fox, David J. (19 de outubro de 1993). «Weekend Box Office : 'Demolition Man' Fends Off 'Hillbillies'». Los Angeles Times. Consultado em 30 de dezembro de 2010 
  22. Horn, John (15 de outubro de 1993). «Demolition man' explodes into charts at no. 1». Chicago Tribune. Consultado em 19 de setembro de 2010 
  23. «CinemaScore». cinemascore.com 
  24. Hunt, Dennis (4 de março de 1994). «'Fugitive' Runs Home : Movies: Even though the hit film is back in theaters, Warners rushes its video release on the heels of Oscar nominations.». Los Angeles Times. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  25. «Action On DVD and Blu-ray 1997». MovieWeb. Consultado em 23 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2014 
  26. Zupan, Michael (25 de agosto de 2011). «Demolition Man (Blu-ray)». DVD Talk. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  27. «Demolition Man (1993)». Rotten Tomatoes. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  28. «Demolition Man Reviews». Metacritic. Consultado em 7 de junho de 2014 
  29. Turan, Kenneth (8 de outubro de 1993). «Demolition Man: Another Killer Blond». Los Angeles Times. Consultado em 10 de setembro de 2010 
  30. Canby, Vincent (8 de outubro de 1993). «Review/Film; Waking Up In a Future Of Muscles». The New York Times. Consultado em 10 de setembro de 2010 
  31. Schickel, Richard (18 de outubro de 1993). «Futuristic Face-Off». Time. Consultado em 19 de setembro de 2010 
  32. Tine, Robert (25 de novembro de 1993). Demoliton Man. [S.l.]: Signet Books. ISBN 0451180798. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  33. Salemme, Danny (3 de julho de 2018). «Taco Bell Recreating Demolition Man Restaurant At SDCC 2018». Screen Rant. Consultado em 4 de julho de 2018 
  34. Schedeen, Jesse (17 de setembro de 2018). «11 Things You Didn't Know About 'Demolition Man'». moviefone.com. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  35. Demolition Man 2 in the Works at Warner Bros. - IGN (em inglês), consultado em 4 de maio de 2020 
  36. «IMDB Awards» 
  37. «IMDB Awards» 
  38. «IMDB Awards» 
  39. «Folha Online». Consultado em 17 de julho de 2010 

Ligações externasEditar