Drama

qualquer narrativa no âmbito da prosa literária em que haja conflito ou atrito
 Nota: Para outros significados, veja Drama (desambiguação).

Drama é o modo específico de ficção representado na performance: uma peça, ópera, mímica, balé, etc., realizada em um teatro, rádio ou televisão.[1] Considerado como um gênero de poesia em geral, o modo dramático tem sido contrastado com os modos épico e lírico desde a Poética de Aristóteles (c. 335 a.C.), o primeiro trabalho da teoria dramática.[2]

Representação de uma cena da peça de Shakespeare, Ricardo III

O termo "drama" vem de uma palavra grega que significa "ação" ou "ato" (em grego: δρᾶμα, drâma), que é derivado de "eu faço" (em grego: δράω, dráō). As duas máscaras associadas ao drama representam a tradicional divisão genérica entre comédia e tragédia.

Em inglês (como era o caso análogo em muitas outras línguas europeias), a palavra play (peça) ou game (traduzindo do anglo-saxão pleġan ou do latim ludus) era o termo padrão para dramas até a época de William Shakespeare — assim como seu criador era um play-maker (criador de peças) em vez de um dramaturgo e o edifício era uma play-house (casa teatral) em vez de um teatro.[3]

O uso de "drama" em um sentido mais restrito para designar um tipo específico de peça data da era moderna. "Drama", neste sentido, refere-se a uma peça que não é comédia nem tragédia, como Thérèse Raquin (1873) de Zola ou Ivanov (1887) de Chekhov. É esse sentido mais restrito que as indústrias cinematográfica e televisiva, juntamente com a filmologia, adotaram para descrever o "drama" como um gênero dentro de suas respectivas mídias. O termo "drama radiofônico" tem sido usado em ambos os sentidos — originalmente transmitido em uma apresentação ao vivo. Também pode ser usado para se referir ao final mais intelectual e sério da produção dramática do rádio.[4]

A encenação do drama no teatro, realizada por atores em um palco diante de uma plateia, pressupõe modos de produção colaborativos e uma forma coletiva de recepção. A estrutura dos textos dramáticos, ao contrário de outras formas de literatura, é diretamente influenciada por essa produção colaborativa e recepção coletiva.[5]

A mímica é uma forma de drama onde a ação de uma história é contada apenas através do movimento corporal. O drama pode ser combinado com a música: o texto dramático na ópera é geralmente cantado; como em alguns balés, a dança "expressa ou imita emoção, caráter e ação narrativa".[6] Os musicais incluem diálogos falados e canções; e algumas formas de drama têm música incidental ou acompanhamento musical enfatizando o diálogo (melodrama e japonês , por exemplo).[7] O drama de armário é uma forma que se destina a ser lida, em vez de representada.[8] Em improvisação, o drama não preexiste ao momento da performance; os performers elaboram um roteiro dramático espontaneamente diante de uma plateia.[9]

Ver também editar

Referências

  1. Elam (1980, 98).
  2. Francis Fergusson escreve que "um drama, ao contrário de uma lírica, não é principalmente uma composição no meio verbal; as palavras resultam, como se poderia dizer, da subjacente estrutura do incidente e do personagem. Como observa Aristóteles, 'o poeta deve ser o criador de enredos e não de versos; pois ele é um poeta porque imita, e o que ele imita são ações.'" (1949, 8).
  3. Wickham (1959, 32–41; 1969, 133; 1981, 68–69). O sentido do criador de peças como um "criador" em vez de um "escritor" é preservado na palavra playwright. The Theatre, um dos primeiros teatros construídos especificamente em Londres, foi uma referência intencional ao termo latino para aquele teatro em particular, em vez de um termo para os edifícios em geral (1967, 133). A palavra 'dramatist' "naquela época ainda era desconhecida na língua inglesa" (1981, 68).
  4. Banham (1998, 894–900).
  5. Pfister (1977, 11).
  6. Encyclopædia Britannica
  7. Ver as entradas para "ópera", "teatro musical, americano", "melodrama" e "Nō" em Banham (1998).
  8. O Manfredo de Byron, por exemplo, é um bom exemplo de "poema dramático". Veja a entrada em "Byron (George George)" em Banham (1998).
  9. Algumas formas de improvisação, notadamente a commedia dell'arte, improvisam com base em 'lazzi' ou esboços grosseiros de ação cênica (ver Gordon (1983) e Duchartre (1929)). Todas as formas de improvisação se baseiam na resposta imediata de um ao outro, nas situações de seus personagens (que às vezes são estabelecidas com antecedência) e, muitas vezes, em sua interação com o público. As formulações clássicas de improvisação no teatro originaram-se com Joan Littlewood e Keith Johnstone no Reino Unido e Viola Spolin nos Estados Unidos; ver Johnstone (1981) e Spolin (1963).

Bibliografia editar

  • Banham, Martin, ed. 1998. The Cambridge Guide to Theatre. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-43437-8.
  • Baumer, Rachel Van M., and James R. Brandon, eds. 1981. Sanskrit Theatre in Performance. Delhi: Motilal Banarsidass, 1993. ISBN 978-81-208-0772-3.
  • Bevington, David M. 1962. From Mankind to Marlowe: Growth of Structure in the Popular Drama of Tudor England. Cambridge, MA: Harvard University Press.
  • Bhatta, S. Krishna. 1987. Indian English Drama: A Critical Study. New Delhi: Sterling.
  • Brandon, James R. 1981. Introduction. In Baumer and Brandon (1981, xvii–xx).
  • Brandon, James R., ed. 1997. The Cambridge Guide to Asian Theatre.' 2nd, rev. ed. Cambridge: Cambridge UP. ISBN 978-0-521-58822-5.
  • Brockett, Oscar G. and Franklin J. Hildy. 2003. History of the Theatre. Ninth edition, International edition. Boston: Allyn and Bacon. ISBN 0-205-41050-2.
  • Brown, Andrew. 1998. "Ancient Greece." In The Cambridge Guide to Theatre. Ed. Martin Banham. Cambridge: Cambridge UP. 441–447. ISBN 0-521-43437-8.
  • Burt, Daniel S. 2008.The Drama 100: A Ranking of the Greatest Plays of All Time. Facts on File ser. New York: Facts on File/Infobase. ISBN 978-0-8160-6073-3.
  • Callery, Dympha. 2001. Through the Body: A Practical Guide to Physical Theatre. London: Nick Hern. ISBN 1-854-59630-6.
  • Carlson, Marvin. 1993. Theories of the Theatre: A Historical and Critical Survey from the Greeks to the Present. Expanded ed. Ithaca and London: Cornell University Press. ISBN 978-0-8014-8154-3.
  • Cartledge, Paul. 1997. "'Deep Plays': Theatre as Process in Greek Civic Life." In Easterling (1997c, 3–35).
  • Chakraborty, Kaustav, ed. 2011. Indian English Drama. New Delhi: PHI Learning.
  • Deshpande, G. P., ed. 2000. Modern Indian Drama: An Anthology. New Delhi: Sahitya Akedemi.
  • Dillon, Janette. 2006. The Cambridge Introduction to Early English Theatre. Cambridge Introductions to Literature ser. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-83474-2.
  • Duchartre, Pierre Louis. 1929. The Italian Comedy. Unabridged republication. New York: Dover, 1966. ISBN 0-486-21679-9.
  • Dukore, Bernard F., ed. 1974. Dramatic Theory and Criticism: Greeks to . Florence, Kentucky: Heinle & Heinle. ISBN 0-03-091152-4.
  • Durant, Will & Ariel Durant. 1963 The Story of Civilization, Volume II: The Life of Greece. 11 vols. New York: Simon & Schuster.
  • Easterling, P. E. 1997a. "A Show for Dionysus." In Easterling (1997c, 36–53).
  • Easterling, P. E. 1997b. "Form and Performance." In Easterling (1997c, 151–177).
  • Easterling, P. E., ed. 1997c. The Cambridge Companion to Greek Tragedy. Cambridge Companions to Literature ser. Cambridge: Cambridge UP. ISBN 0-521-42351-1.
  • Ehrlich, Harriet W. 1974. "Creative Dramatics as a Classroom Teaching Technique." Elementary English 51:1 (January):75–80.
  • Elam, Keir. 1980. The Semiotics of Theatre and Drama. New Accents Ser. London and New York: Methuen. ISBN 0-416-72060-9.
  • Fergusson, Francis. 1949. The Idea of a Theater: A Study of Ten Plays, The Art of Drama in a Changing Perspective. Princeton, New Jersey: Princeton UP, 1968. ISBN 0-691-01288-1.
  • Goldhill, Simon. 1997. "The Audience of Athenian Tragedy." In Easterling (1997c, 54–68).
  • Gordon, Mel. 1983. Lazzi: The Comic Routines of the Commedia dell'Arte. New York: Performing Arts Journal Publications. ISBN 0-933826-69-9.
  • Gutzwiller, Kathryn. 2007. A Guide to Hellenistic Literature. London: Blackwell. ISBN 0-631-23322-9.
  • Harsh, Philip Whaley. 1944. A Handbook of Classical Drama. Stanford: Stanford UP; Oxford: Oxford UP.
  • Johnstone, Keith. 1981. Impro: Improvisation and the Theatre Rev. ed. London: Methuen, 2007. ISBN 0-7136-8701-0.
  • Ley, Graham. 2006. A Short Introduction to the Ancient Greek Theater. Rev. ed. Chicago and London: U of Chicago P. ISBN 0-226-47761-4.
  • Neog, Maheswar (1980). Early History of the Vaiṣṇava Faith and Movement in Assam: Śaṅkaradeva and His Times (em inglês). [S.l.]: Motilal Banarsidass Publishe. ISBN 978-81-208-0007-6 
  • O'Brien, Nick. 2010. Stanislavski In Practise. London: Routledge. ISBN 978-0415568432.
  • O'Brien, Nick. 2007. The Theatricality of Greek Tragedy: Playing Space and Chorus. Chicago and London: U of Chicago P. ISBN 0-226-47757-6.
  • Pandey, Sudhakar, and Freya Taraporewala, eds. 1999. Studies in Contemporary India. New Delhi: Prestige.
  • Pfister, Manfred. 1977. The Theory and Analysis of Drama. Trans. John Halliday. European Studies in English Literature Ser. Cambridige: Cambridge University Press, 1988. ISBN 0-521-42383-X.
  • Rémy, Tristan. 1954. Jean-Gaspard Deburau. Paris: L’Arche.
  • Rehm, Rush. 1992. Greek Tragic Theatre. Theatre Production Studies ser. London and New York: Routledge. ISBN 0-415-11894-8.
  • Richmond, Farley. 1998. "India." In Banham (1998, 516–525).
  • Richmond, Farley P., Darius L. Swann, and Phillip B. Zarrilli, eds. 1993. Indian Theatre: Traditions of Performance. U of Hawaii P. ISBN 978-0-8248-1322-2.
  • Spivack, Bernard. 1958. Shakespeare and the Allegory of Evil: The History of a Metaphor in Relation to his Major Villains. NY and London: Columbia UP. ISBN 0-231-01912-2.
  • Spolin, Viola. 1967. Improvisation for the Theater. Third rev. ed Evanston, II Northwestern University Press, 1999. ISBN 0-8101-4008-X.
  • Taxidou, Olga. 2004. Tragedy, Modernity and Mourning. Edinburgh: Edinburgh UP. ISBN 0-7486-1987-9.
  • Wickham, Glynne. 1959. Early English Stages: 1300–1660. Vol. 1. London: Routledge.
  • Wickham, Glynne. 1969. Shakespeare's Dramatic Heritage: Collected Studies in Mediaeval, Tudor and Shakespearean Drama. London: Routledge. ISBN 0-710-06069-6.
  • Wickham, Glynne, ed. 1976. English Moral Interludes. London: Dent. ISBN 0-874-71766-3.
  • Wickham, Glynne. 1981. Early English Stages: 1300–1660. Vol. 3. London: Routledge. ISBN 0-710-00218-1.
  • Wickham, Glynne. 1987. The Medieval Theatre. 3rd ed. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-31248-5.
  • Weimann, Robert. 1978. Shakespeare and the Popular Tradition in the Theater: Studies in the Social Dimension of Dramatic Form and Function. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-3506-2.
  • Weimann, Robert. 2000. Author's Pen and Actor's Voice: Playing and Writing in Shakespeare's Theatre. Ed. Helen Higbee and William West. Cambridge Studies in Renaissance Literature and Culture. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-78735-1.

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Drama