Economia do Panamá

Economia do Panamá
Navio no Canal do Panamá.
Moeda Balboa, junto com o dólar americano
Ano fiscal ano calendário
Blocos comerciais OMC
Banco Central HSBC
Estatísticas
PIB 93.12 bilhões (2016) (92º lugar)
Variação do PIB 5,4% (2017)
PIB per capita 13 357 (2017)
PIB por setor agricultura 3,8%, indústria 17,5%, serviços 78,7% (2012)
Inflação (IPC) 5,7% (2012)
População
abaixo da linha de pobreza
23% (2015)
Coeficiente de Gini 0,519 (2010)
Força de trabalho total 1 517 000 (2012)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 17%, indústria 18,6%, serviços 64,4% (2009)
Desemprego 4,4% (2012)
Principais indústrias construção civil, cerveja, cimento e outros materiais de construção, refino de açúcar
Exterior
Exportações 18,91 bilhões (2012)
Produtos exportados ouro, banana, camarão, açúcar, resíduos de ferro e aço, abacaxi, melancia
Principais parceiros de exportação Coreia do Sul 15,7%, Estados Unidos 14,9%, Japão 8,3%, Honduras 7,8%, Indonésia 5,9%, Tailândia 5,3% (2012)
Importações 24,69 bilhões (2012)
Produtos importados combustíveis, medicamentos, veículos, cabos e barras de aço
Principais parceiros de importação Estados Unidos 23,6%, República Popular da China 6,4%, Costa Rica 4,6%, México 4,4% (2012)
Dívida externa bruta 14,2 bilhões (2012)
Finanças públicas
Receitas 9 070 milhões (2012)
Despesas 9 835 milhões (2012)
Fonte principal: [[1] The World Factbook]
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

As economia do Panamá apóia-se num bem desenvolvido setor de serviços, que responde por 3/4 do Produto Interno Bruto. Os serviços estão associados à operação do Canal do Panamá, cujo controle total passou ao país em 1999, e também ao setor bancário e à zona de livre comércio de Colón, além do aluguel da bandeira panamenha para registro de navios.

A "Ponte das Américas" à noite.

Os principais cultivos são a banana, a cana-de-açúcar, o arroz, o milho e o café. A pesca é uma das atividades mais importantes do país. O principal produto mineral é o sal. Os produtos industriais abastecem somente o mercado local.

Setor primárioEditar

Cerca do 9% do solo do Panamá está cultivado. A maior parte da sua produção agrícola obtém-se em explorações de caráter comercial e está destinada à exportação. Os principais cultivos e grupos de cultivos, segundo dados de 2006, são: cana de açúcar (1,77 milhões de t.); frutas (659.283 t), principalmente banana, e laranja; arroz (280.000 t.); milho (70.000 t.); café (13.153) e tomate.

Em 2018, o Panamá produziu 2,9 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, 400 mil toneladas de banana, 314 mil toneladas de arroz, 112 mil toneladas de milho, 109 mil toneladas de abacaxi, 46 mil toneladas de óleo de palma, 40 mil toneladas de laranja, além de produções menores de outros produtos agrícolas como melancia, mandioca, coco, cebola, batata, tomate, inhame etc. [2]

Em 2006 a pecuária contava 1,56 milhões de cabeças de gado bovino, 286.200 de suínos e aproximadamente 14,9 milhões de aves de granja.

Os produtos florestais do Panamá estão conformados por uma ampla variedade de madeiras. O país conta com reservas florestais consideráveis, quase 57% do seu território, às vezes difíceis de explorar devido à deficiente infra-estrutura do transporte. Em 2006 a produção anual de madeira era de 1,35 milhões de m³.

Setores secundário e terciárioEditar

A indústria do Panamá está basicamente orientada para a satisfação da demanda doméstica. O país depende sobretudo do seu setor de serviços de transporte e logística orientados para o comércio mundial, tendo como centro o Canal do Panamá. Ao redor do Canal estão portos de transbordo de contêineres, zonas francas de comércio, ferrovias e o maior entroncamento aéreo de passageiros da América Latina. Também conta com o maior centro financeiro Latino-Americano.

Referências

  1. CIA. «The World Factbook». Consultado em 8 de novembro de 2013 
  2. Panama production in 2018, by FAO


  Panamá
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Bandeira • Portal • Imagens