Editar Adhiambo Ochieng

Editar Adhiambo Ochieng é uma activista do Quénia que advoga e defende os direitos das mulheres, e ajuda sobreviventes de violência sexual.

Em 2020, ela tornou-se na primeira vencedora do Prémio Wangari Maathai no Quénia pela sua contribuição para conter a propagação da pandemia COVID-19 nos bairros de lata de Kibera.[1][2][3]

Infância e juventudeEditar

Ochieng nasceu e foi criada em Kibera,[2] um dos maiores bairros de lata de Nairóbi.[4] Ela foi violada aos seis anos e novamente violada por um gangue aos 16, acto após o qual os seus agressores se gabaram do crime. Ela aponta para essas experiências pessoais como exemplos da violência sexual normalizada contra as mulheres, bem como a força das mulheres para viver, motivação para o seu activismo.[3]

CarreiraEditar

Ochieng dirige o Centro Feminista pela Paz, Direitos Humanos e Justiça em Kibera,[2] que ela fundou. Ela é uma feminista interseccional e o seu objectivo é uma sociedade que "possibilite o pleno desenvolvimento, segurança, acesso a direitos iguais, justiça justa e autorrealização de mulheres jovens". O seu centro tem como objectivo desenvolver liderança entre mulheres jovens, servindo como uma plataforma de rede e organização multigeracional.[5] Ela incentiva as mulheres a contar as suas histórias, aumentando a consciencialização e o apoio, divulgando a semelhança dessas experiências. O centro que ela dirige serve como uma rede de apoio para mulheres vulneráveis, como aquelas que abandonam relacionamentos abusivos.[3] De acordo com o governo do Quênia, 45% das mulheres e meninas de 15 a 49 anos sofreram violência. Muitos casos não são notificados e poucos recebem assistência médica ou justiça.[2]

Editar também fornece produtos sanitários para mulheres vulneráveis, apoia a implementação da Resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas como uma forma de incluir as mulheres nos planos de paz e segurança e educa as mulheres sobre os seus direitos constitucionais. Ela é também uma organizador Toolkit com a Peace Brigades International Kenya, colaborando com outras mulheres de Nairobi defensoras dos direitos humanos (WHRD).[3]

Durante a pandemia COVID-19, ela coordenou serviços de porta em porta, doações de alimentos e máscaras reutilizáveis para sobreviventes de violência sexual e mulheres vulneráveis na comunidade, além de fornecer informações aos moradores locais sobre a pandemia.[2] Foi palestrante durante a discussão anual sobre os direitos humanos das mulheres realizada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, sobre o tema COVID-19 e os direitos das mulheres.[6] Ela competiu sem sucesso por uma cadeira parlamentar no circulo eleitoral de Kibra na lista do partido Ukweli durante a eleição parcial de 7 de novembro de 2019, obtendo 59 votos de um total de 41.984.[7]

Referências

  1. pm, Michael Musyoka on 9 June 2020-2:39. «Former Kibra Aspirant Editar Ochieng' Wins Wangari Maathai Award». Kenyans.co.ke (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2020 
  2. a b c d e «Kibra Activist Editar Ochieng' Wins Wangari Maathai Award». Muhabarishaji (em inglês). 9 de junho de 2020. Consultado em 28 de junho de 2020 
  3. a b c d «Editar Adhiambo Ochieng, Kenyan Woman Human Rights Defender | PBI United Kingdom». peacebrigades.org.uk. Consultado em 28 de junho de 2020 
  4. «A Trip Through Kenya's Kibera Slum». International Medical Corps. 27 de março de 2006. Consultado em 31 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  5. «Faces of 4 brilliant, youthful Kenyan women doing greatness behind progressive politics arena». www.msn.com. Consultado em 8 de março de 2021 
  6. «HUMAN RIGHTS COUNCIL HOLDS SECOND PANEL OF ITS ANNUAL FULL-DAY DISCUSSION ON THE HUMAN RIGHTS OF WOMEN ON COVID-19 AND WOMEN'S RIGHTS, THEN HOLDS INTERACTIVE DIALOGUE WITH THE COMMISSION OF INQUIRY ON BURUNDI | UN GENEVA». www.ungeneva.org. Consultado em 8 de março de 2021 
  7. am, John Paul Simiyu on 8 November 2019-7:52. «IEBC Announces Kibra Final Tally [VIDEO]». Kenyans.co.ke (em inglês). Consultado em 8 de março de 2021