Abrir menu principal
Edmond Audran
Edmond Audran por Pierre Petit,
Biblioteca Nacional da França.
Informação geral
Nascimento 12 de abril de 1840
Local de nascimento Lyon
Morte 17 de agosto de 1901 (61 anos)
Local de morte Tierceville
Nacionalidade França francesa
Gênero(s) opereta
Ocupação(ões) compositor
Outras ocupações organista
Influência(s) Jules Duprato

Achille Edmond Audran (Lyon, 12 de abril de 1840[1]Tierceville, 17 de agosto de 1901) foi um compositor francês mais conhecido por suas várias operetas que alcançaram sucesso internacional, incluindo: Les noces d'Olivette (1879), La Mascotte (1880), Gillette de Narbonne (1882), La cigale et la fourmi (1886), Miss Helyett (1890), e La poupée (1896).

Após o sucesso inicial de Audran em Paris, suas obras se tornaram também uma presença regular no teatro West End de Londres, em adaptações que Audran supervisionava. La Mascotte foi o seu maior sucesso entre seus muitos trabalhos.

Índice

Juventude e carreiraEditar

Audran nasceu em Lyon, filho de Marius-Pierre Audran (1816-1887), que teve uma carreira como tenor na Opéra-Comique.[2] Estudou música na École Niedermeyer com o mestre Jules-Laurent Duprato,[3] onde ganhou o prêmio de composição em 1859.[4] Em 1861, sua família mudou-se para Marselha, onde seu pai aceitou o cargo de professor de canto, tornando-se posteriormente diretor do conservatório.[2]

Lá, Audran tornou-se organista da igreja de São José, para a qual escreveu músicas religiosas incluindo, em 1873, uma missa que também foi executada em Paris, na igreja de Santo Eustáquio.[2] Audran fez sua primeira aparição como compositor dramático em Marselha com L'Ours et le Pacha (1862), uma versão musical de um dos vaudevilles de Eugène Scribe. Este foi seguido por La Chercheuse d'Esprit (1864), uma ópera cômica, também produzida em Marselha.[5] Entre as composições de Audran está uma marcha fúnebre sobre a morte de Giacomo Meyerbeer, que foi executada com algum sucesso; algumas canções no dialeto provençal, incluindo La cour d'amour (Marselha, 1881), e várias peças sacras. Ele produziu uma missa (Marselha, 1873), um oratório, La sulamite (Marselha, 1876), Adoro te, um moteto (Paris, 1882) e várias obras menores, mas é conhecido quase que exclusivamente como compositor de ópera cômica.[2][5]

OperetasEditar

Enquanto ainda estava em Marselha, Audran escreveu meia dúzia de operetas, sendo a mais famosa delas Le grand mogol (1877), com libreto de Henri Chivot e Alfred Duru. Ele chegou a revisá-la para uma produção em Paris, em 1884.[2] Em 1879 se mudou para Paris, "onde inicialmente ocupou um quarto humilde em um sótão",[4] mas logo prosperou com o sucesso de Les noces d'Olivette (1879), que teve " uma enorme popularidade”.[4] O trabalho rapidamente encontrou o seu caminho para Londres (como Olivette), em uma tradução inglesa feita por Henry Brougham Farnie, e foi apresentada por mais de um ano no Royal Strand Theatre (1880-1881).[5] O crítico da Pall Mall Gazette, prevendo "um brilhante e duradouro sucesso", escreveu: "Bizet em sua Carmen não foi tão bem sucedido na captura da atmosfera da Andaluzia, quanto foi Audran em atribuir a Les Noces d'Olivette a atmosfera da Provença".[6]

Após Audran se mudar para Paris, a maioria de suas peças de teatro estreou lá antes de ser apresentada no exterior, mas quatro de suas obras foram estreadas em outros lugares: La paradis de Mahomet (Bruxelas, 1887), Photis (Genebra, 1896), Indiana (Manchester, 1886) e La reine des reines (Estrasburgo, 1896).[3][7] Em Paris, o sucesso de La Mascotte (1880) foi tão grande que o intendente do Théâtre des Bouffes-Parisiens e Audran firmaram um contrato de cinco anos, segundo o qual Audran não poderia compor para nenhum outro teatro de Paris.[8] Audran trabalhou com um grande número de libretistas, mas seus colaboradores mais frequentes foram Maxime Boucheron, Chivot, Duru e Maurice Ordonneau.

A música de Audran teve a mesma aceitação na Inglaterra como na França, e à exceção de uns poucos trabalhos foram feitas adaptações para o inglês em teatros de Londres. As mais bem sucedidas de muitas óperas cômicas de Audran foram: Le grand mogol (Marselha, 1877; Paris, 1884; Londres, como The Grand Mogul, 1884 com libreto de Farnie, estrelado por Florence St. John, Fred Leslie e Arthur Roberts;[9] Nova York como The Snake Charmer, 1881);[10] La Mascotte (Paris, 1880; Nova York, 1881;[11] Londres, como The Mascotte, 1881 com um libreto por Farnie, e elenco incluindo Lionel Brough e Henry Bracy);[12] Gillette de Narbonne (Paris, 1882; Londres, como Gillette, 1883, libreto por Savile Clarke, com música adicional de Walter Slaughter e Hamilton Clarke);[13] La cigale et la fourmi (a cigarra e a formiga) (Paris, 1886; Londres, como La Cigale, 1890; versão inglesa por F. C. Burnand, estrelando Geraldine Ulmar, Eric Lewis e Brough);[14] Miss Helyett (Paris, 1890; Londres, como Miss Decima, 1891, libreto por Burnand);[15] e La poupée (Paris, 1896; Londres, 1897, libreto por Arthur Sturgess, estrelando Courtice Pounds e Willie Edouin).[16]

Últimos anos e morteEditar

Durante seus últimos anos, Audran sofreu de doença mental e física e foi forçado se afastar da sociedade parisiense.[2] Morreu em Tierceville, na costa norte da França aos 61 anos de idade.[17]

Avaliação críticaEditar

De acordo com a Encyclopædia Britannica de 1911, Audran foi um dos melhores sucessores de Jacques Offenbach. "Ele tinha um pouco do humor de Offenbach, mas sua música é distinguida por uma elegância e um refinamento da forma que a eleva acima do nível da ópera bufa para os confins de uma verdadeira ópera cômica. Ele foi um fértil se não um melodista muito original, e sua orquestração é cheia de variedades, sem ser indiscreta ou vulgar. Muitas de suas óperas, La Mascotte em particular, revelam um grau de musicalidade que raramente é associado com as produções efêmeras da ópera cômica".

Poucos trabalhos de Audran foram gravados, mas um conjunto francês de La Mascotte foi lançado em 1957.[18]

Notas

  1. "Audran, Edmond" (em inglês) por Andrew Lamb em Grove Music Online. Outras fontes, nomeadamente a Encyclopædia Britannica (edição de 1911), vol 2, p. 899 (em inglês), dá a data como 11 de abril de 1842
  2. a b c d e f Andrew Lamb. "Audran, Edmond". (em inglês) The New Grove Dictionary of Opera, editado por Stanley Sadie. Grove Music Online. Oxford Music Online
  3. a b Slonimsky, Nicolas (ed). "Audran, (Achille) Edmond". Baker's Biographical Dictionary of Musicians, vol. 1, Schirmer Reference, 2001
  4. a b c Obituário, The Musical Times, setembro de 1901, pp. 620–21
  5. a b c "Audran, Edmond", Encyclopædia Britannica, 1911 edition
  6. "Olivette at the Strand Theatre", The Pall Mall Gazette, 27 de setembro de 1880, p. 11
  7. Grove e Baker dão o local e data da estreia de Indiana como Londres, 11 de outubro de 1886, mas na verdade, ela estreiou em Manchester, em 4 de outubro antes da apresentação em Londres na semana seguinte. Veja "Indiana at Manchester", The Daily News, 5 de outubro de 1886, p. 5; e "The London Theatres", The Era, 16 de outubro de 1886, p. 14
  8. "The Drama in Paris", The Era, 29 de janeiro de 1881, p. 5
  9. The Times, 19 de novembro de 1884, p. 6
  10. "Edmond Audran". The Guide to Light Opera & Operetta
  11. "The Drama in America", The Era, 25 de junho de 1881, p. 4
  12. "Last Night's Theatricals", Reynolds's Newspaper, 16 de outubro de 1881, p. 8
  13. "Royalty Theatre", The Daily News, 21 de novembro de 1883, p. 6
  14. "Lyric Theatre", The Times, 10 de outubro de 1890, p. 7
  15. "The London Theatres", The Era, 26 de julho de 1891, p. 7
  16. The London Theatres, The Era, 27 de fevereiro de 1897, p. 9
  17. Algumas fontes indicam que sua idade era de 59 anos: veja nota 1, acima. O artigo da Encyclopædia Britannica de 1911 e o obituário do Musical Times dão o local e data da morte como Paris, 16 de agosto de 1901.
  18. Pequenos trechos do conjunto podem ser ouvidos aqui

Referências

Ligações externasEditar