Eduardo Rodrigues da Costa

industrial e proprietário português
Eduardo Rodrigues da Costa
Nascimento 2 de junho de 1860
Lisboa
Morte 7 de julho de 1912 (52 anos)
Lisboa
Sepultamento Cemitério dos Prazeres
Cidadania Portugal
Progenitores Mãe:Ana Paula da Conceição
Pai:José Inácio da Costa
Cônjuge Matilde Emília de Sales
Irmão(s) José Inácio Paulo da Costa
Ocupação industrial, proprietário, bombeiro
Ideologia política republicanismo

Eduardo Rodrigues da Costa (Santa Catarina, Lisboa, 2 de junho de 1860São Julião, Lisboa, 7 de julho de 1912)[1][2] foi um industrial, proprietário, bombeiro e capitalista republicano da aristocracia lisboeta de finais do século XIX e início do século XX.

BiografiaEditar

Eduardo Rodrigues da Costa nasceu em Lisboa, freguesia de Santa Catarina, no número 21 da Travessa da Laranjeira, no bairro da Bica, a 2 de junho de 1860, filho de José Inácio da Costa (1836-1896), filantropo, industrial e proprietário republicano, reputado diretor da Companhia Nacional de Conservas, natural da vila de Colares, onde também faleceu, localidade que muito estimava, tendo sido o seu maior benemérito, possuidor de uma grande fortuna, vários imóveis e indústrias alimentícias, e de sua mulher, Ana Paula da Conceição (1837-1908). Cresceu entre Lisboa e Colares, juntamente com o irmão mais novo, José Inácio Paulo da Costa (1862-1912), com quem fez uma grande viagem pela Europa em 1889.[1][3][4]

 
Título de uma obrigação, da Companhia Nacional de Conservas, figurando como proprietário Eduardo Rodrigues da Costa.

Eduardo foi, como seu pai, um grande benemérito de Colares. Sócio da Real Associação de Bombeiros Voluntários da Ajuda e membro deste corpo (da qual era Comandante o Infante D. Afonso de Bragança, Duque do Porto, seu amigo pessoal, conhecido por seus amigos como O Arreda, devido à paixão pelos veículos motorizados e pela velocidade com que conduzia pelas ruas de Lisboa), a Eduardo ficou incumbida a chefia da nova esquadra de Colares, sendo nomeado Comandante da Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares, iniciando-se assim uma caminhada de distintos serviços à comunidade desta vila, terra natal de seu pai, pelos quais foi condecorado. A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Colares, por si fundada, remonta ao dia 9 de março de 1890, sendo, por essa razão, a mais antiga corporação de bombeiros do concelho de Sintra. Além disso, foi industrial e proprietário, sendo-lhe passada para seu nome, no final da vida de seu pai, a titularidade da Companhia Nacional de Conservas, bem como as restantes indústrias.[5][6][7] Foi também sócio da Sociedade de Geografia de Lisboa, proposto pelo Visconde da Rocha de Portimão, Palermo de Faria, Caldeira Pires, Rodrigo Afonso Pequito, João Diogo da Silva Pinto e Manuel Augusto Teixeira.[8][9]

Em 1896, herdou a grande maioria do espólio e da fortuna de seu pai, aquando do seu falecimento. A gerência do património não foi bem sucedida e acabou por contrair inúmeras dívidas, hipotecas e penhoras, acabando por perder quase todos os imóveis e indústrias. Eduardo tinha, segundo conta a família, uma personalidade de bon-vivant, espirituoso e boémio, gastando toda a fortuna em expensas festivas e luxuosas, não tendo propensão para gerir o grande legado de seu pai, assim como o irmão, deixando poucos vestígios aos descendentes dos numerosos bens que herdara.

Em consequência destes eventos, a 24 de fevereiro de 1912, o seu irmão põe termo à vida, aos 49 anos, na Villa Costa, em Colares, de onde se atirou de uma janela, deixando 2 filhos menores e 4 maiores, mas todos jovens. Eduardo pouco mais durou que o irmão, tendo falecido às 11 horas de 7 de julho do mesmo ano, no segundo andar do número 40 da Rua da Prata, em plena Baixa de Lisboa, vitimado por uma síncope cardíaca, com apenas 52 anos, em casa de amigos. A sua última morada foi o primeiro andar direito do número 43 da Avenida da República. O funeral ocorreu no Cemitério dos Prazeres, onde foi sepultado no jazigo de família mandado construir pelo seu pai.[2]

Família e descendênciaEditar

Casou a 4 de maio de 1881, aos 20 anos, na Igreja de Santos-o-Velho, em Lisboa, com Matilde Emília de Sales (Sacramento, Lisboa, 7 de agosto de 1861São Sebastião da Pedreira, Lisboa, 2 de fevereiro de 1927), filha do major do Exército Ricardo António de Sales e de Maria Constância da Silva, naturais de Lisboa.[10]

Deste matrimónio nasceram:

ReferênciasEditar

  1. a b «Livro de registo de baptismos da Paróquia de Santa Catarina (1858 a 1861)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  2. a b «Livro de registo de óbitos da 2.ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa (26-01-1912 a 27-07-1912)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. p. 176 verso-177, assento 498. Consultado em 3 de março de 2021 
  3. «ViIla Costa em Colares». riodasmacas.blogspot.pt. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  4. «Processo de requerimento de passaporte de Eduardo Rodrigues da Costa». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 3 de março de 2021 
  5. «Cronologia de Sintra - De 1880 a 1910 – Alagamares». Consultado em 1 de março de 2021 
  6. Cardoso, Luís. «Bombeiros Voluntários de Colares». www.aminhasintra.net. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  7. «História da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Colares». www.ahbvcolares.pt. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  8. Lisboa, Sociedade de Geografia de (1890). Actas das sessões da sociedade. [S.l.]: imprensa nacional 
  9. Lisboa, Sociedade de Geografia de (1901). Boletim - Sociedade de Geografia de Lisboa. [S.l.: s.n.] 
  10. «Livro de registo de casamentos da Paróquia de Santos-o-Velho (1880 a 1884)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  11. «Livro de registo de baptismos da Paróquia de Santos-o-Velho (1882 a 1883)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  12. a b «Livro de registo de baptismos da Paróquia de Santos-o-Velho (1883 a 1884)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  13. «Livro de registo de casamentos da Paróquia de São Sebastião da Pedreira (1903 a 1905)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 1 de março de 2021 
  14. «Livro de registo de casamentos da Paróquia de São Sebastião da Pedreira (1906 a 1907)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 1 de março de 2021 
  15. «Livro de registo de baptismos da Paróquia de Santos-o-Velho (1887 a 1888)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  16. «Livro de registo de casamentos da Paróquia de São Sebastião da Pedreira (1910)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 1 de março de 2021 
  17. «Livro de registo de baptismos da Paróquia de Santos-o-Velho (1891)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  18. «Livro de registo de óbitos da Paróquia de Pena (1892)». Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consultado em 5 de agosto de 2017