Afonso de Bragança, Duque do Porto

Afonso de Bragança (Lisboa, 31 de julho de 1865Nápoles, 21 de fevereiro de 1920), foi um Infante de Portugal, Duque do Porto, Condestável de Portugal e o governador e último vice-rei da Índia Portuguesa.[1] Era o segundo filho do rei Luís I de Portugal, e de sua esposa, a princesa Maria Pia de Saboia.

Afonso
Infante de Portugal
Duque do Porto
Aphonso Duke of Oporto, 1888.png
Vice-rei do Estado Português da Índia
Reinado 1896
Antecessor(a) Rafael Jácome de Andrade
Sucessor(a) João António das Neves Ferreira
Príncipe Real de Portugal
Reinado 1 de fevereiro de 1908
a 5 de outubro de 1910
Predecessor Luís Filipe
 
Nascimento 31 de julho de 1865
  Palácio Real da Ajuda, Lisboa
Morte 21 de fevereiro de 1920 (54 anos)
  Nápoles, Itália
Sepultado em Panteão da Dinastia de Bragança, Mosteiro de São Vicente de Fora, Lisboa.
Nome completo  
Afonso Henriques Napoleão Maria Luís Pedro de Alcântara Carlos Humberto Amadeu Fernando António Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis João Augusto Júlio Valfando Inácio
Esposa Nevada Stoody Hayes
Casa Bragança
Pai Luís I de Portugal
Mãe Maria Pia de Saboia
Religião Catolicismo

BiografiaEditar

Segundo filho do rei Luís I de Portugal e da rainha Maria Pia de Saboia, e irmão mais novo do rei Carlos I, Afonso desempenhou as funções de condestável do reino, tendo sido nomeado vice-rei da Índia em 1895, por ocasião de uma expedição a essas colónias. Representou algumas vezes o irmão em cortes estrangeiras. Foi general de divisão do exército português e inspector-geral da arma de artilharia. Era ainda comandante honorário dos Bombeiros Voluntários da Ajuda.

Jurado pelas Cortes herdeiro presuntivo da coroa portuguesa, durante o curto reinado de Manuel II, seu sobrinho, após a implantação da República em 1910, Afonso exilou-se com a mãe, a rainha Maria Pia, em Itália, onde residiu na cidade de Nápoles. Não teve filhos do seu casamento morganático, celebrado em Madrid, em 1917, com Nevada Stoody Hayes, cidadã americana.

 
D. Afonso, ao volante.

Reza a crónica anedótica que era conhecido como «O Arreda». Amante de carros e de velocidade, corria pelas ruas da cidade no seu automóvel aos gritos «Arreda, Arreda!» para que as pessoas saíssem da frente, o que lhe valeu o cognome. No entanto a verdade é que ele, por ser o comandante da Real Associação de Bombeiros Voluntários da Ajuda fundado por si, percorria as ruas de Lisboa num carro de bombeiros – pago do próprio bolso – a alta velocidade, e como não havia sirenes nesse tempo, fazia-o com essa palavra de ordem ou grito para que os hipomóveis, os peões e os carros de cavalos, a circularem na via pública, arredassem para o lado e saíssem da frente. A sua paixão por esses novos veículos motorizados levou-o igualmente a ser responsável pela organização das primeiras corridas de carros em Portugal.[2]

Terá sido ele que teve a preocupação de fundar o Instituto de Odivelas, cerca de Lisboa, em 14 de janeiro de 1900, um colégio para instrução e educação de filhas de militares superiores.[3]

Falecido em 1920, foi trasladado em 1921 para o Panteão da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

Durante toda a vida, foi tratado como Sua Alteza, o Infante D. Afonso, duque do Porto.

Referências

  1. "Tratado de Todos os Vice-Reis e Governadores da Índia", Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, Lisboa, 1962, p. 240
  2. miguelvillasboas (11 de agosto de 2016). «O Bombeiro D. Afonso de Bragança». Consultado em 24 de julho de 2021 
  3. Brevíssima nota histórica sobre o Instituto de Odivelas

BibliografiaEditar

  • BUCHA, Agostinho Inácio; D. Afonso Henriques de Bragança: O Esquecido. Lisboa: Chiado Editora, 2014.
Realeza Portuguesa
Dinastia de Bragança
Descendência

Precedido por
Luís I de Portugal
Duque do Porto
18891920
Sucedido por
Monarquia abolida
Precedido por
João de Bragança, Duque de Beja
Condestável de Portugal
18651910
Sucedido por
Monarquia abolida
Precedido por
Rafael Jácome de Andrade
Vice-Rei da Índia Portuguesa
1896
Sucedido por
João António de Brissac das Neves Ferreira como governador interino
Precedido por
Luís Filipe, Duque de Bragança
Príncipe Real de Portugal
1 de fevereiro de 1908
a 5 de outubro de 1910
Sucedido por
Monarquia abolida
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.