Eglom (em hebraico: עֶגְלוֹן), no Antigo Testamento da Bíblia, foi um rei de Moabe, morto pelo juiz Eúde.

Eglom
Rei de Moabe
Eúde assassinando o rei Eglom. Ilustração de Ford Madox Brown para Bíblia, 1908.
Antecessor(a) Balaque
Sucessor(a) Israel
Filha(s) Rute
Orfa
Pai Balaque

História na BíbliaEditar

Israel teve liberdade por quarenta anos, até a morte de Otniel, [1] porém depois disso os filhos de Israel voltaram a pecar, e Jeová fortaleceu Eglom, rei dos moabitas.[2]

Eglom, aliado aos amonitas e amalequitas, derrotou Israel, tomou a cidade das palmeiras,[3] e oprimiu Israel por dezoito anos.[4]

Os israelitas pediram um salvador a Jeová, que foi Eúde, da tribo de Benjamim.[5] Eúde foi escolhido para levar o tributo de Israel a Eglom.[5]

Ele levou escondido um punhal,[6] e, após pagar o tributo, disse que havia uma mensagem secreta para o rei.[7] Quando Eúde ficou sozinho com Eglom, disse que tinha uma palavra da parte de Deus, ao que Eglom se levantou.[8] Eúde, então, com a mão esquerda tirou o punhal da coxa direita, e cravou no ventre do rei,[9] porém a gordura fechou-se sobre o punhal, e saíram fezes. [10] Eúde trancou a porta da sala[11] e disse aos servos do rei que ele estava defecando.[12]

De volta a Israel, em Efraim, Eúde tocou as trombetas e reuniu os israelitas,[13] dizendo que Jeová havia entregue a eles os moabitas, e tomou os vaus do Jordão.[14] Na guerra, morreram dez mil moabitas.[15]

Eúde matou Eglom e livrou Israel do pagamento desses tributos, e fugiu para as montanhas de Efraim, onde reuniu um exército para vencer os moabitas que tentassem atravessar o rio Jordão.

Assim, Israel alcançou um período de paz por 80 anos.[16] O próximo juiz foi Sangar[17]

Família segundo o MidrasEditar

Segundo o Midras, Eglom era filho de Balaque, rei dos moabitas que mandou o profeta Balaão amaldiçoar Israel. Ele foi o pai de Rute e Orfa; segundo a tradição, como prêmio por ele ter se levantado ao ouvir o nome de Deus, ele se tornou ancestral do rei Davi.

Ver tambémEditar

Referências