Abrir menu principal

Esta página contém alguns caracteres especiais e é possível que a impressão não corresponda ao artigo original.

Eid al-Adha ( em árabe : عيد الأضحى transliteração: Eid Alatz'ha), ou Eid ul-Adha também conhecido como Grande Festa ou Festa do Sacrifício, é um festival muçulmano que sucede a realização do haje , a peregrinação a Meca. É comemorado a partir do décimo dia do mês de Dhu al-Hijjah (no último mês do ano lunar no Calendário islâmico ), e a festa tem duração de quatro dias. É celebrado pelos muçulmanos de todo o planeta em memória da disposição do profeta Ibrahim (Abraão) em sacrificar o seu filho Ismael conforme a vontade de Deus. Ocorre 70 dias após o Ramadãe as festas coincidem com o Haje.[1] Está interligada ao Eid al–Fitr, que marca o fim do jejum do Ramadã, uma festa interligada e é a primeira festa. No Eid al-Adha é feito a troca de presentes e o sacrifício de animais onde a carne é dividida com familiares e com os pobres.[2]

A partir do décimo dia do mês, por quatro dias se comemora a Festa do Sacrifício (Eid al-Adha), que é um dos dois principais feriados no Islã. Segundo a tradição islâmica, este feriado marca o sacrifício de Ismael por Abraão (história aparece no Corão e uma história paralela do sacrifício de Isaac na Bíblia Hebraica).

Índice

HistóriaEditar

No Alcorão, o profeta Abraão , que acredita em Deus, teve um sonho em que ele mata o seu filho e, ao contrário da tradição hebraica, que afirma que Abraão iria sacrificar Isaac, no alcorão e, conforme a tradição muçulmana, Abraão tem um sonho onde oferece Ismael como um sacrifício a Deus. Ele revela ao filho o sonho e o filho diz ao pai para respeitar a vontade de Deus. O profeta Abraão desloca-se para o Monte Arafat e, em comum acordo com Ismael, prova sua fé se dispondo a sacrificar seu filho a Deus. A partir daqui, semelhante a tradição hebraica, Allah providencia um cordeiro.[3]

A tradição muçulmana afirma que quando Ismael estava com 13 anos e Ibrahim com 99 anos,[4][5] foi revelado por sonho a respeito do sacrifício que deveria ofertar seu filho. Na tradição cristã, corroborando este fato, Deus pede a Abraão seu único filho por sacrifício.[6] Ismael aquiesceu com o sacrifício de si próprio, e tendo passado pela prova, foram ao Monte Arafat e Allah providenciou o sacrifício substituto. Depois desta provação vencida, e a tradição muçulmana afirma que Deus concedeu que Abraão tivesse seu segundo filho, Isaac.[4][7][8]

A Adha marca um dos rituais das práticas destaques entre o povo muçulmano. O ensino semelhante na tradição hebraica e cristã é igualmente estimulado, ainda que não seja incentivada festas ou peregrinações. Na cultura cristã, o sacrifício do filho de Abraão é considerada uma tipologia de Cristo Jesus.[9][10][11] A diferença na cultura muçulmana é que após as festas do sacrifício, não se apresenta tipologias com a festa cristã, nem se aceita que o sacrifício tenha sido de Isaac, assim inicia-se a peregrinação à Meca, que dura em torno de uma semana.

Forma de celebraçãoEditar

A comemoração, que lembra o sacrifício de Ibrahim, dura até quatro dias. No primeiro dia, homens, mulheres e crianças vestem as melhores roupas que possuem e realizam a salat (a oração) numa grande congregação. Os sacrifícios devem ser oferecidos somente após as orações.

Todos os muçulmanos que possuem meios econômicos devem sacrificar animais como forma de lembrar o acontecimento. Em alguns casos em vez de 1 sacrificam-se 2, 3 ou até centenas. É condição obrigatória que o animal seja macho, adulto e saudável. A carne que resulta destes sacrifícios é distribuída por um terço para familiares, um terço para vizinhos e um terço para os pobres.

Os muçulmanos que vivem em alguns países em que a legislação estabelece que os animais devam ser respeitados ficam impossibilitados de realizar este festival da forma tradicional. Estes muçulmanos optam por fazer donativos a organizações de caridade, que executam o sacrifício em seu nome e distribuem a carne entre os pobres de um país escolhido pelo doador.

Faz parte dessa comemoração, visitar amigos e familiares. Em algumas nações, por tradição cultural e não pelo Islam, algumas pessoas trocam presentes. Enquanto Eid al-Adha é sempre no mesmo dia do calendário islâmico, a data no calendário gregoriano varia de ano para ano desde que o calendário islâmico é um calendário lunar e o gregoriano é um calendário solar.

CalendárioEditar

  • 10 de maio de 1995 (1415)
  • 28 de abril de 1996 (1416)
  • 18 de abril de 1997 (1417)
  • 7 de abril de 1998 (1418)
  • 28 de março de 1999 (1419)
  • 16 de março de 2000 (1420)
  • 5 de março de 2001 (1421)
  • 23 de fevereiro de 2002 (1422)
  • 12 de fevereiro de 2003 (1423)
  • 1 de fevereiro de 2004 (1424)
  • 21 de janeiro de 2005 (1425)
  • 10 de janeiro de 2006 (1426)
  • 31 de dezembro de 2006 (1427)
  • 20 de dezembro de 2007 (1428)
  • 8 de dezembro de 2008 (1429)
  • 27 de novembro de 2009 (1430)
  • 16 de novembro de 2010 (1431)
  • 6 de novembro de 2011 (1432)
  • 26 de outubro de 2012 (1433)
  • 15 de outubro de 2013 (1434)
  • 5 de outubro de 2014 (1435)
  • 24 de setembro de 2015 (1436)
  • 12 de setembro de 2016 (1437)
  • 1 de setembro de 2017 (1438)
  • 22 de agosto de 2018 (1439)
  • 11 de agosto de 2019 (1440)

Referências

  1. [1]
  2. Eid al-Adha, Meaning of "The Festival of Sacrifice"
  3. Alcorão 2:196
  4. a b Eid al – Adha, Festival of Sacrifice, A Commemoration of the Devotion of Ibraheem and Isma'el (AS)
  5. Nota: Isaac teria nascido quando Abraão estava com 100 anos
  6. Acrescentou Deus: Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que eu te mostrarei." (Gen 22:1-2) O texto de Genesis, ainda conste Isaac, e não Ismael, falaria de um “único filho”, quando ao falar a respeito de Isaac, o termo único filho necessitaria de outras explicações, como por exemplo o fato de Abraão ter despedido a Hagar com seu filho Ismael, tendo ficado com um só filho. Ou então Ismael seria o único filho nascido e Isaac somente viria a nascer depois.
  7. Alcorão 37:12
  8. Alcorão 37:100-101
  9. Tipologia Bíblica
  10. tipologia bíblica
  11. Sacrifício, Contínuo e Perpétuo é exigido pela Sagrada Escritura