Viaduto Engenheiro Freyssinet

(Redirecionado de Elevado Paulo de Frontin)

O Viaduto Engenheiro Freyssinet, conhecido popularmente como Viaduto da Paulo de Frontin, em referência à avenida que existe abaixo do elevado, é uma via expressa localizada na cidade do Rio de Janeiro.

Viaduto Engenheiro Freyssinet


HistóriaEditar

O viaduto começou a ser construído em 1969 e foi inaugurado em 1974, durante as administrações de Negrão de Lima e Chagas Freitas.


CaracterísticasEditar

O elevado liga o Túnel Rebouças à Linha Vermelha, com saídas em direção à Ponte Rio-Niterói e à Avenida Brasil. Em um grande trecho, ele acompanha todo o traçado da Avenida Paulo de Frontin, no bairro do Rio Comprido. A construção desse viaduto foi um dos principais fatores que causaram a desvalorização do bairro do Rio Comprido.[carece de fontes?]

O viaduto foi batizado em homenagem a Eugène Freyssinet, engenheiro e arquiteto francês, considerado "o pai do concreto protendido".[1]

AcidenteEditar

 
O elevado passando em cima da Rua João Paulo I, próxima do local do acidente

Em 20 de novembro de 1971, um trecho de 122 metros do elevado desmoronou durante a fase final de sua construção. Um caminhão betoneira carregado com oito toneladas de concreto passava por cima do elevado no momento do desabamento. Os escombros esmagaram um ônibus e alguns automóveis que cruzavam a Avenida Paulo de Frontin pela Rua Haddock Lobo, matando seus ocupantes. A tragédia deixou 26 mortos e 22 feridos.[2]

O trecho desmoronado foi reconstruído ao mesmo tempo em que se realizou o reforço estrutural de todo o viaduto. Foi inaugurado somente em 1974.[2] Aproveitando estas intervenções, o governo do antigo Estado da Guanabara decidiu estendê-lo por quase dois mil metros, até a altura do Campo de São Cristóvão, onde hoje ele se encontra com a Linha Vermelha.[3]

Referências

  1. «Viaduto de Concreto Protendido» 
  2. a b «Em novembro de 1971, elevado Paulo de Frontin desabou, matando 26 pessoas». O Globo. 18 de novembro de 2013. Consultado em 3 de julho de 2014 
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 11 de setembro de 2012. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015