Alain Barrière

cantor francês
(Redirecionado de Elle était si jolie)

Alain Barrière (nome verdadeiro: Alain Bellec, Trinité-sur-Mer, 18 de novembro de 1935Carnac, 18 de dezembro de 2019) foi um cantor francês que esteve ativo desde os anos 50 e ficou conhecido internacionalmente por ter representado a França no Festival Eurovisão da Canção 1963.

Alain Barrière
Informação geral
Nascimento 18 de novembro de 1935
Local de nascimento Trinité-sur-Mer, Bretanha
França
Morte 18 de dezembro de 2019 (84 anos)
Local de morte Carnac, França
Gênero(s) pop, chanson
Ocupação(ões) cantor
Gravadora(s) RCA, Barclay
Página oficial alainbarriere.com

Início da carreiraEditar

Depois de ter nascido e crescido numa pequena vila costeira da Bretanha, em 1955, Barrière entrou na École nationale supérieure d'arts et métiers em Angers. Enquanto era estudante comprou uma guitarra e começou a escrever canções. Formou-se em engenharia em 1960, partiu para Paris à procura de emprego e começou a cantar de noite em pequenos clubes em redor da cidade. Venceu um festival em 1961, com a canção composta por si "Cathy", uma canção no estilo chanson e conseguiu em breve um contrato com uma editora e começou lançar singles regularmente, permitindo-lhe a criação do seu emprego e pelo menos uma vida modesta da música.[1]

Festival Eurovisão da CançãoEditar

Em 1963, a canção "Elle était si jolie" ("Ela era tão bonita") foi escolhida como a representante da França no Festival Eurovisão da Canção 1963 que teve lugar a 23 de março desse ano em Londres. "Elle était si jolie" terminou a competição em 5.º lugar, entre 16 participantes.[2]

SucessoEditar

"Elle était si jolie" tornou-se o seu maior sucesso da sua carreira. Ele lançou o seu primeiro álbum Ma vie, em 1964 e o título tornou-se um enorme sucesso. Em 1965 foi-lhe proposto um papel num heist thriller, Pas de panique, juntamente com Pierre Brasseur. Esta foi a sua única aventura no campo da representação, mas o pico da sua carreira no final da década de 1960 com uma série de sucessos que fez uma das estrelas da música francesa daquele tempo. .

Década de 1970Editar

Barrière ganhou a reputação de ser difícil trabalhar com ele. Nos inícios da década de 1970 deixou a sua editora para criar uma editora/gravadora dele. Ele ganhou a sua base de fãs que lhe asseguraram os seus discos e concertos continuaseem a proporcionar-lhe uma vida boa, apesar de ser desprezado por setores dos media franceses "Tu t'en vas", que gravou em dueto com a cantora Noëlle Cordier, fez subir a número do top francês em 1975 e foi o terceiro single masi vendido em França.

Barrière casou-se em 1975 e ele e a sua esposa abriram um clube noturno num antigo castelo da Bretanha. Se bem que o sucesso continuasse, surgiram problemas com o pagamento de impostos. Em 1977 ele e a sua família partiram para os Estados Unidos da América onde permaneceu durante quatro anos.[1]

Vida posterior e morteEditar

Depois de voltar a França, fez várias tentativas para regressar à vida musical. Depois de um outro período no estraangeiro, desta feita no Quebeque, a família voltou à Bretanha quando a carreira de Barrière foi rejuvenescida pelo lançamento em 1997 de um CD com versões remasterizadas dos seus velhos êxitos que provaram ser um boa fonte de receita. Poco tempo depois, Barrière lançou um álbum com novas canções que também venderam bem.

Ele lançou uma autobiografia em 1996 e continua a lançar singles novos e outros de retrospetiva.[3]

Barrière morreu no dia 18 de dezembro de 2019, aos 84 anos.[4]

Referências

  1. a b «Biografia dele na Radio France International». Consultado em 27 de setembro de 2010. Arquivado do original em 14 de maio de 2011 
  2. "Elle était si jolie" no diggiloo.net
  3. Allmusic.com biography
  4. Lamy, Frédérique (19 de dezembro de 2019). «Le chanteur Alain Barrière est mort». Le Monde (em francês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alain Barrière

Precedido por
Isabelle Aubret
com Un premier amour
França no Festival Eurovisão da Canção
1963
Sucedido por
Rachel
com Le chant de Mallory