Abrir menu principal

Endocrinologia é uma especialidade médica que estuda as ordens do sistema endócrino e suas secreções específicas, chamadas de secreções fisiológicas.

As principais áreas de atuação do especialista, que é denominado endocrinologista, são o tratamento de: diabetes, obesidade, doenças da tireoide, desordens da glândula hipófise, distúrbios da menstruação, entre outros.

A endocrinologia possui vários ramos de estudo, como a neuroendocrinologia, tireoide, obesidade e diabetes, adrenais, endocrinologia feminina e masculina, metabolismo dos carboidratos, lipídios e proteínas, tumores neuroendócrinos e síndromes poliglandulares.

Endocrinologia e MetabologiaEditar

A endocrinologia e metabologia busca integrar a endocrinologia clássica com a medicina funcional e o estilo de vida, com o objetivo de otimizar a saúde do indivíduo através uma abordagem holística, centrada na prevenção de doenças antes que se manifestem.[1]

Enquanto a endocrinologia apresenta um campo vasto no tratamento dos órgãos que produzem hormônios, a metabologia é a ciência que estuda o conjunto de mecanismos químicos que o organismo necessita para a formação.

Como resultado, a endocrinologia e metabologia se apoiam em pilares em busca de maior qualidade de vida:

  • Exercícios físicos regulares;
  • Alimentação saudável;
  • Saúde do sono e manejo do stress.

No BrasilEditar

A Endocrinologia, no Brasil, foi introduzida na década de 1950, quando foi criada a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, também conhecida por sua sigla "SBEM".

A especialidade vem ganhando projeção, com o passar dos anos, pois as desordens por ela tratadas vêm aumentando sua prevalência na população brasileira e no mundo. A obesidade, por exemplo, afeta cerca de 42% da população, e cerca de 15% da população brasileira tem diabetes (embora só a metade destes o saiba). Essas duas doenças, decorrentes em grande parte da modificação alimentar causada pelo desenvolvimento no mundo, estão em ascensão, e têm merecido grande atenção, por parte dos serviços de saúde.

RegulamentaçãoEditar

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), afiliada à Associação Médica Brasileira (AMB), é o órgão regulamentador da especialidade médica.[2]

A SBEM realiza anualmente a prova para obtenção do Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia (Sigla: TEEM), bem como apoia a produção acadêmica e colaboração científica, contando com dois grandes congressos médicos da especialidade, sendo um de Atualização nos anos ímpares e de outros debates mais amplos em anos pares.

A Archives of Endocrinology and Metabolism (AE&M) é o orgão oficial de divulgação científica da SBEM. A publicação possui nove edições/ano em versão impressa e a versão eletrônica completa - com acesso aberto - está disponível na SciELO - Scientific Electronic Library Online.[3]

Hoje, são aproximadamente 3500 associados ativos em todo país.

FormaçãoEditar

Para se tornar um especialista em endocrinologia, o candidato precisa atender a um dos seguintes quesitos: (1) Residência Médica da Especialidade, certificado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM)/MEC, com tempo de formação mínimo de 2 anos, mais Residência de 2 anos em Clínica Médica; OU (2) Programa de Formação na Especialidade, credenciado pela SBEM, com duração e matriz de competência iguais aos do Programa de Residência Médica, além de Residência de 2 anos em Clínica Médica e título de especialista pela SBEM; OU (3) Treinamento/Capacitação em Endocrinologia e Metabologia, por meio do desenvolvimento de atividades práticas, em período mínimo de 8 anos e supervisão de 2 profissionais médicos qualificados, mais título de especialista pela SBEM.

Áreas de AtuaçãoEditar

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, as principais áreas de atuação do endocrinologista são as seguintes:[4]

  • Andropausa
  • Colesterol e Triglicerídeos
  • Crescimento
  • Diabetes
  • Distúrbios da Menstruação
  • Distúrbios da Puberdade
  • Doenças da Glândula Supra-Renal
  • Doenças da Hipófise
  • Excesso de Pelos
  • Obesidade
  • Osteoporose
  • Reposição Hormonal da Menopausa
  • Tireoide

Ligações externasEditar

Referências